perplexidade e silêncio

Encontrando poesia e bonitezas da vida por aí.

Ruh Dias

Quando criança, quis ser astronauta. Adolescente, quis ser filósofa, cineasta, fotógrafa. Sempre quis ser escritora. Hoje, só quero ser eu mesma.

O ativismo político inocente de Ginger & Rosa

Sobre ideais políticos poéticos de uma época cheia de nostalgia.


ginger-and-rosa-image02.jpg

Quando eu era mais nova, tinha uma série de sonhos revolucionários. Acreditava realmente que eu poderia mudar o mundo e torná-lo um lugar melhor (e, por melhor, quero dizer mais acolhedor e menos opressor). Havia uma vontade de tranformação dentro de mim que chegava a queimar e soltar faíscas. E foi deste pedaço de mim que lembrei quando assisti Ginger & Rosa (da diretora Sally Potter, 2012).

Ginger (Elle Fanning) e Rosa (Alice Englert) são duas adolecentes que vivem na Londres dos anos 60. Elas são amigas inseparáveis e, juntas, se recusam a ir à escola em busca de respostas para as perguntas que se fazem sobre religião, política, sociedade e o papel da mulher nela. Pouco depois, começa a Guerra Fria e elas decidem se aproximar do pai de Ginger, Roland (Alessandro Nivola), que é pacifista e manifestante político.

Apesar do enredo ter algumas sub-tramas de romance e com foco nas relações familiares conturbadas das duas amigas, o que ficou em mim foi a pergunta: onde está aquele meu pedaço que acreditava ser possível lutar por um mundo melhor?

ginger-and-rosa-alice-englert-elle-fanning.jpg

Ginger escreve poesias mas, ao ouvir pelo rádio todas as ameaças de bombardeios e de guerra ao redor do mundo, ela passa a ter pequenas crises de angústia, pois ela sente-se, ao mesmo tempo, responsável pelas coisas serem assim e culpada por não fazer nada para mudar o rumo da história. Ela se incomoda com a Guerra Fria em um nível íntimo e profundo, como se os acontecimentos de Londres e do mundo inteiro fossem parte dela mesma, de sua própria história de vida. Rosa, por sua vez, é um contraponto à Ginger, pois parece interessar-se na guerra apenas como uma maneira de confrontar sua própria família, e não como quem realmente acredita em ideais políticos maiores.

Até então distante do pai, Ginger se aproxima dele através destas crises de angústia e vê nele um meio de concretizar seus planos de colaborar para que a guerra termine. Ginger é tão frágil e, ao mesmo tempo, tão forte, que me apaixonei por ela nos primeiros minutos do filme. E continuei tentando me lembrar onde eu havia guardado aquela adolescente tão cheia de ideais que eu era.

ginger-and-rosa-picture02.jpg

Neste momento histórico do filme, o movimento dos hippies ainda não começou, mas é fácil imaginar Ginger continuando seu caminho de engajamento político (e poético) na geração do Paz e Amor. E, pouco depois, percebi que eu estava imaginando a mim mesma, em alguma manifestação relevante em alguma parte do mundo levada por alguma mobilização importante. Não foi difícil misturar Ginger a mim mesma, nos meus próprios devaneios.

E se você me perguntar: mas, afinal de contas, você reencontrou este seu pedaço perdido pelo caminho? Te respondo: não faço a menor idéia de onde ele esteja.

Acho que foi soterrado pelas frustrações, pelos fracassos e pelo meu pessimismo em relação à humanidade. A poesia virou silêncio amargo e secreto. Mas, vez ou outra, a chama volta a me arder por dentro e eu fico inquieta e impaciente, exatamente como Ginger e suas crises.


Ruh Dias

Quando criança, quis ser astronauta. Adolescente, quis ser filósofa, cineasta, fotógrafa. Sempre quis ser escritora. Hoje, só quero ser eu mesma..
Saiba como escrever na obvious.
version 5/s/cinema// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Ruh Dias