pílulas da literatura

Um mundo onde as palavras vivem

Gilmar Luís Silva Júnior

Uma criatura hiperativa, que teme procurar ajuda médica com receio de ser internado.

A concepção do homem moderno sob Marx e Simmel

A concepção do homem moderno foi vaticinada por dois filósofos alemães, cada qual realizando um torneio intelectual de dimensões variáveis: Marx abordou a estrutura econômica enquanto Simmel se deteve na consciência individual.


hommode1.jpg A meta a que o filósofo alemão Karl Marx se referia no tocante à libertação do homem se esbate na superação do determinismo econômico. Esse conceito se caracteriza pelo domínio de um elemento primordial na ótica capitalista, que é o dinheiro. Marx frisa que:

“Aquilo que eu sou e posso não é, pois, de modo algum determinado pela minha própria individualidade. Sou feio, mas posso comprar para mim a mais bela mulher. Por conseguinte, não sou feio, porque o efeito da fealdade, o seu poder de repulsa, é anulado pelo dinheiro. [...] O dinheiro é o bem supremo, e deste modo também o seu possuidor é bom.” (Marx, 1971).

O eminente intelectual, por meio dessa passagem, demonstra que a constituição do homem moderno se vincula – e talvez se submeta – à ordem monetária. Diante da disparidade da acumulação de tal bem, o homem estaria encarcerado em visões distintas de mundo, pois, conforme Marx, há uma confusão nos conceitos de ter e de ser. Diz ele: hommode2.jpg “A propriedade privada tornou-nos tão estúpidos e parciais que um objeto só é nosso quando o temos, quando ele existe para nós como capital ou quando é diretamente comido, bebido, vestido, habitado etc., em suma, utilizado de qualquer maneira. (...) O ser humano tinha de ser reduzido a essa pobreza absoluta a fim de ficar apto a deixar nascer toda a sua riqueza interior” (idem).

O que impediria essa realização, já que boa parte dos homens está alijada dessa fartura monetária a qual conduziria ao uso desmedido do ter? Entra em cena, portanto, o conceito marxista de alienação. Do latim alienatio, significa estar alheio a algo. O trabalho moderno – cuja face mais palpável é a propagação da especialização, na qual cada operário se concentra na confecção de ínfima parcela da produção – produz um homem incapaz de pensar pela humanidade. A humanidade se dilui na chamada reificação, ou seja, o homem se torna uma coisa em prol de interesses individuais alheios a si. O conceito de reificação foi bastante trabalhado pela Escola de Frankfurt, grupo de pensadores de índole marxista.

Digamos que a teoria marxista explica a visão mais ampla e geral do homem moderno, mostrando a esse conceito as bases e o fomento que o erigiu. Por outro lado, todo esse arcabouço gerou um corolário de especificidades em âmbito individual. Uma questão salutar que se avulta é como o indivíduo pode resistir à uniformização imposta pelo mecanismo social. Assim, um outro autor alemão se impõe como meio de se chegar a uma conclusão: Georg Simmel, nascido no final do século XIX. hommode3.jpg Simmel trata de uma sociologia da metrópole, o construto mais visível de uma urbanização intensa, a qual aglomera em espaços reduzidos massas de pessoas supostamente unidas por um ideal. O advérbio supostamente se usa para mostrar que tal união é, certamente, falaciosa. O primeiro conceito de Simmel repousa na individualização, distinta em cidades pequenas e grandes. Às primeiras, estão vinculados fatos lentos, corriqueiros e pouco diversificados que promovem uma psique de laços profundos. É o coração o protótipo de símbolo para a vida individual em um núcleo urbano de pequenas dimensões. Já as metrópoles se caracterizam pelo bombardeio de imagens e de signos, os quais não permitem aprofundamento de estados mentais. A cabeça é o órgão da cidade grande, visto que o intelecto deve ser acionado para essa miríade de estímulos nervosos a todo instante (Simmel, 2006).

Simmel também fala em economia monetária. Não mais como a análise marxista de desigualdade e de descaracterização do ser ante o ter, mas sim como uma manifestação da individualidade na metrópole. Troca-se usando dinheiro como um trabalho cerebral, como um ato totalmente associado ao modo de pensar citadino-metropolitano.

O ato puramente cerebral desemboca, então, na atitude blasé, que é a denominação das ações entre os indivíduos da metrópole. Blasé seria algo fosco, acinzentado, um modo de agir sem reações sentimentais, em virtude da profusão de estímulos que já exaurem a capacidade sentimental do ser humano. Em miúdos, a atitude blasé tangencia a indiferença, tomada no senso comum.

Atitudes cerebrais e atitude blasé insuflam à uniformização como antônima à diferença. Indivíduos da metrópole tendem a seguir padrões de comportamento sem muitos devaneios, os quais atendem a esquemas de consumo. Quando alguém se descontenta com essa situação, busca-se a diferença: por meio de vestuário extravagante, de opiniões contundentes nas redes sociais etc.


Gilmar Luís Silva Júnior

Uma criatura hiperativa, que teme procurar ajuda médica com receio de ser internado..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Gilmar Luís Silva Júnior