os inconfundíveis pés de xumbo

Espaço renovado, novas ideias...

Simon

Música & Cinema: As picardias dos A~Ha com o lendário John Barry

Reduzir a carreira dos A~Ha ao extraordinário hino pop Take On Me é um erro. Os noruegueses tiveram uma longa história, recheada de sucesso e boa música. E deram uma "mão" à saga 007. Em 87, foram responsáveis pelo tema de The Living Daylights, um dos melhores de sempre. Quer o filme, quer a "theme song"! Mas o processo que culminou na música final não foi fácil, bem como a convivência da banda com John Barry. Ainda assim, o resultado é excelente. Leiam. Oiçam!


Em 1987, saiu o filme 007 The Living Daylights, o primeiro de Timothy Dalton, com o tema principal a ser da responsabilidade dos A~Ha. Na verdade, o tema que se ouve no genérico do filme é já uma 2ª versão, já que a original (contida no álbum de 88) foi rejeitada por John Barry (mítico responsável pela sonoridade dos filmes 007), que insistiu com os noruegueses para uma nova "roupagem". Podem ouvir essa música aqui.

Em 1985, os Duran Duran foram responsáveis pelo tema principal de "A View To A Kill". À época, os FabFive de Birmingham eram um dos nomes mais fortes da cena musical e juntar a relevância da Pop da New Wave com a sonoridade bondiana provou-se como o passo lógico desde o início, já que o tema do derradeiro filme de Roger Moore como 007 foi o único da saga a chegar a nº1 nos EUA ou no Reino Unido. No caso, foi por terras do Tio Sam. Nem Skyfall o conseguiu (apesar de ter um prémio mais importante, um Oscar). images (2).jpg

Na senda dessa escolha, os responsáveis viraram-se de novo para uma outra banda pop que estava grande na altura, os A~Ha! Mas as coisas não correram bem no início. Na verdade, John Barry, que coescreveu a música, não gostou do tom demasiadamente pop/electrónico que a banda deu à versão inicial do tema. Faltavam os arranjos que caracterizavam os temas contidos na saga! Basta ouvir para percebê-lo. O tema, na sua versão inicial, está muito bom. Liricamente, é 100% Bond, é forte, pode ser entendido quer na pele do vilão, quer na pele de James. Mas musicalmente parece que falta qualquer coisa para que a reconheçamos imediatamente... Assim, Barry insistiu na alteração dos arranjos musicais, algo que banda aceitou muito a contragosto, cedendo pois o compositor inglês tinha um enorme peso junto da produção e uma enorme e bem sucedida experiência no "ramo" Bond! E assim, surge a versão do filme. Oiçam aqui. A verdade é que apesar do desarranjo entre a banda e o compositor, as coisas avançaram e a colaboração acabou por ser bem sucedida. Na tabela do Reino Unido chegou ao 5º lugar e os A~Ha foram responsáveis por um dos mais fortes temas de toda a filmografia do agente inglês. E a banda, vários anos depois, reconheceu que apesar da difícil relação, Barry foi fulcral no sucesso do tema e que o arranjo dado pelo inglês, nomeadamente ao nível das "cordas" foi uma melhoria, aproximado a versão inicial ao que era realmente pretendido. Se The Living Daylights marca um novo capítulo na saga, isso é também transposto para o nível musical, com ritmos que misturam os clássicos instrumentais de orquestra com o electrónico. E os A~Ha fizeram bem a ligação!


version 2/s/// //Simon