palavreando

Conceitos empíricos, ideias perdidas, palavras ao vento

Priscila Anversa

Sou um resquício de virtuosismo em meio ao caos e a exaustão: olhos brilhantes e cabeça pensante, reciclando o repertório e impulsionando o espírito de aspirante a aventureira no território das palavras. Quero tudo. E quero muito.

Corpo desnudo

É o corpo humano a representação intrínseca da beleza, ou somos, nós, voyeurs compulsivos?


As nossas reações diante de um corpo desnudo são, ao mesmo tempo, reveladoras e curiosas. Apreciamos a imagem, seja através da composição, da forma, da cor, do contraste ou dos significados que ela sucita.

P78793_10.jpg

Ingres, A Grande Odalisca, 1814 odalisca.jpg

É imediata a reação por parte de quem observa o corpo desnudo: condená-lo, chamando-o de constrangedor ou indecente, ou dizer que se trata de arte.

Goya, A Maja Nua, cerca de 180009 GOYA Maja desnuda.jpg

O corpo humano é um tema recorrente na arte. Desde nossos ancestrais mais remotos, sempre houve a necessidade de representar ou refletir sobre sua própria imagem. O homem primitivo representava a forma feminina com seios e abdômen avantajados para simbolizar fertilidade e perpetuação da espécie, que, para eles, era função sagrada da mulher.

Vênus de Willendorf, Pré-históriaimages.jpg

Na era clássica predominou a representação da beleza e vigor físico. Embora neste período tenha existido a produção do corpo desnudo em abundância, notamos um nu limpo e casto, mostrando a beleza e a sensualidade.

Praxíteles, Hermes e Dioniso Criança, 340 a.C.350px-Hermes_di_Prassitele,_at_Olimpia,_front.jpg

As figuras representadas simbolizavam a crença da civilização greco-romana. Arte e religião eram temáticas muito íntimas, plasmadas em mármore e bronze nas composições antropomórficas da mitologia, vislumbrando seres perfeitos que o homem tentava se equivaler.

Esta busca pela perfeição promoveu um culto ao corpo, com proporções e padrões ideais representados na estatuária grega, jamais presentes em toda a história com propósitos tão evidentes.

Botticelli, O Nascimento de Vênus, 1483venus-botticelli.jpg Rubens, As Três Graças, 1639 pieter-pauwel-rubens-as-tres-gracas-1639.jpg

O nu continuou sendo uma importante temática na história, utilizado em todas esferas artísticas, mais recentemente pelas performances, que causam repercussão por estarem frente a frente ao espectador. Também por trazerem à tona conceitos mais críticos, em vez de subtrairem-se ao voyeurismo do corpo belo.

Marina Abramović, Rhythm 0, 1974tumblr_m2cizu1SS41qf8fa5o1_1280.jpg

A uns o foco é a parte formal da estética, proporcionada pela composição objetiva, precisamente às linhas ondulantes dos corpos. A outros, a significância e os simbolismos é mais relevante.

Courbet, A Origem do Mundo, 1866gustave-courbet-origine-du-monde.jpeg Klimt, Danae, 1907klimt-danae-1907.jpg Matisse, A dança, 1909matisse-a-danca.jpg

Por quaisquer propósitos - arte, apelo midiático, ou indecência -, o nu configura o campo visual de todo o sempre, caracterizando nossa esfera social e histórica, enredando longos e incessantes debates.

Man Ray, Prayer, 1930Y50-lg.jpg Yves Klein, O Escravo de Michelângelo, 1962tumblr_me3z6g1kJT1qmusrao1_r1_500.jpg


Priscila Anversa

Sou um resquício de virtuosismo em meio ao caos e a exaustão: olhos brilhantes e cabeça pensante, reciclando o repertório e impulsionando o espírito de aspirante a aventureira no território das palavras. Quero tudo. E quero muito. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/eros// @destaque, @obvious, eros //Priscila Anversa