o olhar amor na arte após o fim da arte e da filosofia

Veja ao seu redor - a saída existe e está em tudo e em todos nós

Contreraman

Antes:
E as coisas que continuam já se foram. E as que se foram continuam para nunca terminarem. Até um fim que nunca vem.

Depois:
Vale o que tem amor.

Porque ser síndico é moleza


Este título não é apenas para chamar a atenção ou enganar otário. É verdade. Fui síndico por três anos, fui reeleito inclusive, e sou conselheiro há quatro anos num conjunto de prédios com mais de 1,5 mil moradores de todas as classes sociais imagináveis. Vou provar o título agora, em poucas linhas.


taboao.jpgSer síndico, para mim, é se dispor a ocupar o primeiro cargo eletivo por excelência numa pequena ou grande cidade. Nesse sentido, é ser o executivo numa comunidade com legislativo (conselho) e sem judiciário, mas com entidades a prestar assistência a ambos (síndico, subsíndico e conselheiros). Para ser síndico, não é preciso ser autoritário nem tem pendor para xerife. É preciso saber quando conversar e saber conversar (ouvir, especialmente), e saber mandar. Saber mandar não é ser autoritário nem discricionário: é saber quando mandar, o que mandar, e a quem mandar. E principalmente saber quando se omitir (sim, isso mesmo) e quando simplesmente não mandar.

As atribuições do síndico estão claras. Elas dizem respeito a gerir recursos de todos os moradores e não que afetam todos os moradores (alguns desses recursos podem se dever exclusivamente a eles). E suas atribuições também são bem óbvias: elas dizem respeito a ser a última palavra nas decisões (não a única). O que significa que o síndico ou síndica precisa saber que certas coisas estão invariavelmente sob sua batuta, e que outras não, nem precisam estar. Isso significa, em primeiro lugar, que qualquer problema particular de qualquer morador não lhe diz respeito. Pois o síndico apita e deve apitar somente sobre questões comuns, que afetam os moradores, sim, mas que necessariamente afetam o todo. Só isso já retira toda uma série de questões da cabeça de quem é cotado para o cargo.

Ser síndico significa que ele ou ela não precisa se preocupar com queda de energia? Se o prédio tem gerador, se as medidas de reclamação são rotineiras, se o gerador sofre manutenção, se ele foi alimentado, se os equipamentos funcionam conforme combinado, claro que não. O síndico não precisa se preocupar com isso. Ele precisa se preocupar com que o prédio tenha os devidos equipamentos ou precauções para isso, e com que esses equipamentos e precauções funcionem. Só isso. E com respeito à Sabesp? O mesmo. E outros terceirizados? A mesma coisa.

Ser síndico significa que ele precisa conhecer todos os equipamentos e como lidar com eles? Isso é até bom, em muitos casos, mas a resposta a isto é não. O síndico precisa lidar com pessoas que de preferência saibam lidar com esses equipamentos e que lidem com frequência com eles. Mas, ainda mais importante, o síndico precisa sempre contar com mais alguém para opinar sobre como lidar com esses equipamentos, no sentido de compra, manutenção e tudo o mais. Esse alguém, é claro, é o conselho. Os conselheiros muitas vezes apenas opinam aqui e acolá na grande maioria dos assuntos. Mas, se querem um conselho de amigo, não usem o conselho só para aprovar o que vocês pensam. Usem-no para avalizar suas decisões, ou mesmo sopesá-las, ou mesmo mudá-las. Porque o conselho funciona como um aval legal para toda decisão tomada no condomínio.

Conselho fraco, nesse sentido, é um conselho que pode tirar o corpo fora de algumas decisões e com isso pode retirar o apoio de que o síndico precisa para tomar decisões - algumas das quais podem ser dolorosas. Um síndico que se isola, ou que manda e desmanda, é um síndico fraco, desse ponto de vista. Um síndico que tem um conselho forte, discordante e atuante é necessariamente um síndico forte. Mas quer dizer que o síndico não pode fazer o que quer, quando tem um conselho forte? Nada disso. Um síndico que ouve o conselho para valer é um síndico que cumpre a coletividade, e não sua própria vontade. Isso é um síndico forte.

Mas isso quer dizer que um síndico com conselho forte tem que ouvir, apenas? Não. Todo síndico forte tem auxiliares de confiança que não confundem a confiança com suas atribuições, e também tem um conselho forte que pode discordar do que ele diz, mas que quando o faz usa de argumentos técnicos e fortes para isso. Síndico forte controla a agenda, ou seja, as medidas relevantes. Ouve muito, sopesa, decide e exige que todos compartilhem de todas as tomadas de decisão relativas àquilo que todos decidem.

Isso quer dizer que ser síndico significa gostar de conversa? Não, ao contrário. Um bom síndico gosta de conversar somente o estritamente necessário com quem realmente importante, por assuntos realmente relevantes quando for necessário. Ser síndico não é ser candidato a nada mais. Ser síndico é ouvir sempre, com atenção, buscando subsídios para algo que possa ser feito ou que possa ser feito da melhor forma possível e, de preferência, sem misturar amizade com cargo. Porque se isto acontece, acontece da forma errada. Síndico que se preza não mistura suas contas com as do condomínio, seus compromissos com os do cargo, seus amigos com os contatos necessários para boas atitudes e bons negócios, e principalmente seus assuntos com os de outros condôminos. Nunca mesmo.

Ou seja, ser síndico é saber seu lugar, e o lugar dos outros. E, sabendo ambos, quando de praxe decidir. E sem medo. Claro que para isso talvez seja também necessário mostrar a você que é preciso ter uma espécie de higiene mental e disciplina ao decidir tantas coisas num prédio. Veja o esquema a seguir e tudo fica bastante claro e fácil para entender que decidir não é assim tão difícil, num prédio que começa com equipe que você conhece ou em quem sabe que pode confiar e com funcionários que simplesmente fazem o que devem.

3ca1edda-876a-4e56-bc7b-436652758c01-original.jpeg

Viu?

Não é fácil?


Contreraman

Antes: E as coisas que continuam já se foram. E as que se foram continuam para nunca terminarem. Até um fim que nunca vem. Depois: Vale o que tem amor..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// //Contreraman