Maíra F. Guimarães

Toma banho de chapéu, não espera o papai noel, porém discute Carlos Gardel, entre outros, além de ser uma metamorfose ambulante.
Então vá, faça o que tu queres!

O Mestre e a Síndrome do Cordeiro

O filme O Mestre possui inúmeros méritos: roteiro excelente, elenco de primeira, fotografia e trilha sonora impecáveis, questionamentos intrigantes e um tema pouco explorado, a Cientologia. Porém, o tema central da obra não é a religião, mas o embate entre o racional e o instintivo, a relação entre o mestre e o súdito.


ca94ae881ac27a05c02e7ed7cf77940f.jpg

Dirigido por Paul Thomas Anderson, o filme conta a história de Freddie Quell (Joaquin Phoenix), um veterano da Segunda Guerra com inúmeros vícios, dentre eles alcoolismo e sexo, que - após um encontro com Lancaster Dodd (Philip Seymour Hoffman), um líder carismático - se junta a uma curiosa seita. O filme retrata o início da Cientologia, e o personagem de Lancaster Dodd nos remete a L. Ron Hubbard, criador desta controversa religião.

A escolha da Cientologia como parte da trama e do enredo foi muito acertada, pois é um terreno pantanoso e escorregadio, assim como Freddie. Retratar o início dessa religião obscura e controversa deixa a história mais intrigante por ser um tema polêmico e pouquíssimo explorado. Lembrando que esse grupo que se auto denomina religioso já foi acusado de fraude e formação de quadrilha, além de prática ilegal da medicina, dentre outras infrações mundo afora. De qualquer forma o filme é neutro, ele está ali para retratar o começo desse movimento mostrando seus altos e baixos e deixando o campo livre para interpretação de cada espectador, outro acerto do longa.

24jan2013---cena-de-o-mestre-dirigido-por-paul-thomas-anderson-com-atuacoes-de-joaquin-phoenix-e-philip-seymour-hoffman-1359064071798_956x500.jpg

Porém o tema central da obra não é a religião em si e sim o embate entre o racional, representado por Dodd e principalmente por sua esposa Peggy (Amy Adams) e o instintivo encarnado por Freddie. Este é submetido a todo momento a experiências que o levam a suprimir seus instintos, tarefa que não é fácil e nem sempre obtém êxito. Neste encontro temos a figura meio carismática e meio charlatã do líder religioso, que se auto denomina físico, médico, filósofo e afins, e do súdito genioso e de temperamento difícil a ser dominado. Esse é o desafio ao qual Dodd se lança: o de transformar Freddie em mais um cordeiro do seu rebanho.

É possível refletir que talvez grande parte da humanidade tenha a síndrome de cordeiro, ou seja, busca em algum mestre, seja um líder religioso, um partido político ou um autor de auto ajuda, uma direção para guiar suas vidas. Estamos sempre buscando o mestre, o guia, o guru, o terapeuta, a fórmula, o ideal a seguir e deixamos de investigar por nós mesmos. Quantas vezes ao dia seguimos nossos extintos e quantas vezes nos deixamos levar por conselhos, regras de conduta ou pelo lugar comum? Acredito que seja um ótimo exercício verificar o quanto nossa mente é livre e o quanto nos deixamos influenciar em nosso cotidiano, até que seja possível perceber que em incontáveis vezes existe um mestre por trás de nossos atos e ideias. "Navegador dos mares, vá para aquela latitude sem terra, e boa sorte. Se descobrir um modo de viver sem servir a um mestre, qualquer mestre, então avise-nos a todos."


Maíra F. Guimarães

Toma banho de chapéu, não espera o papai noel, porém discute Carlos Gardel, entre outros, além de ser uma metamorfose ambulante. Então vá, faça o que tu queres! .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Maíra F. Guimarães