parabolicando

literatura, música, cinema, artes plásticas, comportamento

Milu Leite

milu leite é jornalista e escritora

Quinta em Casa é música na intimidade

Sonoridades, instrumentações e interpretações diferenciadas na sala de uma residência em Florianópolis.


GIL.jpg

Dia 21 de janeiro tem início o projeto Quinta em Casa - Gil Convida, com a participação do baixista Trovão Rocha (baixo acústico) na estreia do cantor e violonista Caco Santos. A cena musical de Florianópolis certamente tem o que comemorar. O evento vai acontecer todas as quintas, com convidados diferentes. O anfitrião da casa, Gilnei Silveira, é baterista e percussionista de longa data e já levou seu ritmo para shows de cantores da boa MPB pelo país afora nos anos 80. Desta vez, porém, o palco é a sala de casa. A intimidade é a tônica desses encontros.

Quem vive na ilha sabe que por aqui se respira muita música. O ambiente de apresentações em bares faz parte do cotidiano de boa parte dos moradores. As parcerias costumam se manter, acrescidas muitas vezes de participações especiais, de "canjas". Músicos e cantores se conhecem, senão pessoalmente, ao menos de nome e de fama.

Os grupos se ampliam também. A curiosidade pelo trabalho de um e de outro faz com que as trocas aconteçam. Mas na hora de montar o show a ousadia poucas vezes dá as caras, e o que se tem é a reedição das parcerias que já dão certo. Quase ninguém quer arriscar, pois a necessidade de garantir um público mínimo faz pressão. Há exceções, claro. Mas mesmo elas, quando ocorrem, se mantém fiéis ao modelo já consagrado de shows em lugares públicos.

E é aí que o Quinta em Casa surge como uma proposta verdadeiramente inovadora. Gilnei Silveira abre as portas da sua sala, oferece o aconchego do sofá onde normalmente lê algum livro, da cadeira onde se senta para comer e do piano que toda segunda-feira é tocado no já conhecidíssimo "grupo de música da casa da Tita" (sua companheira) pelo pianista Sito Lozzi, para um público ávido por ver músicos e cantores de todos os lugares dispostos a arriscar em novas parcerias, novos repertórios. Mobilidade musical da melhor qualidade.

Os shows, à maneira dos bares, têm ingresso pago (R$ 20). Mas, diferentemente do que acontece nos bares, o público é estimulado a trazer sua própria bebida. Quem quiser um petisco vai contar com as opções disponíveis no minicardápio criado pelo chef Tiago Pinheiro. Parceria, portanto. E de novo da melhor qualidade.

A escolha da dupla para a estreia da casa eleva a grau máximo a ousadia do anfitrião, juntando um músico que faz sua primeira apresentação a partir de seu repertório favorito. Caco Santos já deu canjas em alguns bares da ilha, mas na noite do dia 21 o som que vai rolar inclui muito lado B bom, releituras de standards e algumas surpresas nacionais e internacionais. Coisa do coração musical de Caco.

Trovão Rocha é um baixista em evidência. Conhecido pelo ecletismo e sensibilidade na interpretação, está no meio do caminho: ainda não é veterano, mas já deixou de ser novato. Utilizando o baixo como um instrumento harmônico, realizou diversos shows de duo acompanhando artistas dentro e fora da ilha. Trabalha nos grupos Karibu, Clã Instrumental, Watchout! Jazz, além do seu próprio grupo com músicas autorais.

O trio portanto tem esse sabor: especiarias cultivadas nos anos de cozinha de Gilnei Silveira, acrescidas de condimentos apurados nas performances de Trovão Rocha e do tempero, ainda secreto, de Caco Santos.

Onde: Travessa Lagoinha, 307 - Rio Tavares - Florianópolis

Horário: a partir das 20:30.


Milu Leite

milu leite é jornalista e escritora.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/música// //Milu Leite