o eremita laranja

Sublimações, bar e restaurante

San Ramon

... E um Mai Tai, por favor.

Meditação sobre o Teletransporte

Alguns comentários futurólogos sobre o tempo em planetas imaginários, máquinas futuras e dirigíveis no vazio.


star-trek-teleporter.jpg

"Amor é o que se aprende no limite, depois de se arquivar toda a ciência Herdada, ouvida. Amor começa tarde”

Carlos Drummond de Andrade

Eu quero que você veja algo: o invisível. Ultrapasse o simples negrume ou os espaços vazios de algum lugar. Veja o invisível. Veja a ausência sem referência alguma, o nada em si.

Guarde isso.

No ano de 1933 d.C. sob os auspícios de Vargas a companhia alemã Luftschiffbau Zeppelin decidira estabelecer um hangar para os seus dirigíveis no Rio de Janeiro. Conexão Frankfurt. Local escolhido após estudos de clima e terreno na Baía de Sepetiba, área de 80.000 m2 doada pelo Ministério da Agricultura, atual Base Aérea de Santa Cruz com o único hangar de Zeppelins no mundo preservado. A construção a cargo da Construtora Nacional Condor. Empreendimento inaugurado no dia 26 de dezembro de 1936. Em dimensões: 270 metros de comprimento, 50 metros de altura e 50 metros de largura, torre de comando de 61 metros de altura, portões norte e sul abertos manualmente em tempo médio de 6 minutos. 200 homens na pista para desatracar os dirigíveis, os chamados “aranhas”. Um meu bisavô foi um deles. Francisco Nunes.

2.jpg

Os dirigíveis não tiveram vida longa apesar de suas faraônicas ambições. O desenvolvimento do avião comercial, o Acidente do Hindenburg (6 de maio de 1937), largas ambições incineradas pelo avanço tecnológico que ansiavam criar. E que motivaram como ainda motivam. Desde aquela época, desde...

1.jpg

... O teletransporte entendido em seu sentido mais simples é a ação de locomoção espacial instantânea. Sumir aqui e aparecer n’outro lugar. Um dos primeiros efeitos especiais do cinema já nas experiências de ilusionismo e fotografia de Georges Méliès, termo de Charles Fort, o grande inimigo do ceticismo e da razoabilidade; fenômenos associados ao teletransporte são tão antigos quanto os mitos pagãos e análogos pelas novas experiências da mecânica quântica e ciência de borda. Ir de A a C sem passar por B: velha fórmula de magia de Agrippa. Teletransporte também é utilizado pelo filósofo analítico Derek Parfit para descrever experiências sofisticadas de identidade. Algumas analogias simples e estranhas;

Fleumático, quando o Sr. Spock “desce” nos planetas – tem seu corpo desmaterializado na Enterprise e rematerializado no ponto de pouso de acordo com a ciência fictícia de Star Trek – ele é o mesmo Spock que contrapunha Kirk ou apenas uma cópia exata com as memórias reproduzidas como num CD regravável? Em Mirror, Mirror temos um Spock bom e um Spock mau, assumindo que eles tenham partido de uma mesma situação (simultânea se não idêntica) – filho de Amanda e Sarek, errática educação vulcana, brilhante carreira na Federação – em que medida são-não-são a mesma pessoa?

Uma carroça reconstruída em cada um dos seus componentes ainda é a mesma carroça? Coloque uma mente e autoconsciência na carroça. Se a carroça autoconsciente no teletransportador da Enterprise viajar simultaneamente para Terra e Vulcano as duas carroças ainda seriam a carroça ou filhos/irmãos gêmeos dela? A carroça-T (da Terra) e a carroça-V (de Vulcano) seriam cópias exatas e contínuas da autoconsciência da carruagem-E (Enterprise). As carroças-T-e-V desenvolveriam novas memórias, experiências, conhecimentos e ações que as distanciariam das memórias, experiências e ações da existência interrompida (ao menos em seu próprio recorte de suposto universo compartimentado) da carroça-E. Como velhas ninfas nossa carroça desaparece e reaparecem. As novas carroças são imediatamente iguais, lembram de suas infâncias, a mesma infância, nos koans búdicos e a manufatura de suas engrenagens, as suas primeiras viagens por ruas hipotéticas e estradas especulativas até o momento de entrar e sumir no teletransportador, mas da rematerialização para frente tudo será constituição de novas personas: as carroças-T-e-V foram a carroça-E como um velho coronel fora um menino apesar de não lembrar-se e ter em mente mais presentes as experiências de ser um jovem soldado de uma guerra, e que em sua luta lembrara ser o menino. Imagine-se uma carroça. Rodas e eixos e madeira. E agora você desaparece.

4.jpg

Esqueça o antes, esqueça o depois. Pense no momento exato de desaparecimento. Seria um rápido dormir? Ninguém tem o corpo desintegrado ao dormir. Nem aqui nem acolá. Pense na possibilidade ato contínuo desconstrução-reconstrução da mente. O momento entre ambos.

6.jpg

Eis um mundo de trevas opacas, o antimundo. Foque em sua imagem do invisível, saiba que ela é a inexistência. É bem frio, não? É silencioso. Está aquém do Inferno. É pior que a morte. É um espaço de horizontes rompidos, futuros abandonados, passados expurgados, além de além da imaginação: o não-lugar circundante das coisas. Sem forma e sem completude. Sem o Espírito e sem as proverbiais águas abismais. Por lá estão alguns esboços esquecidos da ficção científica, o Hindenburg inteiro e viajando no vazio, o túnel subterrâneo ligando Rio de Janeiro e Niterói, todas as coisas que irremediavelmente não são. Quiçá o destino de todas as coisas no apocalipse científico Big Rip.

E assim mesmo em meu bisavô, ou no Pavel Chekov, valorizamos em ações (mesmo inconscientes em nossas cadeiras montadas e projetadas por alguém, computadores, o pão de toda manhã) também homenagens (nomes famosos, marcas, signos) os muitos homens que contribuíram com gênio e esforço para os grandes projetos humanos, homens (mulheres, brancos, negros, asiáticos) de mente e braços, suor e inspiração. A evolução, os vôos dos Zeppelins, nasce de muitos caminhos cruzados, caminhos ousados, arriscados e perdidos. Os grandes dirigíveis em suas majestades superaram as outras ambições de aviação, e foram superados, e talvez em algum futuro profetizado os teletransportes de Charles Fort sejam reais como os nossos aviões comerciais. E talvez os próprios teletransportes sejam em algum lugar de futuro algo atrasado e primitivo como as nossas ninfas e espíritos furtivos do mato. Nós migramos no tempo, somos seres do tempo. Eu sou em partes aquele “aranha”, o Francisco, aquele homem que ajudou a subir e descer e viu de perto o Hindenburg. Eu sou a evolução tecnológica de Francisco, o seu legado e vestígio, permanência. E ele é o meu silêncio.

Fascinante, não?

12.jpg


San Ramon

... E um Mai Tai, por favor..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //San Ramon
Site Meter