perplexidade e silêncio

Encontrando poesia e bonitezas da vida por aí.

Ruh Dias

Quando criança, quis ser astronauta. Adolescente, quis ser filósofa, cineasta, fotógrafa. Sempre quis ser escritora. Hoje, só quero ser eu mesma.

Você é misógino?

Identificar os diversos graus de violência e abuso em uma relação é o caminho para as mulheres se libertarem da opressão. E, a propósito, Christian Grey é obviamente um misógino, esqueçam ele, mulheres, por favor!


Sem Título-1.jpg floss, de Brooke Shaden

Misoginia é uma palavra que, em sua origem grega, significa "ódio pela mulher". Este ódio, na misoginia, torna-se uma ideologia de opressão e violência às mulheres, desde o aspecto físico (o mais fácil de visualizarmos) até o aspecto político, sociológico e cultural (muito mais difíceis de detectar).

Muitas vezes, nós, mulheres, nos relacionamos com misóginos e nem sequer percebemos. Alguns comportamentos de menosprezo ou violência ao mundo feminino são tão comuns em nosso dia-a-dia que não nos atentamos que não deveríamos permitir que eles se perpetuassem. Por isso, existem alguns pontos de atenção que todos, homens e mulheres, devem notar para que este sentimento de ódio se dissolva com o tempo:

1) Na maior parte das vezes, o homem não se reconhece como um misógino. É um comportamento inconsciente que rege suas atitudes, talvez em virtude de um trauma de infância ou algo do tipo. Porém, isso não significa que o misógino não atue para ofender, magoar e destruir uma mulher de propósito. Ambos os comportamentos - conscientes e inconscientes - se misturam, e é muito difícil estabelecer os limites entre eles.

2) Não é simples perceber as manifestações de misoginia. No início de um relacionamento, elas costumam ser imperceptíveis, pequenas violências e preconceitos que não são levados a sério, logo de cara. A mulher só irá perceber que tem algo errado quando o homem já passou dos limites, e aí é tarde demais para voltar no tempo.

3) Misóginos podem ser extremamente sedutores. São charmosos, interessantes, simpáticos e agradáveis, e a mulher não desconfia de que ele possa infligir algum tipo de violência física ou emocional. Estas atitudes servem exatamente para este fim: desarmar.

4) Mudanças de humor repentinas são comuns. Da amabilidade à frieza, do apego ao distanciamento. Há momentos em que o homem está próximo e atencioso e, sem nenhuma explicação, desaparece. Ou, então, fica zangado e irritado com frequência, mas somente com as coisas que uma mulher faz. (Por exemplo, se um amigo fizesse o mesmo, ele não reagiria desta forma). Vivemos em uma sociedade que acha normal o homem sumir no fim de um relacionamento, sem uma conversa ou uma explicação. Não, isto não deveria ser normal.

5) Misóginos justificam suas idéias e preconceitos como: "Homens podem fazer isso, mulheres não". Já ouviu aquele papo de que homens traem mesmo e isso é normal, mas quando a mulher trai, ela não vale nada? Jeito simples de identificar um misógino. E aquele papo de que mulher não pode ganhar mais que o homem, nem ter um cargo melhor? Pois então.

6) Misóginos demandam muito, mas doam-se pouco. E costumam ser controladores em todos os aspectos da vida da mulher, do sexo à vestimenta dela.

O intuito aqui não é fazer com que as mulheres que leiam estas dicas comecem a desconfiar de todos os homens ao seu redor, tampouco é generalizar as atitudes dos homens em misoginia. O intuito, sim, é alertar, pois como psicóloga e mulher, vejo muito frequentemente outras mulheres se envolvendo em relacionamentos abusivos (não só com namorados, mas com chefes e pais, por exemplo) sem perceberem que sim, existe uma violência velada que precisa ser combatida tanto quanto a violência física.

Precisamos de empoderamento, todos os dias, para que as gerações das futuras mulheres sejam mais livres do que nós. E quando vejo o sucesso de bilheteria de 50 Tons de Cinza, fico muito desanimada, porque é mais uma vitória da misoginia no nosso mundo que, ironia, se diz moderno.


Ruh Dias

Quando criança, quis ser astronauta. Adolescente, quis ser filósofa, cineasta, fotógrafa. Sempre quis ser escritora. Hoje, só quero ser eu mesma..
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 8/s/sociedade// @destaque, @obvious //Ruh Dias