Felipe Gaúcho

acha que o lar do passarinho é o ar, em vez do ninho; sente-se nascido a cada momento para a eterna novidade do mundo; e não vê problema em emprestar citações alheias.

O jovem que deu uma volta ao mundo entrevistando e fotografando crianças

Já imaginou dar uma volta ao mundo entrevistando crianças? Felipe percebeu que o tempo vinha roubando a juventude de todos ao seu redor, e decidiu não deixar que o mesmo acontecesse consigo. Para reaprender a se manter jovem, foi atrás das palavras e dos olhares das crianças que cruzavam seu caminho mundo afora.


Depois de entrevistas maquinistas mirins na Hungria Depois de entrevistar alguns maquinistas mirins, na Hungria

A história acima é real. E o jovem que a conta sou eu.

Aos 19 anos, embarquei sozinho em uma viagem de volta ao mundo. O tempo vinha roubando de mim, e de todos os que comigo conviviam, a juventude que um dia tivéramos de sobra. Meu melhor amigo, que sonhava comigo desde a infância em fazer essa viagem, desistira dela.

Percebendo que muitos outros viravam adultos e abandonavam antigos sonhos, decidi partir desacompanhado e de imediato, com as economias geradas anos atrás, em um período no qual eu adentrava concursos culturais e vendia os prêmios ganhos na internet (foram mais de 20!).

Um primeiro encontro com crianças locais - Tibete

Um primeiro encontro com crianças no Himalaia

Durante a jornada, que me levou para mais de 30 países em quase um ano e meio, entrevistei e fotografei as crianças que cruzaram meu caminho, tentando redescobrir a juventude através daquilo que diziam e expressavam.

Roteiro da Volta ao Mundo A rota percorrida

Foram 6 meses na Europa, um semestre na Ásia, e pouco menos que isso na América Central. Os lugares mais marcantes não foram aqueles que percorri rapidamente cobrindo grande distância, mas sim aqueles nos quais diminuí o ritmo e permaneci por um bom tempo. É o caso da vila na Indonésia em que fui “adotado” por uma família nativa, virei professor em meio período na escola local, aprendi a me comunicar no dialeto deles e surfei até não poder mais.

Recebido em uma casa indiana.jpg Sendo recebido na casa de uma família indiana

A história, originalmente escrita em forma de carta ao melhor amigo, virou um livro. E o livro virou o centro de um projeto de financiamento coletivo, no Catarse. Aliás, o modus operandis do financiamento coletivo é novidade para muitos. No modelo, aqueles que querem ver um projeto acontecer podem “comprar” uma recompensa através de um “apoio” em dinheiro. No entanto, o “apoio” só é debitado - e as recompensas só são produzidas – se o projeto bate sua meta de arrecadação (geralmente, um valor que cobre os custos de produção da obra) ao fim do prazo estipulado. Caso a meta não seja batida, o dinheiro volta para o apoiador, e ninguém sai perdendo. Para conhecer esse projeto, ver as formas de apoio, e saber mais sobre a história, clique aqui.


Felipe Gaúcho

acha que o lar do passarinho é o ar, em vez do ninho; sente-se nascido a cada momento para a eterna novidade do mundo; e não vê problema em emprestar citações alheias..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/fotografia// @destaque, @hplounge, @hp, @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Felipe Gaúcho