não vale o sopro

Não há nota de rodapé que note.

Lucas Reis Gonçalves

Lucas Reis Gonçalves é poeta e articulador cultural. Novo-hamburguense morador da capital gaúcha, foi finalista do Prêmio AGEs de Literatura com o seu primeiro livro, Se soubesse o que dizer, diria em prosa (Paco Editorial, 2011), e, através dele, criou, juntamente com o músico Dado Vargas, um novo projeto de declamação poética: Eletropoeteria. Lucas nasceu em 1990 e atualmente escreve para sites de literatura (públicos e independentes).

Porto Alegre: A enchente de 1941

A maior enchente já registrada na capital gaúcha.



Porto_Alegre_Enchente_Flagelada_sobre_a_mobília_1941.jpg

Tem gente que só de molhar a sola da bota já fica doido, pê da vida. E tem. Muita gente. Mal sabe essa gente, gente de sorte, da vida boa que tem: não teve de presenciar a úmida época de guerra e de enchente dos anos quarenta da capital gaúcha. E põe úmida nisso.

413.jpg

Na Breve História de Porto Alegre (Editora da Cidade, 2012), o historiador Charles Monteiro sintetiza em poucas linhas o que foi esse momento único na memória da cidade de Porto Alegre:

Entre abril e maio de 1941, choveu sem parar em Porto Alegre e as águas do Guaíba subiram mais de quatro metros e meio além do nível normal. O Centro da cidade ficou inundado e só era possível deslocar-se nele usando barco. Os bairros mais atingidos foram Cidade Baixa, Menino Deus, Azenha, Santana, Floresta e Navegantes. A enchente deixou cerca de 40 mil pessoas desabrigadas. As autoridades montaram postos de atendimento para acolher flagelados e vacinar milhares de pessoas contra o tifo, varíola e difteria. Os cinemas fecharam, os trens pararam e houve muita dificuldade em abastecer a população de água potável e alimentos. As chuvas cessaram a partir da metade do mês de maio e as águas foram descendo lentamente. A Revista do Globo fez uma cobertura fotográfica especial da grande enchente com cenas impactantes de bairros inteiros cobertos pelas águas e de famílias com crianças pequenas dormindo em alojamentos coletivos criados pela prefeitura. A enchente ficou na memória dos porto-alegrenses. (...) Nos anos 1970, seria construído um sistema de diques e um muro na avenida Mauá para controlar os efeitos das cheias do Guaíba.

E pra ilustrar um pouco do que o autor falou, mergulhemos, enfim, nas imagens:

Mercado Público (e úmido) de Porto Alegre 8162714261_a3016e2299_z.jpg

O Memorial do RS e a Praça da Alfândega sob a água ENCHENTE-DE-41-POA-2.jpg

O Guaíba engolindo a Praça da Alfândega 1941poa.JPG

O Cais do Porto mergulhado ENCHENTE41-POA15.jpg

O Centro sobre o espelho da água ENCHENTE41-POA13.jpg

A ambulância que ficou pra trás Porto_Alegre_Enchente_Ambulância_1941.jpg

Os flagelados no abrigo Porto_Alegre_Enchente_Flagelados_1941.jpg

O único veículo que ainda funcionava era o barco Porto_Alegre_Enchente_Praça_da_Alfândega_1941.jpg

A Praça da Alfândega e o Cinema Central - que parou de funcionar Porto_Alegre_Enchente_Praça_da_Alfândega_Rua_7_de_Setembro_Cinema_Central_1941.jpg

A ilha chamada Mercado Público Porto_Alegre_Enchente_Mercado.jpg

Barcos que vinham do Porto para auxiliar os atingidos Porto_Alegre_Enchente_barcos.jpg

A Prefeitura Municipal com a água quase na porta Porto_Alegre_Enchente_Prefeitura_Municipal_1941.jpg

O centro e o Guaíba - uma coisa só Porto_Alegre_Enchente_região_central_1941.jpg

Lucas Reis Gonçalves

Lucas Reis Gonçalves é poeta e articulador cultural. Novo-hamburguense morador da capital gaúcha, foi finalista do Prêmio AGEs de Literatura com o seu primeiro livro, Se soubesse o que dizer, diria em prosa (Paco Editorial, 2011), e, através dele, criou, juntamente com o músico Dado Vargas, um novo projeto de declamação poética: Eletropoeteria. Lucas nasceu em 1990 e atualmente escreve para sites de literatura (públicos e independentes)..
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
v1/s
 
Site Meter