parágrafo

Literatura e artes

Alexandre Coslei

Alexandre Coslei é jornalista, professor e escritor premiado. Autor dos livros "Os Paralelepípedos da Vila Mimosa”, que participou do Prêmio Portugal Telecom 2010, além de um volume crítico intitulado "Os indigentes literários", uma reunião de artigos sobre literatura contemporânea que autor classifica como subversivos. Também figura em diversas antologias de contos e poesias. Complementando seu acervo, possui inúmeros artigos publicados em importantes veículos virtuais como o Jornal O Dia, Observatório de Imprensa, Folha do Meio Norte e em diversos Blogs relevantes. Alguns desses artigos foram recordistas de visualizações nos sites onde foram divulgados ou republicados. Está entre os primeiros autores que serviram de base para a criação da revista literária "Verbo", hoje não mais impressa. Como jornalista, está presente em diversas publicações polêmicas na imprensa.

Amor vagabundo

De suas amargas desilusões sentimentais, Walter construiu sua fé no amor libertino.


vagagundo.jpg

Tião berrava com o seu velho amigo Walter: “Não existe amor na zona”.

O protesto não ecoava, perdia-se como se perdem as declarações irrelevantes. Walter continuava a percorrer os bordéis com a alegria de quem sai para colher flores do campo. Talvez por culpa das inúmeras decepções amorosas com mulheres “civis”, como ele designava as moças mais virtuosas; talvez por consequência da sua mórbida timidez. Ninguém sabe ao certo os motivos, o fato é que Walter abraçou a fé dos fanáticos, só acreditava ser possível encontrar o amor no baixo meretrício.

A crença no amor vagabundo fazia uma das manifestações emocionais mais sinceras de Walter. Ele se embriagava em êxtases e cavas depressões. Da mesma forma que comemorava uma nova paixão descoberta na zona, também podia encharcar a fronha do travesseiro com as lágrimas de um sofrer inevitável. Não, Walter não era um ingênuo, mas tinha alma de poeta. Só os poetas são capazes de enxergar romances em prostitutas.

Um espectador que visse de fora, como aquele que assiste a uma peça de teatro, poderia questionar a honestidade sentimental do nosso Walter, pois suas paixões assemelhavam-se a gincanas. A conquista da dama passava por pagar o aluguel da casa, oferecer mesada, mimar com presentes caros, proporcionar viagens, etc. Ou seja, Walter não escrevia poesias. A arte de seduzir resumia-se numa versão sofisticada de um antigo trinômio: casa, comida e roupa lavada.

Foi numa sexta-feira que o registro do homicídio bateu numa delegacia da Praça da Bandeira, Walter havia cometido um crime inapelável. Entre rufiões e mundanas, ele amou.


Alexandre Coslei

Alexandre Coslei é jornalista, professor e escritor premiado. Autor dos livros "Os Paralelepípedos da Vila Mimosa”, que participou do Prêmio Portugal Telecom 2010, além de um volume crítico intitulado "Os indigentes literários", uma reunião de artigos sobre literatura contemporânea que autor classifica como subversivos. Também figura em diversas antologias de contos e poesias. Complementando seu acervo, possui inúmeros artigos publicados em importantes veículos virtuais como o Jornal O Dia, Observatório de Imprensa, Folha do Meio Norte e em diversos Blogs relevantes. Alguns desses artigos foram recordistas de visualizações nos sites onde foram divulgados ou republicados. Está entre os primeiros autores que serviram de base para a criação da revista literária "Verbo", hoje não mais impressa. Como jornalista, está presente em diversas publicações polêmicas na imprensa. .
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Alexandre Coslei