o que eu vi

lá fora, aqui dentro, por aí

Gustavo Araújo

Já tentou escrever um resumo de sua vida várias vezes e não conseguiu. Depois que viu o mundo e não quis mais parar, ficou ainda mais difícil.

Por erradas razões, por boas razões

Sobre erradas e boas razões que nos movem.


img1_post6.jpg

Por erradas razões, o mundo parece estar girando mais rápido do que deveria. Tão veloz que jamais poderia fazê-la sozinha. Seria essa uma ótima justificativa pela bagunça toda ao seu redor. Mas ao seguir as pistas tentando encontrar algum culpado para tal ato, como costuma ser de praxe, elas nos levam até nós mesmos. Por boas razões, muitos já se dão conta tentando reverter esse acelero desenfreado.

Por erradas razões, o ser humano se perdeu em algum ponto. Trabalha arduamente por anos, para no fim das contas, usufruir o dinheiro ganho para tratar do problema que teve por tanto trabalhar. Por boas razões, existem pessoas que também se doam em tempo integral, mas para ajudar ao próximo. Mais do que a ajuda, o ato em si é muito mais importante. Faz tão bem para quem ajudou do que apenas quem o recebeu. Acaba se tornando um contágio, sendo impossível não passar adiante.

Por erradas razões, a violência surge até mesmo em momentos de celebração. Devastam uma família toda. Crianças crescem em meio a tormentas, o que na maioria dos casos por falta de amor, as levam a serem as próximas a fazerem um outro a crescer atormentado. Por boas razões, pequenos gestos são feitos até por desconhecidos para desconhecidos. Abraços grátis, doações de casacos, várias demonstrações de afetos diferentes. Deixe alguém passar na sua frente com o carro num trânsito. Ele vai se sentir com o dia ganho e lhe retribuirá com um sorriso sincero, o maior prêmio que se pode ganhar.

Por erradas razões, as pessoas se isolam uma das outras, a fim de não quererem contato ou mesmo sem perceberem. Afastamento esse sendo boa parte devido a modernidade, com aparatos tecnológicos que tentam facilitar nossas vidas, mas que nos empurram ao individualismo. Aplicativos de celular ou redes sociais, criados para aproximar as pessoas pelo digital, tornando-os na verdade um ser preguiçoso para se encontrarem fisicamente, desconstruindo o verdadeiro significado de contato. Por boas razões, as pessoas mobilizadas por um bem comum se comunicam entre elas e fazem acontecer um dos maiores movimentos em prol de seus direitos que o país já viu em anos. Aqueles mesmos que se isolavam.

Por ótimas razões, existe no que se acreditar. Pela melhoria. Todos estão em busca pela utopia da vida perfeita. Mas o que vem a ser perfeito? Uma vida sem problemas? Isso não acontecerá. Nunca. São os problemas que movem o mundo, movem a querer lutar pelo melhor. O mundo que gira tão rápido em questão, é isso. Existem coisas a serem solucionadas e existe gente para tal. Tem que existir. E o sentimento humano pode ajudar a superar todos esses erros. Gestos de afeição podem mudar tudo.

Felizmente, o mundo possui mais pessoas boas do que ruins. Muito mais. Basta que todas façam um pouco. Para ajudar a melhorá-lo, precisa-se mudar o indivíduo. Ele que controla o mundo em que vivemos. E para mudar esse indivíduo, é preciso que se mude o mundo, porque é onde ele se educa para se tornar um cidadão. Assim, é necessário que ambos mudem ao mesmo tempo, juntos, para podermos alcançar esse lugar que tanto queremos.

Parafraseando Gandhi, temos nossa própria caminhada e o resultado que teremos está na mesma proporção de nossos esforços. Seguindo essa filosofia, o mundo que tivermos, é o mundo que merecemos ter. E por boas razões, estaremos no caminho certo.


Gustavo Araújo

Já tentou escrever um resumo de sua vida várias vezes e não conseguiu. Depois que viu o mundo e não quis mais parar, ficou ainda mais difícil..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //Gustavo Araújo