outras palavras

História, cinema e música... Não necessariamente nessa ordem, ou nesse mundo!

Yuri Pires

Poeta nas horas vivas, estudante nas horas vagas, professor de português nas horas pagas. Autor de O Homem e o Seu Tempo (Chiado Editora, 2014). Atualmente no exercício de aprender a ser pedra.

Clara Valente: uma grata surpresa!

O álbum de estreia de Clara Valente é Mil Coisas. Forte, suave, doce, amargo, rude, intenso, tango, afro, coerente e coeso; só para começar! Vale muito a pena conhecer mais esta artista carioca.


MilCoisas_Capa-1.jpg   

Quem passeia pela internet garimpando novos músicos tem sempre surpresas. Na maioria das vezes são surpresas desagradáveis, mas em algum momento a busca é recompensada. É deste jeito que nos sentimos ao contemplar o trabalho de Clara Valente, em seu álbum de estreia, Mil Coisas (baixe aqui).     

O danado é que as opções são muito parecidas. Você vai na descrição da artista e lê algo como "cantora brasileira da 'nova geração' da MPB" e já lista mentalmente vários nomes que, se escaladas em um mesmo álbum, não se perceberia onde começa uma e termina outra. Mesmo esta 'nova geração da MPB' já é tão elástica que cabe alguém beirando os cinquenta e alguém que não chegou ainda aos trinta.      Mas basta escutar a primeira faixa, que dá nome ao álbum, para saber que há ali algo diferente. Esta cantora e compositora carioca tem segurança o suficiente, na própria voz, para não precisar fazer demonstrações de exercícios vocais, aprendidos em aulas de canto, a cada estrofe.

Na faixa Mil Coisas, Clara canta em compasso com a poesia, sem sobrepor-se à música, em harmonia com os vibrantes metais latinos e com a percussão afro contagiante. E se tem por início a envolvente Mil Coisas, o álbum de estreia de Clara Valente conclui-se com o tango Ao Cais. Para mim é a melhor música do álbum, madura, marcante, triste e convidativa, como deve ser um bom tango. Nesta música Clara nos diz: o amor dói, mas é inevitável atirar-se, portanto atiremo-nos!

Clara é uma grata surpresa num mar de coisas iguais. Entre a primeira e a última música, são mais oito faixas muito interessantes em que pulsam sinceridade e talento. Em tempo de artistas pré-fabricados e de hits estrondosos que são rapidamente esquecidos, Clara apresenta-nos um trabalho coeso, coerente e sólido. Certamente entra para o cenário musical brasileiro para ficar; e deixar admiradores!


Yuri Pires

Poeta nas horas vivas, estudante nas horas vagas, professor de português nas horas pagas. Autor de O Homem e o Seu Tempo (Chiado Editora, 2014). Atualmente no exercício de aprender a ser pedra..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/musica// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Yuri Pires