Ana Calazans

Os livros me criaram, a curiosidade me alimenta e o kung-fu me alegra

O Homem e seu Ambiente: a Fotografia Documental de Ricardo Borges

O outro, o cenário, o “eu sozinho”... Documentar o homem em relação com seu meio e gerar uma experiência que promova a empatia, o estranhamento e a inquietação é o leitmotiv do fotógrafo Ricardo Borges. Fotografando cenas de rua em Londres, Paris, Nova Iorque ou no Brasil profundo, o que importa para o artista é o instante em que a narrativa de uma vida, de um lugar ou objeto é congelada, e não o instrumento de sua captação.


tumblr_mqu43dkbYS1ritbt8o1_1280.jpgManhattan emoldura uma noiva que chora sozinha no Brooklyn ©Ricardo Borges

A arte como fruto, como motor e como agente cristalizador de novas experiências desempenha um papel unificador e conector em um mundo que hoje parece se dividir entre o multiculturalismo e a homogeneização do gosto. A relação com o corpo, com as crenças, com o que consideramos estranho ou semelhante pode ser subvertida pela arte. A fotografia, como expressão artística, promove um tipo muito particular de experiência: a experiência estética.

Esta experiência não precisa se adequar a nenhum esquema prévio: é sempre nova; gera um sentido que é particular a cada indivíduo, por via de sua imaginação, de sua história, de seu aprendizado acumulado... Esse sentido privado da experiência estética, no entanto, possui o germe da comunhão, aproxima mundos. O trabalho de Ricardo Borges constrói essas pontes de sentido. No período de um ano o fotógrafo baiano morou em três metrópoles, Londres, Paris e Nova Iorque, documentando a interação dos indivíduos com os padrões urbanos e humanos.

tumblr_mp8sm57q7B1ritbt8o1_1280.jpgA alegria dos rapazes no Gay Pride Day, Nova Iorque ©Ricardo Borges

Ft- Ricardo Borges-www.facebook.com-ricardoborgesfotografia-1.jpg0,2,3; barras grisé; amigos...composição aberta ao sentido em Recife-PE ©Ricardo Borges

Para o fotógrafo o que interessa é que suas imagens despertem empatia, conjecturas e reflexões, promovam experiências. A qualidade “estética” formal - seja de enquadramento, composição ou cromatismo -, não é o objetivo imediato. “Uma imagem precisa ir mais fundo, ir além da harmonia estética. Quando uma imagem minha gera uma inquietação, um sentimento, uma dúvida, sei que é um trabalho útil”.

tumblr_mppji2ZKG41ritbt8o1_1280.jpgHomem com vassoura na Quinta Avenida, Nova Iorque ©Ricardo Borges

tumblr_motry4FRel1ritbt8o1_1280.jpgEnquadrado em La Défense, Paris ©Ricardo Borges

“Eu vejo as coisas em ‘forma’ de fotografia desde pequeno, então basicamente o que me motiva a fotografar é a possibilidade de congelar e eternizar, de certa forma, esses momentos”, diz Borges, que considera que seus trabalhos mais “concisos” são seus instantâneos de rua.

Ft- Ricardo Borges-www.facebook.com-ricardoborgesfotografia-1398.jpgIlusão, cor e forma no fotojornalismo: gigante e pigmeu em La Défense ©Ricardo Borges

tumblr_mqaun8vkDg1ritbt8o1_1280.jpgCriança em espaço banhado de luz azul no Queens, Nova Iorque ©Ricardo Borges

tumblr_mpt75mBrNO1ritbt8o1_1280.jpgPai e bebê ao largo de reflexos cubistas numa rua londrina ©Ricardo Borges

O fotógrafo utiliza diferentes meios de registro: câmeras profissionais, telefones celulares, câmeras analógicas... “Tenho procurado fazer um corpo de trabalho onde o importante é a imagem e o que ela gera na pessoa que a vê e não o modo como ela foi registrada”.

tumblr_moxou90Mfb1ritbt8o1_1280.jpgSolidão com cenário: Rapaz da banca de tiro quase se confunde com prêmios, Paris ©Ricardo Borges

tumblr_mqgf92jXA41ritbt8o1_1280.jpgSacos como parceiros no descanso de uma vendedora de lanches, Nova Iorque ©Ricardo Borges

tumblr_mqfgxkxvAJ1ritbt8o1_1280.jpgMáscara parece mais “humana” do que quem a usa, Camden Market, Londres ©Ricardo Borges

O filósofo pragmatista americano John Dewey dizia que a arte nos liberta “do preconceito metafísico de que os objetos têm valores fixos e inalteráveis”. E é justamente esta ilusão, este preconceito, que o trabalho de Borges desconfigura. O mundo e suas projeções são capturados por ele com o frescor de uma geração – e de um olhar - que recusa moldes e digeriu as influências a ponto de torná-las um atavismo.

Ft- Ricardo Borges - https---www.facebook.com-ricardoborgesfotografia-1177.jpgAmor nas alturas em parque de diversões londrino ©Ricardo Borges

Ft- Ricardo Borges-www.facebook.com-ricardoborgesfotografia-2556.jpgCom seu cão, seu livro e sua cruz no metrô de Nova Iorque ©Ricardo Borges

tumblr_mpxmckeoa01ritbt8o1_1280.jpgDamas de honra e noiva riem do véu voador em Nova Iorque ©Ricardo Borges

O trabalho de Borges tem a coerência do humanismo, sem amarras e padrões. Suas fotos podem ser composições geométricas, instantâneos realistas, registros poéticos, parecer um conto de fadas distante, um déjà-vu, um sonho, ou mesmo nos fazer pensar que viajamos no tempo - como na cena abaixo capturada em uma viela de Paris que lembra um still dos filmes da Nouvelle Vague.

Ft- Ricardo Borges-site-http---ricardomborges.wix.com-fotos-1293.jpgRapaz observa moça em rua deserta de Paris ©Ricardo Borges

O trabalho do fotógrafo pode ser mais bem apreciado nos endereços abaixo: Tumbler: www.tbaldio.tumblr.com Facebook:www.facebook.com/ricardoborgesfotografia Instagram: @ricardomborges


Ana Calazans

Os livros me criaram, a curiosidade me alimenta e o kung-fu me alegra.
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/fotografia// @destaque, @obvious //Ana Calazans