pluralismos

Ser um e ser tantos. Olhar e explorar nossa própria imensidão.

Carol Abdelmassih

Estilista de formação, curiosa por opção e inquieta por natureza.

A insustentável leveza do ser : o estranho que me ajudou a me entender

O nome sempre me soou bonito de pronunciar, me evocava um farfalhar na alma que eu ainda não conseguia identificar o motivo. O livro chegou em minhas mãos através de uma grande amiga, e começamos a ler o mesmo exemplar em um fim de semana chuvoso: eu lia um pouco, e ela lia outro pouco, e assim íamos marcando as páginas do livro.


a insustentavel leveza de ser.jpg foto: Thatiana Passi

Sempre tive um apreço especial por frases de impacto, aquelas meio auto-ajuda, que como um soco no estomago, nocauteiam e conseguem alcançar em cheio seu ponto fraco. A Insustentável Leveza do Ser é isso para mim: a cada página, uma exposição de um fragmento da minha alma em uma prosa fácil, simples e bela ao mesmo tempo.

O Amor. O amor e toda a bagagem (positiva e negativa que ele traz) é o ponto crucial da história. O enredo é simples: quatro personagens, dois homens e duas mulheres, que em determinados pontos da trama se cruzam. Um triângulo amoroso, muitas traições e um amor perdido. Um prato cheio para uma história tipicamente “novela mexicana”, com muito drama, brigas e discussões; não é o caso dessa história. A trama amorosa é um plano de fundo para uma reflexão muito mais elaborada, muito mais existencial. É através do amor e seus desdobramentos que Milan Kundera busca penetrar no cerne das mais belas e pontuais questões da existência humana: “Quem sou eu?” “De que formas sou responsável por tudo que vivi?” “Sou capaz de trair a minha própria natureza, ir contra meus instintos?”.

Tomas é um médico tipicamente mulherengo, que após um divórcio agressivo, passa a se envolver apenas em relações superficiais e fugazes. Até que conhece Tereza, uma garçonete que por impulso vem a seu encontro em Praga após um breve contato. Nesse instante começa a principal história de amor do livro. Tereza sofre loucamente com as traições de Tomas, que por sua vez sofre por ver Tereza sofrer, mas não é capaz de parar com os encontros amorosos extraconjugais. Uma das personagens desses encontros amorosos é Sabina, uma artista ‘’libertina’’, que não se prende a valores morais e não vê problema algum em ter Tomas como amante. O quarto elemento da história é Franz, que em determinado ponto do enredo começa um caso com Sabina, que não tem mais nenhum tipo de ligação com Tomas.

Se pudéssemos simplificar a história, eu diria que Kundera buscou jogar com a dualidade da natureza feminina: o amor, a fragilidade, a “Madonna” é personificada em Tereza, enquanto a porção sexual, vibrante, ameaçadora, a “Medusa” é encarnada pelo personagem de Sabina.

Tomas é uma reflexão sobre como não podemos enganar e ir contra nossa própria natureza. O sexo é parte intrínseca do ser, necessidade básica e indiscutível. Tomas não consegue lidar com seus impulsos de necessidade, o que o faz sofrer, pois vê Tereza, objeto de seu AMOR definhar por conta disso.

Franz é a representação do amor masculino, do amor sonhador. Por mais que Sabina lhe tenha feito sofrer, é a ela que Franz dedica todos os passos de seu caminho. É um sonhador, idealizador e persistente. Repousa na persona de Franz o dom da esperança.

Ao longo de toda a história o autor lida com a questão das escolhas feitas, e como sempre saberemos apenas o resultado de UMA combinação de escolhas sucessórias. “Tomas repete para si mesmo o provérbio alemão: einmal ist keinmal, uma vez não conta, uma vez é nunca. Poder viver apenas uma vida é como não viver nunca.” Nossa vida nada mais é do que o resultado de acasos e escolhas que asfaltam nossa estrada, de forma orgânica e aleatória, fazendo nosso caminho se cruzar com outros incontáveis caminhos.

A Insustentável Leveza do Ser nada mais é do que o alcance da plena liberdade. Não ter com que se preocupar, não ter a quem dar satisfações, não ter nada que lhe prenda em lugar algum. Vemos então que o PESO, conceito considerado negativo a priori, é mais do que necessário, é indispensável para dar sentido à vida. Nossa história, nosso caminho, nossas relações são o fardo que carregamos, o nosso peso; sem história, sozinhos, nada somos. Somos tão leves e livres como uma pluma a planar nos céus. A natureza humana necessita de peso para estar consciente de sua própria existência.

E por que tudo isso me tocou de tal forma? Pois bem...li e reli o livro 3 vezes. Todos os dias abro em páginas aleatórias e leio trechos esparsos. Cada dia me emociono mais. Esse livro me fez perceber que carregamos dentro de nós cada um desses personagens: Sabina, Tomas, Tereza e Franz me compõem, cada um com um peso e medida, cada um à sua maneira. Somos um e somos tantos, que diversas vezes nos perdemos, e cada vez que releio o livro, reencontro um pedaço de mim.

"E, de novo, veio-lhe à cabeça uma idéia que já conhecemos: A vida humana só acontece uma vez e não poderemos jamais verificar qual seria a boa ou má decisão, porque, em todas as situações, só podemos decidir uma vez. Não nos é dada uma segunda, uma terceira, uma quarta vida para que possamos comparar decisões diferentes.(...)”


Carol Abdelmassih

Estilista de formação, curiosa por opção e inquieta por natureza..
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/artes e ideias// @destaque, @obvious //Carol Abdelmassih