palavras películas e cidades

Filmes e letras no imaginário de um flâneur inveterado

Vinícius Fernandes da Silva

Esta é a minha versão dos fatos. E a sua?

(in)contidos - A poesia periférica de Vinícius Fernandes da Silva

Lançamento do novo livro de Vinícius Fernandes da Silva, (in)contidos, pela Editora Kazuá, em que o autor aprofunda a relação entre o poema, a vida nas periferias, ativismo, morte, o espanto sobre o contemporâneo e... acima de tudo, muita provocação.


incontidos-capa-03.jpg

"Decifra-me

Quando me deparei com esse livro, já de cara me veio o enigma: seriam aforismos, poemas, prosa? Havia de tudo um pouco e os gêneros frequentemente se misturavam, causando um estranhamento que se decifrou com seu título (In)contidos. Incontidos por não se limitarem à forma tradicional do verso, incontidos pelo poeta não se conter, incontidos por não botarem a poesia num cercadinho acadêmico. E nisso reside a maior força desse livro.

Vinícius se assume um poeta menor, sem medo, não se importando ser um dos muitos ferreiros que Gaia "necessita para eterna manutenção do devir". Se desnuda diante do leitor assumindo, Leminskianamente, suas neuroses ("minha casa é bagunçada, / pelo menos sou feliz), chorando as lágrimas de todo o mundo, pois quer, antes de tudo, como na parábola do semeador, "germinar a existência / soltar meus grãos".

Poeta da luta das periferias, evoca Oiticica para justificar a condição da população das quebradas. Não se furta a gritar contra o genocídio da população negra que ocorre nos arrabaldes em poemas como "Atire!" ou na excelente paródia "Safe", em que transforma uma música infantil de brincadeira de pular corda na emulação do discurso e praxis da PM que tem "a dor e a morte como meta profissional".

Político, questiona com ironia os "patriotas" que querem fugir para Miami assim como um país que manequins e vidraças valem mais do que pessoas. Cotidiano, repara nas pequenas coisas como um abajur piscante ou um simples abridor de latas para buscar nelas memória e poesia. Filosófico, luta tolamente contra o tempo e conversa com a morte para entender o sentido das partidas. E poemista, busca as artes em tudo já que, afinal, "este nanquim / derramado: / nega o fim / e o pecado // tinta fresca de orgasmo"

Pedro Tostes, poemista e poeta menor, também".

12170345_937542569664390_2013907588_n.jpg

12167876_937549852996995_880502585_n.jpg

Vocês podem adquirir o livro enviando uma mensagem para o autor do livro Vinícius Fernandes da Silva (eu) pelo perfil do Facebook, pela fanpage do blog Palavras Sobre Qualquer Coisa ou pelas mensagens neste artigo.


Vinícius Fernandes da Silva

Esta é a minha versão dos fatos. E a sua? .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// //Vinícius Fernandes da Silva