nati nogueira

Para que o mal prevaleça basta que os bons façam nada. Edmund Burke

Natália Nogueira

Publicitária e pós-graduanda em semiótica, amante dos animais e da arte. Não sabe se aquietar e se arrisca a desenhar, pintar e cantar. Ama dormir e doces. Seu maior sonho é mudar o mundo.

O Minimalismo japonês e o consumismo

Em contrapartida à era da informação, e por consequência, a do consumismo, uma nova tendência emerge no Japão: o estilo de vida minimalista.


minijapones.jpg

O nome “minimalismo” é geralmente usado para designar um estilo com poucos elementos, por exemplo na arte, diz-se que uma imagem é minimalista por ser estruturada e simples. E esta significação já auto explica a tendência japonesa: viver com o mínimo necessário.

O surgimento do estilo de vida minimalista é ligado à crença zen budista que se restringe ao equilíbrio de corpo e mente, portanto os impulsos consumistas arraigados a nossa sociedade são completamente excluídos.

Estudiosos contemporâneos ainda ligam a tendência à facilidade de sobreviver sob condições adversas que o oriente enfrenta, como os terremotos. Com poucos objetos e pertences, um minimalista tem maior mobilidade e até facilidade em se desfazer do que não é essencial à sua sobrevivência. O país, localizado no círculo de fogo do Oceano Pacífico, é atingido por um terremoto uma em cada seis vezes em que a terra se move.

O que também podemos levar em consideração para a ascensão desta corrente é exatamente o inverso, o consumismo. Ao longo do desenvolvimento da humanidade, notamos como lidamos com a adaptação das novas tecnologias, estas têm feito sua parte no quesito facilitar a vida, mas quando pensamos nesta expressão atutomaticamente ligamos à facilidade do consumo.

A sociedade cada vez mais consumista emerge dos traços de personalidade que nós mesmos deixamos ao fazer parte das redes sociais virtuais. Deste modo, somos subdivididos em nichos de consumo, e finalmente, somos bombardeados na medida certa a querer comprar praticamente tudo que nos é oferecido.

Indo de encontro com o mercado cada vez mais consumista, o minimalismo também surge como uma negação ao estilo de vida que nos é imposto atualmente. Os fast fashion, os gadgets cada vez mais modernos, os apps e tudo mais que pode ser consumido de maneira impulsiva e relativamente barata transformam nossas percepções em necessidades. Mais uma vez, o minimalismo surge como a quebra dessas regras e a reflexão sobre do que o indivíduo é constituído.


Natália Nogueira

Publicitária e pós-graduanda em semiótica, amante dos animais e da arte. Não sabe se aquietar e se arrisca a desenhar, pintar e cantar. Ama dormir e doces. Seu maior sonho é mudar o mundo..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Natália Nogueira