os álbuns nossos de cada dia

Tudo que ouço, me identifico, consumo e admiro; transformado de música para palavra

Murillo Jorge

Jornalista e apaixonado por música desde sempre. Flerta com cinema e cultura em geral. Ouve muito mais música do que é recomendado.

The Last of Us - Valeu a pena esperar

The Last of Us demorou para ser lançado pelos produtores, mas o resultado final agradou muito. A imersão na trama é tanta e o jogo foi tão bem desenvolvido que a espera não podia ter tido resultado melhor.


the-last-of-us2.png

Esperar vale a pena.

The Last of Us, game exclusivo para Playstation 3, conseguiu atrair olhares do mundo gamer por ter usado a frase acima do melhor modo possível. A Naughty Dog, desenvolvedora do jogo e de muitos outros sucessos como "Crash Bandicoot" e da premiada trilogia "Uncharted" , chegou a adiar o lançamento do game por duas vezes.

Preferiu fazê-lo por saber que o game ainda contava com alguns pontos a serem alterados. E por charminho também, cá entre nós, devido ao sucesso dos vídeos de promoção, teasers e comentários ansiosos em fóruns pela internet.

O game prometia uma nova experiência survial em um mundo pós-apocalíptico. Tomado por um vírus que afetava, por meio de seus esporos, o sistema nervoso humano dá origem a seres que mais parecem com zumbis. Os infectados tornam-se agressivos e nos estágios mais avançados, viram colônias errantes da praga que varre a terra.

No meio de tudo isso, eram apresentados os personagens principais: Joel, um rapaz de cabelo grisalho, barba por fazer e passado sombrio, e Ellie, uma menina misteriosa e que já nasceu no meio do triste cenário. A trama une os dois de um modo interessante e é cheia de surpresas.

Além do desafio dos monstros, os protagonistas terão de enfrentar outros humanos também.

thelastofus2.png

Caçadores, saqueadores e milícias constantemente irão persegui-los. Provando que em um mundo quase sem leis, muitos humanos regridem para seu estado mais animalesco. É a sobrevivência que vai bater em sua porta todos os dias e te cobrar com o preço de sua própria vida.

Eram estes os ingredientes que compunham a história de Last of Us.

O clima de mistério feito pela Naughty Dog foi um pouco desmistificado no demo do jogo, que deixou todos boquiabertos. Fãs do gênero ficaram impressionados com a fluidez, detalhes e imersão que jogo apresentava.

Não demorou para virem as avaliações dos especialistas que deram notas altíssimas em todos os quesitos.

E eles estavam corretos.

Finalmente, no dia 14 de junho deste ano, o jogo foi lançado. E que jogo foi lançado, senhores...

Last of Us é muito bem trabalhado. A trilha sonora, o enredo e as personagens são marcantes. O grande destaque vai para os protagonistas que nos cativam.

O relacionamento entre eles evolui e se solidifica conforme o desenrolar da trama. Mesclando momentos de desespero extremo, conhecimento mútuo e a descoberta de um novo mundo, o jogo faz com que você mergulhe em uma realidade que une a morte e atitudes extremas na linha frágil linha da vida.

E exatamente tudo que você fizer durante o gameplay será para proteger aquela garotinha. A importância de Ellie na trama é imensa. Seja no desenrolar do jogo, no auxilio contra inimigos próximos de vocês, para contar piadas, para te dar um chacoalhão quando há algo errado e para encorajar nos momentos mais difíceis.

the-last-of-us-01.png

Joel aprende e ensina Ellie. É bonito, é sutil e ao mesmo tempo agressivo. Em um mundo rodeado de lembranças, dor sofrimento e medo, você e ela são forçados a viver sem temer e fazer o que é necessário, por mais difícil que seja.

Os cenários dos capítulos são ricos em detalhes e ambientação. Joel pode usar recursos do cenário para distrair os inimigos, que em sua grande maioria, guiam-se pelo som e tem visão ruim, e ir coletando itens para fazer seu pequeno arsenal de bombas de prego, de fumaça, molotovs, facas e outros itens. Por isso é necessário explorar tudo muito bem. Armas de fogo são raras e poucas, que fique claro.

Também há colecionáveis escondidos. Um ponto que deve ser lembrado também é a variedade grande de bilhetes deixados dentro de casas e abrigos. Além de darem um tom mais melancólico ainda para a trama, colaboram para que o jogador perceba a importância que há em permanecer vivo e não desistir.

3.jpg

Os inimigos, tanto humanos como monstros, tem uma boa inteligência artificial. Sabem como caçar, fugir, flanquear e tudo mais. O problema são os momentos em que Ellie fica "invisível" a eles. Mesmo com Joel escondido e ela aparecendo, os inimigos não atiram ou notam a sua presença.

Outro ponto negativo é a falta de clareza do que deve ser feito em alguns puzzles do jogo. Dificilmente você vai entender logo de primeira onde deve ir, se deve pegar uma escada, um barricada e onde colocar a tábua. Isso pode gerar algum stress e, por sorte, o próprio jogo te auxilia com dicas se vê que você enfrenta alguma dificuldade e está preso por não saber o que fazer.

The-Last-of-Us_2012_12-14-12_003.jpg

Os diálogos são muito bem feitos, os personagens tem expressão de fato e há sincronia. Destaco a dublagem que ficou muito boa. Confesso que não sou lá muito fã de filmes/séries dubladas, mas o trabalho da equipe de dubladores ficou muito agradável. As vozes de todas as personagens foram muito bem selecionadas.

Tecnicamente falando, os gráficos estão no topo de qualidade. Texturas e iluminação impressionam. A jogabilidade é muito parecida com o Uncharted, com um enfoque muito maior em furtividade por possuir o tipo de inimigos que possui. Joel tem o recurso da audição aguçada para não se surpreendido por inimigos. Este é outro ponto de sucesso elaborado pelos desenvolvedores.

É importante enfatizar que o jogo foi idealizado para ser jogado no modo furtivo por possuir poucos recursos de armamento. Por isso é importante fazer "cada tiro valer a pena", sabendo que ao atirar você pode atrair o dobro de inimigos para cima de você.

E estes inimigos não são piedosos. Vão te caçar e te matar.

the_last_of_us_ps3_game-wide.jpg

O jogo ainda conta com um on-line satisfatório. Um death-match envolvendo duas facções que são apresentadas no game e que envolve a busca por recursos e peças para aumentar seu clã diariamente. Diferente de outros títulos, não é um on-line que você deve sair correndo feito doido e gastando tiros toda hora. É necessário andar em grupo, ser silencioso e procurar sobreviver.

Seguindo a mesma tônica do jogo.

The Last of Us é cinematográfico. Tem enredo, emoção, trilha sonora impecável e personagens bem apresentadas e bem desenvolvidas.

Acredito que é muito cedo para ser considerado o jogo do ano, ainda mais por termos um GTA V, Beyond Two Souls e vários outros títulos que serão lançados ainda. Mas é um marco no survival horror.

A saga de Joel e Ellie é muito bem desenvolvida. As pouco mais de 15 horas de game foram épicas para mim e o jogo preencheu todas as minhas expectativas. Durante todo o gameplay meu senso de proteção por Ellie só aumentou. Acho que esse é o efeito de imersão que Last of Us queria nós deixar.

Videogame hoje é ainda mais sério do que já foi e nós gamers estamos ainda mais exigentes.

Com isso, a indústria de games, além de ter ganhado mais um grande representante, pode levar como aprendizado que os detalhes e enredos desenvolvidos cativam os jogadores.

E no final das contas, valeu muito esperar por Last of Us.

the-last-of-us-release-date-set-back.jpg


Murillo Jorge

Jornalista e apaixonado por música desde sempre. Flerta com cinema e cultura em geral. Ouve muito mais música do que é recomendado..
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/The Last Of Us// @destaque, @obvious //Murillo Jorge