nude but not naked

Reflexões sobre arte, imagem e hiper-realidade na contemporaneidade (e outras cositas más) ...

Viviane Rodrigues

Fotógrafa, docente, jornalista, apaixonada por arte. Passa a vida como "voyeur": olho no ecrã. Tem sempre disposição para prosa e poesia.

NÓS: OS REPLICANTES

Na contemporaneidade, o teste que detectava replicantes em "Blade Runner", não funcionaria a contento.


blade-runner-01-1024x576.jpg

É um nome científico como tantos: teste de Guthrie, emissão otoacústica evocada, teste do reflexo de Bruckner, por exemplo.* No entanto, é fictício. Foi inventado. Voight-Kampff é o nome do teste psicológico mencionado no livro Do Androids Dream of Electric Sheep?, do prolífico escritor americano Philip K. Dick**. A cena foi protagonizada no cinema por Harrison Ford e Sean Young no filme Blade Runner, um clássico do cinema de ficção, de Ridley Scott, produzido em 1986.

No tal teste, o interrogador faz uma série de perguntas de fundo emocional ao entrevistado. Ao responder, a pupila, por exemplo, se dilata involuntariamente enunciando sensações e mais - no caso, imaturidade emocional. Ao cruzar o teor da resposta com a dança das pupilas e outras respostas do corpo, o resultado indica se você é um humano ou um replicante.

(Replicantes são androides projetados por uma tal corporação. Basicamente mais ágeis e mais fortes que humanos, variam no grau de inteligência.)

O teste Voight-Kampff é baseado no teste de Turing, sobrenome do Alan, um mágico britânico dos números (matemático, filósofo, praticante do esporte da criptoanálise; cientista da computação e lógico), que morreu vítima da completa intolerância da sociedade britânica que, naquele momento, dizia que a homossexualidade era crime.

blade-telão-1024x576.jpg

(O homem que escreveu em 1950 “I propose to consider the question, "Can machines think?" This should begin with definitions of the meaning of the terms "machine" and "think.”*** em um texto seminal das ciências da computação, foi processado pelo crime de práticas homossexuais no Reino Unido, em 1952. Dois anos depois: se suicidou).

O teste de Turing identifica quão bem um computador pode exibir-se inteligente, imitar uma resposta humana, e parte da perspectiva que a máquina não pode pensar... Mimetizar, no entanto… E precisaria de mais? Turing e outros filósofos achavam que basicamente androides e humanos são iguais, sem diferenças muito impactantes, já que nosso cérebro seria um computador que processa escolhas.

(Sartre que discordava da percepção de Alan sobre humanos/androides, se alinhava ao matemático no reconhecimento da importância dada aos sentimentos, às emoções, a empatia que deveria nos traduzir em únicos, em humanos****).

bladeRunner_eye.jpg

Pois então... O teste Voight-Kampff, é usado para detectar replicantes. No filme, uma das perguntas do entrevistador era: “_Você está em um deserto. O cágado está deitado de costas, de barriga para o ar, esperneando, tentando virar-se. Mas não consegue. Só com a sua ajuda.”

Então é a empatia com a dor alheia que nos faz humanos.

Penso...

Cágados são diferentes de pobres? De índios? De gente?

Quantas crianças-pessoas, na atualidade, você imagina que:

a) Deixariam o cágado lá, mais fodido que cagado.

b) Chutariam o cágado

c) Sacaneariam o cágado

d) Ajudariam o cágado

Para as respostas a,b e c > Replicantes.

Ou serão estes os humanos do século XXI e nós é que somos os replicantes?

blade2.jpg

__________________________________________

* Ou seja, teste do pezinho, da orelhinha e do olhinho.

** Além de Blade Runner, outros filmes foram baseados na obra do escritor. Exemplos? Total Recall (O Vingador do Futuro, Paul Verhoeven, 1990); Impostor (OImpostor, de Gary Fleder, 2002); Minority Report (Minority Report: A Nova Lei, de Steven Spielberg, 2002) e A Scanner Darkly (O Homem Duplo, de Richard Linklater, 2006).

***"Eu proponho considerar a questão "As máquinas podem pensar”? Isto deve começar com as definições dos termos “máquina" e “pensar”.

**** Texto bem legal de Judith Barad sobre Sartre e Blade Runner.


Viviane Rodrigues

Fotógrafa, docente, jornalista, apaixonada por arte. Passa a vida como "voyeur": olho no ecrã. Tem sempre disposição para prosa e poesia..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @destaque, @obvious //Viviane Rodrigues