parabolicando

literatura, música, cinema, artes plásticas, comportamento

Milu Leite

milu leite é jornalista e escritora

Rías altas: surpreendente Espanha

Viaje sem pressa pela costa cantábrica até a praia das Catedrais. Deixe-se levar pela beleza das encostas, entrecortadas por rochas magistrais.


Imagen Thumbnail para IMG_20150930_133451720 (2).jpg

Desde a bela e pulsante A Coruña - cidade portuária cravada em uma península na região nororeste da Galícia - até a simpática e bem cuidada Ribadeo, percorre-se de carro não mais do que 153 quilômetros pela autopista. Mas, quem opta por esse trajeto rápido abre mão de paisagens inesquecíveis.

Ainda que o objetivo seja conhecer a praia das Catedrais -monumento esculpido pela natureza e certamente um dos mais exuberantes e impactantes da Espanha -, o melhor a fazer nesta viagem é deixar-se levar por caminhos inesperados e meter-se nas estradinhas que recortam as montanhas cercadas de pinheiros, toxos e lavandas. Uma olhada atenta no mapa revela linhas em ziguezague que, transformadas em realidade, ganham a concretude de espetaculares penhascos debruçados sobre o mar, muitas vezes perfurados por cavernas. Há trilhas estrategicamente distribuídas, com bancos para rápidos descansos e, quem sabe, para um bocadillo de chorizo acompanhado da deliciosa cerveja Estrella de Galícia. Sem pressa, esse momento pode se transformar numa comunhão com a natureza, enquanto o viajante pousa os olhos no horizonte, desviando-os de vez em quando para baixo, atraído pelo estrondo das línguas do mar invadindo uma e outra cova rochosa, aos pés da montanha.

Os pueblos são quase uma centena e garantem peculiaridades. Uns mais bonitos do que outros, alguns têm faróis sinalizadores que é obrigatório visitar. Além de boas vistas, esses pontos trazem ventos e cheiros marinhos para alimentar a imaginação quando a viagem terminar. Ferrol, Cerdeiro, Roncadoira, Ortigueira, Xove, Viveiro, Barqueiro, Bares, Loiba são apenas alguns dos locais obrigatórios nas rías altas da Galícia. Aperitivos repletos de iguarias raras (os bancos com panorâmica instalados no Picón, a principal delas) e que abrem o espírito para a celebração maior: a praia das catedrais.

IMG_20150929_134130230_HDR (2).jpg

O nome é apropriado. Antes de chegar ali, talvez reflita-se com algum incômodo sobre a escolha da palavra “catedral” para algo que não tem nada de religioso. Basta descer do carro e botar os olhos na praia para refazer esse ponto de vista. São de fato catedrais. De rocha, mas muito parecidas com as construções arquitetadas por mãos humanas, só que infinitamente mais bonitas, exuberantes e poderosas. É preciso dizer que o poder da natureza se impõe aqui de modo mais profundo do que qualquer outra coisa que inventemos. As catedrais desta praia são uma prova inconteste dele. Somos formigas diante delas.

Na maré alta, ondas explodem contra as paredes de pedra, revoltas, verdes, deixando rastros de espuma branca. Na maré baixa, a praia e as catedrais se deixam visitar, exibindo uma paleta de cores e texturas de dar inveja a qualquer artista. A água do mar goteja do teto das grutas nutrindo de mistério o som incomum de pedras que respiram em segredo. A luz filtrada pelas entradas, verdadeiros rasgos talhados em pedra, convida ao silêncio, mas o coração dispara tão forte que a sensação vivenciada é a do pré-nascimento.

Talvez, seja esta a razão do choro que me colheu de maneira abrupta e visceral. Nunca antes havia me sentido dentro da mãe-terra. E nunca mais vou esquecer.


Milu Leite

milu leite é jornalista e escritora.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Milu Leite