o som do silêncio

recanto de reflexões

Leonardo Onofre

Todo começo tem um fim.
Todo fim é um começo

Cinco canções contestadoras

Sabemos o poder que as canções têm em nossas vidas. Algumas nos marcam eternamente e cada vez que são tocadas nos levam a relembrar momentos especiais. Mas alguns artistas usam a música como forma de criticar a sociedade.


800px-Austin_Graffiti.jpg

Another Brick In The Wall - Pink Floyd

Essa lista não está em ordem hierárquica mas é praticamente unânime que a música Another Brick In The Wall da banda Pink Floyd é um dos maiores clássicos de crítica à sociedade. Na verdade a música composta por Roger Waters tem três partes tocadas separadamente no álbum, mas nos acostumamos a ouvir a segunda parte da música. O som foi lançado em 1979 no álbum duplo The Wall. A letra questiona os métodos tradicionais de ensino, onde o professor não pode ser contestado. Esse tipo de educação predominou durante muito tempo e a criatividade do aluno era considerada um empecilho à absorção dos conteúdos que os professores, no papel de capatazes do sistema, consideravam necessário os alunos aprender. Pensando bem este sistema ainda é atuante em muitos lugares. Provavelmente o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, se identifica muito com a atuação destes professores. O clipe oficial tem quase 40 milhões de visualizações no Youtube.

ZombiePromo.jpg

Zombie - The Cranberries

O single Zombie da banda de rock alternativo irlandesa The Cranberries é sem dúvida uma das músicas mais tocadas no mundo nas duas últimas décadas. Talvez nem mesmo a banda imaginava a proporção do sucesso que este som faria. Lançada em 1994, a música escrita pela vocalista Dolores O'Riordan crítica os conflitos religiosos na Irlanda do Norte onde a maioria da população é protestante enquanto uma minoria é católica. A letra fala de violência e de como as pessoas são afetadas enquanto bombas são jogadas. O clipe oficial no Youtube tem mais de 140 milhões de visualizações.

download.jpg

Geração Coca-cola - Renato Russo

É praticamente impossível escolher somente uma música contestadora de Renato Russo. A discografia da Legião é recheada de sons que criticam a sociedade em diversos aspectos, difícil mesmo é encontrar alguma música que não critique. Mas decidi falar de Geração Coca-cola que foi composta por Renato em 1985 e que faz parte do primeiro álbum da banda. A letra faz uma crítica à norteamericanização da população brasileira. É fato que a cultura norteamericana influenciou e ainda influencia a população brasileira, seus produtos, nomes, músicas e filmes fazem parte da nossa vida. Até hoje ainda não consegui desintoxicar-me totalmente das produções hollywoodianas e sinto dificuldade para apreciar produções de outros países. Mas não é que a influência seja ruim, o problema está no excesso. O neoliberalismo proposto pelos EUA é massacrante e quanto mais dificuldade tem um país mais o sistema é destruidor. E pior, somos treinados para defender nosso opressor com unhas e dentes.

Carterboxing1.jpg

Hurricane - Bob Dylan

Para falar de críticas a sociedade é necessário falar de racismo. Infelizmente existem pessoas que não são preparadas para conviver com as diferenças e se acham no direito de fazerem juízos de valor baseado no que pensam ser correto. A história de Rubin "Hurricane" Carter é mundialmente conhecida, e foi inspiração para uma música de Bob Dylan. A letra da música escrita em 1976 conta em detalhes a história da prisão injusta de Rubin, baseado somente na cor da sua pele. Ele passou 15 anos presos injustamente sendo libertado somente no ano de 1985 quando a promotoria retirou a acusação. Mas o tempo que passou na cadeia jamais seria recuperado. Sam Chaiton e Terry Swinton escreveram sua biografia, Lazarus and the Hurricane: The Freeing of Rubin "Hurricane" Carter no ano de 1991. Sua história foi parar no cinema em um filme baseado em sua biografia no ano de 1999 com Denzel Washington no papel de Carter.

hqdefault.jpg

Até quando? - Gabriel o pensador

O rap de Gabriel é um som que nunca deixa de ser atual. O som não é direcionado à um assunto específico mas sim abrange muitos assuntos principalmente de questões políticas. A letra é de Gabriel o pensador, Itaal Shur e Tiago Mocotó foi em escrita em 2001 e questiona o posicionamento das pessoas perante as situações que as desagradam. O clipe dirigido por Oscar Rodrigues Alves foi o vencedor do prêmio VMB em 2001. Mas no final o rapper deixa bem claro que a mudança em primeiro lugar é interna. É bem mais fácil encontrar problemas nos outros do que em nós mesmos. Por isso a reflexão.


Leonardo Onofre

Todo começo tem um fim. Todo fim é um começo.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/musica// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Leonardo Onofre