pelo avesso

O impacto do mundo lá fora aqui dentro de nós

Ana Macarini

As palavras que escrevo não me pertencem. Elas são resultado da minha interação com o mundo. São células de mim, que morrem no papel e renascem nos olhos de quem as lê

NÃO É NADA DO QUE VOCÊ ESTÁ PENSANDO

Será mesmo que "O que os olhos não veem, o coração não sente"? Caso isso fosse verdade, então só seríamos emocionalmente atingidos pelos episódios cuja imagem fosse capturada por nossos olhos. No entanto, há impressões e sensações tão impactantes que nos elevam ou destroem, justamente por não estarem ao alcance de nossa visão. Duvida? Atire a primeira pedra quem nunca criou verdadeiros filmes de Almodovar em sua imaginação por estar distante da cena real.


bbbdb023a05960d53ad36f5469de6d9b.jpg

A luz refletida em um objeto passa pela córnea. Os músculos em torno do olho se contraem ou relaxam para ajustar a forma da lente, focalizando os raios de luz. Os raios, então, atingem a retina, onde mais de 100 milhões de células sensíveis à luz interpretam esses raios e transmitem a imagem ao cérebro através dos nervos óticos. Como os raios de luz se cruzam enquanto atravessam a córnea, a retina interpreta a imagem de cabeça para baixo - mas o cérebro reajusta a imagem, garantindo que você seja adequadamente orientado. Uau! Você piscou e aconteceu tudo isso? Pois é... Na prática e, racionalmente falando, enxergar é exatamente só isso.

No entanto, é bom que se aprenda o quanto antes: nada que se resume a "só isso" é só isso mesmo. Cada um de nós, ao olhar uma cena; um objeto; uma situação, acessa uma infinidade de memórias que, tanto podem ser registros reais de vivências anteriores, quanto uma interpretação que pode coincidir com o real em si, ou ser uma releitura, fruto de nossas expectativas e projeções, poderosos mecanismos de distorção da realidade. Assim, vemo-nos diante de uma inquestionável certeza: o objeto do olhar pode ser um só, mas as interpretações desse objeto olhado, será visto de infinitas maneiras, a depender de nossa forma de enxergar.

Olhos abertos não garantem a capacidade de ver. Para ver é preciso achar uma porta de saída para longe da obviedade daquilo que se olhou. Dispor-se a ver é abrir mão da segurança desse lugarzinho protegido, onde só se vê o que não é capaz de nos tirar da cômoda situação de meros expectadores. A partir do momento que nos arriscamos a ver o que vem por debaixo da alegoria aparente, somos tomados por uma ousadia desconhecida. Nossa mente fica exposta a um bombardeio de perguntas que nos tiram do ponto de acomodação com uma passagem só de ida para o mundo daqueles que se recusam a cruzar o os braços diante daquilo que os olhos viram e interpretaram como algo pelo qual valha a pena lutar, quer seja para defender ou combater.

Em algum ponto de nossas vidas, somos todos passíveis de sucumbir à cegueira voluntária; por vezes, estamos nos protegendo de entrar em contato com a realidade que nos afeta diretamente; por vezes, abrimos mão de ver para que a tragédia do outro não nos atinja. Optamos por cobrir os olhos com lentes especiais de distorção da realidade que proporcionam, para nós, o recurso de sermos enganados voluntariamente: é mais fácil fingir que não vimos do que admitir que vimos e, mesmo assim, escolhemos nos omitir.

Os mesmos olhos que trazem coisas do mundo para dentro de nós, são, também, o portal que nos revela para o mundo. O ato de "fechar os olhos" diante do que nossa consciência ética acusa como injusto, revela nossa postura diante de escolhas. Escolher não agir diante da injustiça vista, nos revela. Revela nossa incapacidade de sentir a dor do outro, revela nossa escolha pela cegueira.

É fim de tarde, o trânsito é caótico em uma cidade cujo nome desconhecemos. Um homem está sentado em seu carro e, de repente, se vê mergulhado num mar de leite; não enxerga absolutamente nada. Perdido em desespero, pede ajuda e consegue ir para sua casa. Ele é o estopim de uma doença que se reproduzirá em cascata exponencial, todos que tiverem contato com alguém infectado estará também doente. Diante de uma iminente pandemia, o Governo é obrigado a contê-la: resolve deixar todos os doentes presos no mesmo local, para que não contagiem mais pessoas até que a doença seja investigada a fundo. Dentre os indivíduos isolados apenas uma mulher é capaz de enxergar, justamente a mulher do primeiro homem acometido pela cegueira. No entanto, ela finge estar cega como os demais; tanto para se proteger, quanto para ajudar os cegos. O sensacional e perturbador Ensaio Sobre a Cegueira, de Saramago, vem como um golpe no estômago de nossas superficiais atitudes diante dos inúmeros absurdos que nossos olhos não conseguem evitar de ver, a menos que fiquem teimosamente fechados.

A cegueira moral pode ser uma opção. Olhar e não ver. Ver e não enxergar. Enxergar e ignorar. Nossa escolha. Apenas não nos esqueçamos de que os outros ao nosso redor, muito provavelmente, escolheram a mesma coisa.


Ana Macarini

As palavras que escrevo não me pertencem. Elas são resultado da minha interação com o mundo. São células de mim, que morrem no papel e renascem nos olhos de quem as lê.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Ana Macarini
Site Meter