parabolicando

literatura, música, cinema, artes plásticas, comportamento

Milu Leite

milu leite é jornalista e escritora

Copa sem Neymar, alemães em festa e a torcida...

Uma vaia pro jogador da Colômbia, pro juiz e pra todo mundo que não vaiou nada ontem, no jogo mais bonito do Brasil até agora, apesar de tanta catimba.


Neymar-fifa-world-cup-wallpaper-2014.jpg

Demorei, mas voltei. A saída de campo se deu por motivos alheios à minha vontade. Muito trabalho, pouco tempo. Porém, sem Neymar na Copa eu tinha que dar o ar da graça, totalmente sem graça por tamanha sacanagem, ainda que alividada com a vitória do Brasil graças aos gols de Thiago Silva e David Luiz.

A Copa andava bem e digo isto não porque algum marido tenha me “soprado”, como anda dizendo num canal de TV uma mulher de quem nunca tinha ouvido falar e que faz a sua crítica, para vergonha da classe, como se fosse uma bobona, no estilo faço rir porque não sei nada de futebol. Enfim, deixemos a bobona pra lá, porque eu entendo da coisa e gosto. Pelo menos em época de Copa boa. Mas, sem Neymar, não sei não.

O Brasil anda estranho. No campo, quero dizer. Fora dele, tudo igual, viaduto caindo por falta de fiscalização, enchentes no sul, torcedor fazendo festa em qualquer lugar. Fiquemos com eles, então. O torcedor é o protagonista desta Copa, conduzindo a irregularidade dos jogos pra um espaço chamado “não faz mal, a gente torce igual”. E tem torcedor de todo tipo, ridículos muitos, fora-da-casinha, elegantes (humm), boleiros, fofoqueiros, intrigueiros e mais um monte de eiros, fazendo inveja ao dicionário. Não são todos iguais, ainda bem. Muda o tom da torcida. Cada uma tem o seu. Os europeus são pura gritaria. É engraçado ver como alemães tão comedidos soltam a franga nos estádios, dançam, urram, abraçam, fazem tudo aquilo que não costumam fazer. E são quase todos assim, belgas, suíços, ingleses, franceses, espanhóis (sim, eles ainda estão por aqui em grande parte, já que vieram programados para estar na final). A impressão que se tem, então, é de que a nossa torcida é que é “inglesa”, cheia de comedimento, algo que beira a timidez. O contraste é gritante. Que raio de torcedor é este?

Faltou gritaria ontem na partida contra a Colômbia. Catimba pra todo lado e nem uma vaia pro juiz, pro bandeirinha, pro carrasco? (tá, eu estou exagerando, eu sei, mas sou torcedora, lembra?). Claro, a rede de televisão que meu amigo escolheu pra ver a partida pode ter cortado tudo. Coisa de emissora norte-americana, corta, corta. De todo modo, que Neymar não fique sem a minha gritaria de torcedora fanática. NEYMAR, NEYMAR! NÃO! NEYMAR, JUSTO VOCÊ FORA DA COPA? COMO ASSIM? TRAGÉDIA TOTAL. OHHHH, NEYMAR... Só não culpem a Dilma por isto.


Milu Leite

milu leite é jornalista e escritora.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// //Milu Leite