não vale o sopro

Não há nota de rodapé que note.

obvious magazine

There are those that look at things the way they are, and ask why? I dream of things that never were, and ask why not?

O trabalho e o livro: o livreiro-leitor

Para ver e se lembrar dos livreiros-leitores que vendiam gostosamente a literatura.


Trabalho mais livro dá no quê? Escritor, editora e livraria?

Ah, não sejamos tão impessoais, amigos. Quem aqui não sente saudade daquela boa vendinha de livros de sebo cheia de saldos comandada por um velhinho de cabelos grisalhos na esquina daquela velha rua? Quem (agora sem exageros) não sente falta da famosa - e gostosa - figura do livreiro? Não esse livreiro-empresário (ou empresário-livreiro) que toca os livros quando lhe convém, mas aquele livreiro-leitor que cheira cada página para indicar os melhores aromas a quem compra; quem não sente?

Pra quem ainda não sente, então, trate de, com essas poucas e boas imagens, sentir (e pra quem já sente, boa nostalgia):

2166246.jpgFoto: Yana Dvorzhetsky

5115719622_8ccaf99857_b.jpg

DSC06743-e1310319208261.jpg

andy-cotati-1-of-1.jpg

E hoje: 6822348852_76b794c6c8_b.jpg Foto: Austin Granger

*publicado no Pepino em Conversa


Lucas Reis Gonçalves

Lucas Reis Gonçalves é poeta e articulador cultural. Novo-hamburguense morador da capital gaúcha, foi finalista do Prêmio AGEs de Literatura com o seu primeiro livro, Se soubesse o que dizer, diria em prosa (Paco Editorial, 2011), e, através dele, criou, juntamente com o músico Dado Vargas, um novo projeto de declamação poética: Eletropoeteria. Lucas nasceu em 1990 e atualmente escreve para sites de literatura (públicos e independentes)..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// //Lucas Reis Gonçalves