música ao pé da nota

Apenas uma conversa sobre os sons que andam / ressoam por aí

Luciano Pontes

Músico, matemático, poeta, cinéfilo . Um pouco de cada falta em cada sobra. Vive viajando parado por achar que não é deste mundo.

Para poucos serem imortais muitos têm que morrer

O tema sugerido por (pasmem!) por um professor de matemática, se torna um concurso. Alunos então postam várias visões sobre o tema. Tive a sorte de ser amigo desse professor e presenciar cada texto, cada explanação no Facebook. Alunos que, com suas visões, tentam imortalizar suas palavras. E por unanimidade, o melhor deles eu resolvi compartilhar com vocês aqui.


ave-fenix-741729.jpeg

Andando a esmo pela rede social dos detalhes azuis, percebi algo que me chamou a atenção. Alunos de um amigo meu da UFAL, Emerson Feliciano (Vulgo Emerinho!) postando textos na sua timeline com o mesmo prelúdio desse artigo. Desde a graduação (Emerinho era veterano quando cheguei!) tínhamos esse amor pelas letras na Álgebra e fora dela. Fui conversando com ele sobre tal iniciativa, que veio de sua esposa e também minha amiga, a pedagoga Karina Mendes, pensar sobre uma perspectiva diferente o ensino-aprendizagem do professor de matemática. A priori, todos que veem tal coisa se abismam, pelo fato do antagonismo (pejorativo, desde já) das disciplinas envolvidas nesse trabalho.

Os textos foram surgindo, cada aluno colocando sua interpretação sobre o que acham da imortalidade versus mortalidade. Me chamou atenção (e por isso vos escrevo e compartilho de tal) foi um texto, que por coincidência o primeiro que eu li. O texto ficou muito legal. Então decidi com o Emerson que faríamos uma votação e o melhor venceria. Adivinhem quem venceu?

O texto é da aluna Clarisse Santos, que cursa o primeiro ano do médio na Arthur Ramos, em Arapiraca, Alagoas. Nerd de carteirinha (assim como eu, conexão anterior a verbal existe!), adora animes e tudo que está incluso no mundo dos "padawans". Sem mais conversa, segue o texto.

Namastê!

Muitas religiões que têm crenças em divindades, fitam que, estas denominadas deuses, são imortais. A imortalidade é um estado de vida que permite a uma pessoa não morrer e manter o pensamento consciente. Na história conhecemos pessoas que tornaram-se ‘imortais’, mesmo não sendo deuses, ou qualquer outra divindade vista pelas religiões. Tornaram-se imortais por seu atos, pensamentos, entre outros... Pessoas que hoje têm nomes familiares para nós são ‘famosas’ pois enquanto vivas, falaram, pensaram, fizeram coisas que marcaram e fizeram deste um imortal por suas obras, tendo seus nomes levados por gerações. Imagine-se em uma guerra, lutando por seu país, exercendo seu dever de patriota. Houve alguém que organizou este movimento de homens que você participa. Todos sabemos o que acontecem em guerras, muitos morrem para poucos viverem. Porém, a imortalidade histórica é válida apenas para quem se destacou, no caso, o responsável pelo tal episódio, seja: general, comandante, presidente, etc. Você será lembrado por seus familiares, amigos, e até por seu país como uma massa junto com os outros homens que lutaram, defenderam e morreram na guerra pelo país. Mas a imortalidade histórica será dada à poucos, pois muitos serão esquecidos para apenas poucos ficarem na memória, tornando-lhes imortais históricos. Isso é um fato, pois, quem te manda pra guerra não é este quem vai morrer. Homens bombas não se importam de morrer e matar outras pessoas por suas doutrinas ou defesa do país. Fazem isto por crerem que, assim, chegarão a Allá e viverão a vida eterna no paraíso. Alguns companheiros de pesquisas científicas não importaram-se em matar seus mestres para ficarem com o reconhecimento de suas descobertas, e assim, serem reconhecidos, até mesmo mundialmente, por tal feito ‘descoberto’. A morte de outros pela imortalidade de um, seja ela histórica ou espírita, é o almejo de realização própria, orgulhosa, injusta e desrespeitosa à vida dos outros.


Luciano Pontes

Músico, matemático, poeta, cinéfilo . Um pouco de cada falta em cada sobra. Vive viajando parado por achar que não é deste mundo..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// //Luciano Pontes