bunda é interessante, sim senhor

por obvious magazine

Bunda. Eita assunto interessante esse: bunda. Não a minha ou a tua, nem a nossa – bunda no geral, por si só, é interessante. Bunda interessa e sempre interessou toda gente, até porque toda gente tem bunda, e cada qual com um interesse particular. Bunda é tabu. Bunda é vulgar. Bunda é sexy. Bunda é broxante. Bunda é mole, bunda é dura – tanto bate (...)
o desabafo de um borboleto macho

por obvious magazine

nunca achei que fosse tão fodida a vida de um borboleto macho. digo, principalmente, pelo motivo mais forte de todos: o preconceito. o cara já nasce com a fama de puto. é borboleto, é borboleta - tanto faz. é tudo fêmea ou puto. não que eu, borboleto macho, tenha alguma coisa contra a borboleta fêmea ou o borboleto que é puto; não mesmo. só que... Ler artigo
Não-Manifesto da Desvontade de Manifestar

por obvious magazine

A todos que manifestam sob manifestos a vontade absurda e indelével de manifestar, escrevo – contra toda e qualquer vontade absurda e indelével de manifestar – meu não-manifesto da desvontade de manifestar. E a todos aqueles que compartilham de minhas ideias desvontadiosas sobre como dá trabalho manifestar-se com algum tipo sincero de vontade de manifestar, doo – com o trabalho exaustivo da (boa) má vontade... Ler artigo
se eu fosse mulher...

por obvious magazine

Se um dia, por um acaso de um destino transviado da vida, por um erro de sorte ou um acerto único do azar, eu nascesse mulher, ah!, eu controlaria meio mundo, e descontrolaria toda a outra metade. Poria todos os homens (dos nanicos aos grandalhões) debaixo do meu sapato de salto e os faria rolar; e rolando eles terminariam embaixo da minha cama – consertando... Ler artigo
Ela e a Geladeira

por obvious magazine

Vai acontecer de madrugada. Tu vai levantar meio zonza da cama, esfregar os olhos com as mãos fechadas e juntar tuas pantufas que tão jogadas uma lá e outra cá do quarto - uma ginástica fenomenal pra ir até a cozinha e abrir a geladeira. Tu já sabe o que tem lá, mas vai mesmo assim, mergulhada na esperança de que alguma coisa surpreendentemente se... Ler artigo
eu peidei, amor

por Lucas Reis Gonçalves

amor, peidei. eu sei, eu sei, mas mesmo assim, amor, eu peidei. tentei segurar uma, duas, três, quatro, cinco vezes, mas não consegui na sexta, daí eu peidei. eu sei, eu sei, amor, mas mesmo assim, eu peidei. e aquele barulho, sabe aquele barulho tenso que sobe do umbigo até o peito? aquele barulho que é quase mais forte que o próprio peido, mas... Ler artigo
Jogos Literários

por Lucas Reis Gonçalves

Não que não haja outras coisas a se postarem por aqui, mas existem coisas inevitavelmente viciantes que já andaram tomando espaço do blog. Uma delas é o jogo. O jogo - aí é que mora o perigo - literário. Depois de cair no vício do game produzido pela Revista Escola (ilustrado logo abaixo), resolvi listar outras dessas distintas formas de incentivar - quase que sem... Ler artigo
A preguiça da composição

por Lucas Reis Gonçalves

Carrego comigo uma máquina fotográfica. Uma câmera digital simples, resolução mais-que-razoável de seis megapixels, lente Zeiss intacta, zoom óptico de até doze vezes e bastante leve. Dentro de uma pequena bolsa verde já gasta pelo mau uso e pendurada no meu segundo ombro, o objeto faz de mim um esboço do tipo fotógrafo profissional. Um esboço. Do outro - e por outro - lado, num... Ler artigo
Sodomia impenetrável

por Lucas Reis Gonçalves

E assim com outros muitos moços e mancebos que não conhece nem sabe os nomes, nem onde ora estejam, teve tocamentos desonestos e torpes em suas naturas e abraços, e beijando, e tendo ajuntamento por diante e dormindo com alguns algumas vezes na cama, e tendo cometimentos alguns pelo vaso traseiro com alguns deles, sendo ele o agente, e consentindo que eles o cometessem a... Ler artigo
O trabalho e o livro: o livreiro-leitor

por Lucas Reis Gonçalves

Trabalho mais livro dá no quê? Escritor, editora e livraria? Ah, não sejamos tão impessoais, amigos. Quem aqui não sente saudade daquela boa vendinha de livros de sebo cheia de saldos comandada por um velhinho de cabelos grisalhos na esquina daquela velha rua? Quem (agora sem exageros) não sente falta da famosa - e gostosa - figura do livreiro? Não esse livreiro-empresário (ou empresário-livreiro) que... Ler artigo
Associação dos Professores de Literatura

por Lucas Reis Gonçalves

Depois de uma pequena forçação de barra dizendo que Porto Alegre iria parar e que haveria um manifesto cultural de importante relevância, surpresa: Porto Alegre não parou. Mas não nos preocupemos. Parte boa (e não 'boa parte') dos professores de literatura da região parou. Parou, investigou, julgou e agiu. A manhã de sábado do 14 de abril começou singela. Professores de todos os cantos -... Ler artigo
Manuel Bandeira era o bicho

por Lucas Reis Gonçalves

O bicho Vi ontem um bicho Na imundície do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava: Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, Não era um gato, Não era um rato. O bicho, meu Deus, era um homem. bandeira era bicho, bicho era lixo, lixo era luxo. bandeira era homem, homem e gato, homem e... Ler artigo
ciências ex-atas

por Lucas Reis Gonçalves

sentado sobre a régua de madeira de um metro e meio, teu professor de cálculo já dizia: - honesta e sinceramente, vivo eu te digo: nunca haverá vida à vida de quem não pratica. então te liga: junta tuas integrais, recolhe tuas derivadas e faz como eu - senta no colo da matemática, subtrai de quatro e deixa os números te encoxarem até não restar... Ler artigo