otti

arquitetura | design | fotografia

ilde casotti

Preencher o vazio nem sempre significa torná-lo cheio.

A desconstrução de Baku

O desenho de vanguarda, as curvas suaves e os vidros espelhados, ao fundo de antigas construções, me chamaram a atenção. O conjunto, formado por 3 torres de vidro, está na cidade de Baku, capital do Azerbaijão, na antiga União Soviética. Chamados de "Flames Towers", os prédios fazem parte de um projeto ainda maior, que envolve obras públicas, planejamento urbano e a construção de diversas edificações para os mais variados fins.


flametower.jpg

O crescimento econômico do Azerbaijão tem números invejáveis, gerados principalmente pelo petróleo, e este volume crescente de dinheiro abriu um grande espaço para o investimento, principalmente no setor imobiliário.

Flame_Towers_Baku_Azerbaijan.jpg

Baku existe desde o século VI e está na lista de cidades patrimônio mundial da Unesco e da Sister Cities International. Possui uma arquitetura com edifícios ecléticos do século XIX e prédios com a então imposta arquitetura comunista, misturados às relíquias históricas persas e otomanas.

800px-Bibi_Heybat_Mosque_Baku_sec 13.jpg

À este patrimônio, até há pouco tempo fechado para o resto do mundo, juntam-se os novos investimentos imobiliários assinados por arquitetos de várias partes do mundo, famosos por seus trabalhos dentro do movimento desconstrutivista, da arquitetura pós-moderna, caracterizada pela fragmentação, pelo desenho não linear, com a manipulação da superfície com formas não retilíneas, dando uma aparência visual final dos edifícios que pode-se definir como um "caos controlado". Nada é previsível e esta expectativa torna estimulante esta nova arquitetura.

Alguns dos projetos avançam sobre o litoral do mar Cáspio, como os espetaculares Full Moon Hotel e Crescent Hotel, projetados pela Heerim Architects & Planners, da Coréia do Sul.

1357FullMoonRising_pic1.jpg hotel crescente sokar.jpg

Os coreanos da Heerim também assinam outros edifícios, como a sede da estatal de petróleo Socar e o planejamento para a waterfront de Baku.

1342HeerimArchitectsPenSOCARTower_pic1.jpg

Masterplan-of-Baku-Bay-_01.jpg

Uma das obras mais impressionantes é o Centro Cultural Heydar Aliyev, assinado pela arquiteta Zaha Hadid, iraquiana, radicada em Londres e conhecida mundialmente por seus projetos ousados, grande parte deles conceituais e identificados pela corrente desconstrutivista.

futuro centro cultural Heydar Aliyev, em Baku, Azerbaijão projeto zaha hadid.jpg

Heydar_Aliyev_Cultural_Center_2.jpg

O plano para a White City, assinado pela WS Atkins & Partners faz uma completa alteração na organização urbana em uma área de 230 hectares, com a previsão de construção de diversos prédios, públicos e privados.

14587_3_Atkins_Baku_Additional Image 2_1000px wide.jpg

waterfront iconic hotel white city.jpg

Landmark Aypara Residence Building.jpg

O investimento nessas mega construções não deixou de lado a preocupação ecologica. Um exemplo disso é o projeto assinado pelos dinamarqueses da BIG Architects. Um gigantesco plano em uma área de 1000 hectares, na ilha Zira, para um resort 100% não emissor de carbono.

zira.jpg

zira 2.jpg

Os americanos da Asymptote Architecture assinam um corredor eco-cultural ligando o mar aos centros históricos e contemporâneos. O vídeo a seguir mostra como ficará este projeto depois de finalizado.

Baku se candidatou para ser sede dos Jogos Olímpicos de 2020 e, pelo que a cidade vem investindo, não duvido que seu nome seja escolhido. A cidade tem os requisitos necessários para ser, em breve, um dos roteiros turísticos mais procurados do mundo.

Muitas críticas sobre estes projetos vêm sendo feitas, como em todos investimentos deste porte. O governo é por vezes criticado de ser repressivo, as normas sociais conservadoras limitam o papel das mulheres na vida pública e a desigualdade entre ricos e pobres vem aumentando a cada ano.

O que pudemos perceber é que o Azerbaijão está realizando um planejamento urbano voltado não somente aos grandes investidores, mas também para população local, com a preocupação de serem criados vários espaços culturais, com forte investimento na educação e respeito às edificações seculares que fazem parte da história do país.

Fontes: www.arquitetoinquieto.com www.m.theatlanticcities.com www.skyscrapercity.com www.bakuwhitecity.com www.wikipedia.org


ilde casotti

Preencher o vazio nem sempre significa torná-lo cheio..
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/// @destaque, @obvious //ilde casotti