parágrafo

Literatura e artes

Alexandre Coslei

Alexandre Coslei é jornalista, professor e escritor premiado. Autor dos livros "Os Paralelepípedos da Vila Mimosa”, que participou do Prêmio Portugal Telecom 2010, além de um volume crítico intitulado "Os indigentes literários", uma reunião de artigos sobre literatura contemporânea que autor classifica como subversivos. Também figura em diversas antologias de contos e poesias. Complementando seu acervo, possui inúmeros artigos publicados em importantes veículos virtuais como o Jornal O Dia, Observatório de Imprensa, Folha do Meio Norte e em diversos Blogs relevantes. Alguns desses artigos foram recordistas de visualizações nos sites onde foram divulgados ou republicados. Como jornalista, está presente em diversas publicações polêmicas na imprensa.

Brasil: Cemitério de Esperanças

O Brasil sem horizonte


cemiterio-muitas-lapides.jpg

Sempre cortei o cabelo no mesmo lugar da Tijuca (um bairro do Rio de Janeiro), desde que me entendo por gente. Um salão simples, no melhor miolo tijucano. Presenciei gerações de barbeiros passarem por lá, mas me mantive fiel ao dono do estabelecimento. Há alguns anos, um rapaz começou a trabalhar no local. Quando o proprietário não estava presente, eu alternava o atendimento com o novo funcionário. Simpático, carismático, possuía muitos clientes. Não devia ter mais de 40 anos de idade. Ontem, estive no salão e percebi a cadeira do rapaz vazia, não havia nada sobre o seu console, o dono veio me dar a notícia trágica. Rogério era o nome do barbeiro, contraiu covid e em uma semana faleceu da doença. Fiquei chocadíssimo. Deixou quatro filhos. Para ele, também não houve tempo de salvação.

Se é um clichê o que irei expor, não sei. O Brasil é um país horrível, vivemos entre a morte, a miséria, a fome, o desemprego, em condições precárias de existência, salários vergonhosos, reformas que promovem ainda mais pobreza, acuados diante da violência crescente, regidos por políticos liberais absolutamente insensíveis ou por progressistas fragilizados e oprimidos em sua luta pelo resgate de todos nós. Um país de esperanças sempre sepultadas.

Aos poucos, o sonho que resta é o de um exílio imaginário, que pudesse nos reviver como pessoas que buscam um horizonte. No Brasil, não se vê o horizonte. Ficamos querendo o passado porque o presente e o futuro são inegavelmente piores. A vida aqui é uma jornada tenebrosa, limitada. Alcancei um ponto máximo de ceticismo, um bom líder que assuma o poder talvez seja capaz de me causar alívio, mas não fé. Tudo de bom que se constrói neste país se destrói com um sopro. A evolução social é um cristal que aqui se quebra com um peteleco. A ditatura foi uma ausência de alma; a redemocratização, uma festa passageira; a eleição de Bolsonaro é o retorno à nossa natureza submissa ao sadismo, à ignorância, ao elitismo, à adoração de ídolos de ocasião. Não somos e nunca fomos luta, somos rendição. Um país triste e escandalosamente cruel. Nossa identidade é o mal, a indiferença, a busca por um pedestal que nos faça assistir a desgraça alheia a uma distância segura e limpa.


Alexandre Coslei

Alexandre Coslei é jornalista, professor e escritor premiado. Autor dos livros "Os Paralelepípedos da Vila Mimosa”, que participou do Prêmio Portugal Telecom 2010, além de um volume crítico intitulado "Os indigentes literários", uma reunião de artigos sobre literatura contemporânea que autor classifica como subversivos. Também figura em diversas antologias de contos e poesias. Complementando seu acervo, possui inúmeros artigos publicados em importantes veículos virtuais como o Jornal O Dia, Observatório de Imprensa, Folha do Meio Norte e em diversos Blogs relevantes. Alguns desses artigos foram recordistas de visualizações nos sites onde foram divulgados ou republicados. Como jornalista, está presente em diversas publicações polêmicas na imprensa. .
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/recortes// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Alexandre Coslei