não matarás

O hediondo e banal

Paola Rodrigues

Concorda com Salinger, todos batem palmas pelas razões erradas

A geração que foi para Hogwarts

Uma geração acompanhou e se encantou com a obra de J.K Rowling, que vendeu mais de 400 milhões de exemplares em todo mundo, enquanto Harry, Rony e Hermione viviam nossas aventuras em Hogwarts.


hogwarts.jpg Cena do filme Harry Potter e a Pedra Filosofal. (Reprodução)

Imagine uma menina magricela, numa família problemática, que não era exatamente sociável. Esta sou eu com 10 anos. Posso imaginar várias soluções para mim naquela época e que tipo de pessoa me tornaria, mas tudo mudou numa tarde de abril, num dia 15 de chuva, tal como este que escrevo.

Fazia poucos meses que o primeiro filme da saga do Bruxinho, dirigido por Chris Columbus tinha ganhado sua versão para as telas, todos falavam disso, os livros estavam na fila da biblioteca e finalmente tinha chegado minha vez.

332px-Sorcerer's_stone_cover.jpg Capa do primeiro livro na versão americana, arte de Mary GrandPré.

Harry Potter e a Pedra Filosofal foi devorado em 8 horas, naquele dia não jantei, mal dormi, estava em outro mundo e naquele lugar havia magia, amizade, uma escola fantástica para situações ainda mais fantásticas. Li o primeiro livro por 9 vezes num período de 3 meses e não, isso não foi loucura ou obsessão, mas durante aquelas horas eu já não era a menina magricela cujo os pais estavam em guerra, que tinha passado por 10 anos de solidão, naquele momento estava em Hogwarts e assim como Harry, tinha amigos e uma aventura para viver.

daniel_radcliffe_richard_griffiths_fiona_shaw_harry_melling_harry_potter_and_the_sorcerers_stone_001.jpg Cena no filme Harry Potter e a Pedra Filosofal, em que Harry recebe a carta de convocação para Hogwarts, quem nunca sonhou com isso? (Reprodução)

Agora, depois de 12 anos sempre ouço pessoas falando que ficção não leva a nada, que viver num mudo que não é real não vale a pena, que histórias fantásticas são chatas, tenho certeza absoluta que essas pessoas nunca leram Harry Potter.

No terceiro livro, Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban a espera tomou conta, já que até então a autora J.K Rowling não tinha escrito os outros que completariam a coleção de 7. Entre um livro e outro fiz amigos, li quase 1 livro por dia, as visitas a biblioteca se tornaram constantes e as conversas se tornaram mais animadas. Tinha amigos e o que nos unia era a leitura e a espera pela continuação de uma história.

harrypottersorcerer-chess.jpg Emma Watson, Daniel Radcliffe e Rupert Grint se tornam o trio imbatível na sequência de filmes. (reprodução)

Uma geração foi unida em sua solidão, problemas, amor a leitura e gana por dias mais emocionantes numa saga que se iniciava em 1996, em 1997 era lançado o primeiro livro, Harry Potter e a Pedra Filosofal, e por incrível que pareça, foram 12 rejeições até a aprovação.

A crítica foi generosa com a saga, sendo raras as ocasiões que se destacava uma opinião mais ácida sobre, geralmente apontando os clichês e falta de tato de J.K Rowling, a mulher que realmente pode ter escrito uma história cheia de moldes, mas que nem por isso deixou de modificar a vida de milhões de crianças, jovens e adultos.

Hp7.jpg Capa do último livro, Harry Potter e as Relíquias da Morte, arte de Mary GrandPré. ( Reprodução)

Em 2007 chegava as bancas Harry Potter e as Relíquias da Morte, o último volume da saga que vendeu mais de 400 milhões de exemplares em todo mundo, sendo 3 milhões só no Brasil. Finalmente para queles que choraram com a morte de Sirus e Dumbledore, podiam proclamar que Dolby era um elfo livre.

O vicio pela leitura jamais me abandonou, a solidão nunca mais bateu a porta, e cada livro que terminei nesses 12 anostiveram um sabor especial, porque conhecia o poder de cada história, sabia que cada uma podia me fazer chorar, rir, sentir saudades e perceber o quão fantástico pode ser a sensibilidade e criatividade humana. Livros me trouxeram a fé nas pessoas.

Aos amigos que fiz, que me emprestaram os livros, comentaram os filmes, discutiram a história milhões de vezes, é para vocês que escrevo este texto. Para você que acredita que histórias são importantes, que a ficção não esconde a realidade, só nos dá outra perspectiva.

Este texto é para você que foi para Hogwarts.


Paola Rodrigues

Concorda com Salinger, todos batem palmas pelas razões erradas.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/literatura// @destaque, @hplounge, @hp, @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Paola Rodrigues