não matarás

O hediondo e banal

Paola Rodrigues

Concorda com Salinger, todos batem palmas pelas razões erradas

Tailor: a voz sincera das minorias

Em suas ilustrações, Tailor, escancara sem pudor problemas, medos e preconceitos que estão nas entranhas de nossa sociedade. Um verdadeiro remédio para alma.


1502786_726100710735099_1001805705_o.png

Existem vários termos, jargões e pensamentos que estão sendo cada vez mais passados a diante, sem a averiguação prévia. O filósofo e escritor grego Hesíodo, criador da obra "Os trabalhos e os dias", que viria a ser a inspiração para Ovídio criar sua obra máxima "Metamorfoses", no ensaio ele descreve as cinco eras que a humanidade eté então havia passado. Acredito piamente que se Hesíodo ainda estivesse vivo nos dias de hoje, chamaria nossa época de Era da Ignorância.

Mas isso é fundo para outro texto, o que tento passar com isso é que estamos cada dia mais afundados na própria ignorância e ideias pouco trabalhadas. Não reservamos mais tempo para analisar nossas ações ou o porque de tudo que nos cerca. Isso me causa profunda tristeza, coisa que já demonstrei.

1009088_723753910969779_939592731_o.png

Imaginem minha alegria - pulando da cadeira, indo buscar um copo de algo gelado e brindando com a tela do computador - quando me deparei com a página de Tailor no Facebook. Li toda, sorri, me identifiquei e vi a hipocrisia sendo jogada no chão e pisada com ilustrações simples, mas extremamente bem elaboradas e diretas.

Após passado vários minutos de contemplação, entrei em contato e com o máximo de satisfação que o coração desta autora pode conter, transcrevo para vocês a pequena entrevista concedida e lhes mostro tirinhas que vão ser quase um Prozac para a alma.

1492715_728019057209931_304906265_o.jpg

P - Quem é o artista por de trás da obra?

Tailor - Acho até graça de me chamarem de artista, sou só uma pessoa tentando lidar com seus problemas. Eu larguei a faculdade semestre passado, ficava o dia inteiro no quarto então desenhar foi um jeito que eu vi de me distrair e acabou me ajudando bastante. Eu não esperava que fosse receber tanta repercussão.

1522547_712446068767230_971449166_o.jpg

P - Como surgiu a ideia das ilustrações?

Tailor - Eu precisava desabafar sobre tudo que eu tava prendendo dentro de mim. E criticar as merdas que eu vejo as pessoas falando por ai, os quadrinhos do cara legal que são os mais populares foram coisas que já me disseram ou que alguma amiga ouviu de um cara que se fazia de amigo e até mesmo feminista, apesar de ser transfóbico ou defensor de estupradores.

ramones.png

1553184_720085311336639_1765709761_o.png

P - Percebi que você usa música, séries e livros como inspiração. Quais são seus preferidos?

Tailor - Em questão de séries, Twin Peaks e Portlandia são grandes inspirações. Inclusive o nome pra zine (queer horror) que eu estou fazendo veio de Portlandia e vivo enfiando referências a Twin Peaks em tudo. Filmes eu gosto principalmente de suspense e drama, de filmes antigos também, meus diretores favoritos são Tarkovsky, Kubrick, Sofia Coppola, von Trier e do Lynch é claro. E ah, The Rocky Horror Picture Show tá bem evidente nos meus desenhos, já que na maioria eu só uso preto e vermelho. Em questão de literatura eu amo obras escritas por mulheres, tipo Vale das bonecas e qualquer coisa escrita pela Virginia Woolf. Tudo que eu preciso dizer sobre música é Bowie, Patti Smith e Riot grrrl.

1653939_728871043791399_1975663558_n.png

P - Muitas das ilustrações tem um cunho do movimento feminista, abrangendo assuntos como abuso e preconceito. Você se considera uma feminista?

Tailor - Com toda certeza.

P - O que você pensa sobre o movimento?

Tailor - Penso que é um movimento pra empoderar mulheres e ajudá-las a encontrar a voz que foram ensinadas a calar. É um jeito de todo mundo que sofre algum tipo de opressão se libertar, mas muita gente se recusa a ver isso e só fica naquela de “não sou machista, nem feminista, odeio extremos”, como se ser feminista fosse o oposto de ser machista. E ah, tô cansada de homem branco hétero cis vindo chamar de feminista porque eu não retrato eles como vítimas...Eu até acho que eles sofrem algumas opressões dentro da nossa sociedade, mas eles tão numa posição em que conseguem as coisas sem muito esforço e sofrem muito menos que negros, mulheres e pessoas trans, por exemplo, e é nessas minorias que eu quero concentrar a minha luta.

1496103_721446817867155_1377644306_o.png

980388_709173132427857_1091604234_o.jpg

1498051_710483692296801_232940989_o.jpg

1523699_730345690310601_452377186_o.png

1490689_718165544861949_1683332449_o.png

1492755_724040070941163_241386218_o.png

P - O que você pensa sobre o vício em drogas? [ remédios, drogas mais comuns, etc etc ]

Tailor - Eu já falei de drogas algumas vezes, mas juro que todas que eu uso são receitadas.

1479470_707099382635232_759110708_n.png P - O que você pretende com seu trabalho?

Tailor - Devem achar que eu tenho algum tipo de pretensão, mas na verdade eu só quero aprender a lidar melhor com os meus problemas, com a minha depressão e ansiedade. Mas com a proporção que a página tomou, eu espero que eu ajude algumas pessoas a refletir sobre suas opiniões, eu nem preciso fazer ninguém mudar, acho que nós ainda estamos cheio de preconceitos, só questionar um pouco as verdades que consideramos absolutas já é um grande passo.

1492416_729345317077305_1447688715_o.png

14796_730510396960797_2133979245_n.png Todas as ilustrações são de direito reservado do artista.

Você pode acompanhar mais de Tailor em sua página no Facebook.


Paola Rodrigues

Concorda com Salinger, todos batem palmas pelas razões erradas.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/recortes// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Paola Rodrigues