pathos

versões, inversões e subversões

fabricio ramos

pathos aqui, pathos acolá (estou sempre um pouco mais para lá ou um pouco mais para cá de onde eu deveria estar).

  • flaneur.jpg
    crônica de um flâneur tropical

    Quem entre nós nunca sentiu a ânsia de uma curiosidade ancestral por um mundo ávido de ser descoberto, cheio de novidades – e tais novidades não são mais do que tudo o que sempre esteve ali tão perto de nós. O flâneur é um peculiar produto da sociedade industrial capitalista, mas em seu estado místico, mesmo sem nada saber de si e das coisas, ele sabe uma coisa a mais do mundo.

  • Captura de tela 2012-02-12 às 14.08.14.png
    culturas em extinção

    Estamos destruindo o grande legado de toda a humanidade: uma diversidade enorme de culturas está desaparecendo do planeta a uma taxa alarmante.

  • bravoc1600c20.jpg
    sinestesia do terror

    O artista japonês Isao Hashimoto compôs uma experiência estética que traduz o insano ímpeto de destruição que conformou a segunda metade do século XX, tão nuclear e petroquímico, - e que ainda não terminou.

  • cbaixa.jpg
    "cidade baixa": amor, suor e sangue

    Sensual e violento, o filme “Cidade Baixa” (2005), de Sérgio Machado, nos apresenta personagens em carne e pele, narrando vidas excessivamente reais e cotidianas, sob uma perspectiva trágica e naturalista.

  • Captura de tela 2012-01-19 às 22.55.35.png
    os sentidos da vida de seis bilhões de outros

    Afinal, qual o sentido da vida? - o projeto de vídeo-exposição "Seis Bilhões de Outros" apresenta um diversificado, sensível e representativo panorama da misteriosa e fascinante contingência da vida humana no mundo.

  • Captura de tela 2012-01-16 às 14.52.07.png
    "Inimigos Públicos" e a arte de narrar

    Em “Inimigos Públicos” (2009), o Dillinger de Mann e de Depp queria existir, e a única e imperativa condição era livrar-se do tédio para realizar, na existência, a sua idéia de liberdade.

  • Celine_m.png
    viagem ao fim de um livro

    Quando Bardamu, sofrendo as agressões da futilidade insalubre do cotidiano de uma Nova York dos anos 1930 ou de qualquer lugar comercial, disse que “filosofar é apenas uma outra maneira de ter medo e só leva aos covardes simulacros”, eu, enfim, o imaginei!