não vale o sopro

Não há nota de rodapé que note.

obvious magazine

There are those that look at things the way they are, and ask why? I dream of things that never were, and ask why not?

Seis meses de Venezuela

Brasileiro conta como foram seus seis primeiros meses na capital venezuelana


DSC00950_1_1_1.jpgSeis meses. Seis meses sendo o outro, o alheio, o estrangeiro: o brasileiro. Seis meses de outra língua, de outra cultura, de outro culto, de outro mundo. Seis meses ouvindo rumores sobre presidentes mortos, sobre presidentes burros, sobre presidentes e presidentas que ainda vivem - e ainda vivem muito bem. Seis meses escrevendo. Seis meses escrevendo cada vez menos. E durante seis meses, escrevendo (cada vez menos) a saudade. E todos esses meses e meses e meses e meses de contagem regressiva. E eu cada vez mais agressivo, triste, fodido. Cada vez menos brasileiro, menos venezuelano - menos qualquer coisa. Isso até olhar pra trás e ver que já se foram seis meses. Seis meses de um sonho meio torto, mas ainda um sonho. Seis meses de novas, polidas e bem cultivadas amizades. Seis meses de mulheres, todas ótimas. Seis meses de crianças, todas arteiras e bem elétricas. Seis meses de novos e desconhecidos meses que se sucediam e ainda se sucedem - agradecidos por sucederem tão rapidamente uns aos outros. Seis meses de descobertas interessantíssimas, como o segurança chamado Hitler, o fantasma-embaixador da casa branca, as busetas assassinas que matam dois, três, quatro pelas ruas caraquenhas - todas descobertas vividas durante esses primeiros e únicos seis meses da minha vida do outro lado da América. E desse outro lado, do alto dos meus seis meses desse outro lado, ainda vejo dentro de mim crescerem mais outros seis - senão mais - meses e meses e meses de exílio intencional na capital venezuelana. E que venham mais e mais meses. Que passem, cresçam e se tornem, enfim, ao final de dez, onze, doze de seus próprios meses, capazes de caminhar sozinhos de volta pra terra natal.


obvious magazine

There are those that look at things the way they are, and ask why? I dream of things that never were, and ask why not?.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/crônica// //obvious magazine