o olhar amor na arte após o fim da arte e da filosofia

Veja ao seu redor - a saída existe e está em tudo e em todos nós

Contreraman

Antes:
E as coisas que continuam já se foram. E as que se foram continuam para nunca terminarem. Até um fim que nunca vem.

Depois:
Vale o que tem amor.

A fé vacila e parecemos não ver nada à nossa frente

Fato é que somos homens, seres humanos, seres falhos, que variam, que se dedicam a coisas diferentes, cujos gostos mudam, e que precisam de ajuda para persistirem na fé.


Abraham.jpgQuando nos defrontamos com problemas, e sentimos que não podemos mais, percebemos como somos fracos, e somos fracos especialmente quando queremos que Ele nos ajude, porque é poderoso. Como que negociamos, então, mesmo quando estamos nos sentindo mal, ao pedirmos-lhe coisas, ajoelhados no chão dos altares, ou mesmo nos bancos das praças ou dos santuários. Porque, tão logo nos é dado algo que pedimos, acalmamos - eis então que percebemos nossa real situação, de pedintes, esmolantes de coisas em prol de coisas terrenas.

Percebemos então como nossa fé é fraca. Como precisamos de subterfúgios para acreditar, de imagens para nos lembrar, de livros para nos fazer pensar, de récitas para nos fazer cair na real. Percebemos como somos humanos e fracos, sujeitos às paixões do mundo, das quais não podemos nos afastar, e que nos atiçam a todo momento, quando menos esperamos - ou quando mais queremos. Crente que precisa tocar a cruz a toda hora, que precisa recitar salmos a todo momento, que precisa se lembrar, que requer mais e mais de recursos que o faça se levantar, por mais que creia, é um crente fraco, e que precisa sempre e mais da ajuda de Deus. Vinda de onde vier.

Diante de situações como essas, quais são nossas saídas? Pois as fontes de nossa fé parecem se esconder, não conseguimos distinguir, dentre as coisas que nos rodeiam, quais nos levam em direção à nossa fé, e quais nos afastam. Pensamos conosco e não conseguimos nos guiar sozinhos. E percebemos, o que é ainda pior, que quando vamos aos templos algo parece nos afastar, algo nos distancia disso que realmente nos faz crescer, e nos sentimos, se não fingindo, exagerando nossas dores em prol de coisas menores, que não nos fazem mudar nem transfigurar a imagem que temos de nós mesmos. Ficamos piores, aos poucos, e nada parece nos melhorar, nos aprimorar.

Quando se é um sujeito estudioso, ler os Evangelhos, ou sobre eles, ou ler as vidas dos santos ajuda, até certo ponto. Percebemos, com as leituras, acepções que antes não nos tocavam, e começamos a nos sentir mais fortes e mais centrados em nossa fé. Mas é algo que depende muito do momento, da leitura, da tradução e daquilo que nos rodeia, e que nos dá maior esperança de melhora, em nossa situação. Pois somos fracos e mesmo assim nossa fé cambaleia, e sentimos que pouco podemos fazer contra isso. Podemos, sim, insistir em nossos passos, por simplesmente insistir, mas o mundo nos chama a atenção e perdemos o foco. Precisamos sempre de mais e mais incentivos por parte da fé, e eles nos faltam, escasseiam, nos deixam sós.

Fato é que somos homens, seres humanos, seres falhos, que variam, que se dedicam a coisas diferentes, cujos gostos mudam, e que precisam de ajuda para persistirem na fé. Porque, como diz San Juan de la Cruz, as noites pelas quais precisamos passar são imensas e aparentemente impossíveis de lidar. A primeira, a das coisas presentes, da sensibilidade; a segunda, das coisas raciocináveis, sobre as quais pensamos, e que podem nos conduzir a trevas outras, e a última, sobre a qual não meditei o suficiente. Ficando apenas nas duas primeiras, imaginemos quantas coisas realmente podem nos confundir, quantas tentações podem nos fazer cair em nadas que nos afastam dele, de Deus. Porque só ele, sentimos por vezes, consegue nos ajudar. Mas como fazer?

Escrevo estas poucas linhas completamente perdido.

Mas espero que tenham apreciado, mesmo assim.


Contreraman

Antes: E as coisas que continuam já se foram. E as que se foram continuam para nunca terminarem. Até um fim que nunca vem. Depois: Vale o que tem amor..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //Contreraman