poética prosa

por Manú Sena

Manú Sena

Cineasta em formação, é formada em Letras e professora de Literatura e artes.Gêmeos com ascendente em escorpião, vive num mundo particular feito de gatos, filmes,livros,músicas e um bom café

Berk öztürk: a poesia, a falta e tudo o que nos une

Para entender a obra do artista plástico turco de 24 anos, Berk öztürk, só precisamos deixar que o nosso coração fale. Dono de um traço forte e fundindo elementos como o amor, a morte e a solidão, este grande artista é capaz de nos fazer refletir sobre nós mesmos e nosso estar no mundo.

527627_10150765022613623_305475581_n.jpg

Nietzsche afirma em um dos seus livros que “temos a arte para que a verdade não nos destrua.” Mas o que Berk öztürk nos apresenta é justamente a via contrária, um choque de realidade que nos mostra o quanto a vida pode ser breve, dramática e incrivelmente dura. É como se através de suas gravuras ele quisesse chamar atenção para o fato de termos que aproveitar o hoje, o agora, pois o amanhã pode não existir, o amanhã pode nem chegar.

534513_10150765025388623_1307041926_n.jpg

553690_10150765025718623_672664581_n.jpg

Por isso o artista trabalha com duas grandes premissas: a morte representada por imagens poéticas ou cruas e a solidão, representada muitas vezes por uma figura extremamente recorrente em seus traços: os peixes, levando-nos a mais uma das possíveis leituras que a arte nos revela. Talvez os peixes apresentem exatamente essa idéia da fluidez da vida, essa inquietação que muitas vezes nos faz querer sair do nosso lugar de origem e buscar novos ares, novos amigos e novos quereres. Nesse grande oceano que é o mundo, vivemos à mercê da grande rede que fazemos, seja de amigos, de colegas de trabalho, de amores. Até mesmo nossa rede virtual é permeada por valores muitas vezes fugidios e frágeis.

530669_10150765022983623_1841710087_n.jpg

529266_10150765023118623_2297613_n.jpg

62487fc3d0de496b14f3876ecdec66ee.jpeg

Em dias em que o mundo tem se tornado cada vez mais hostil, se referir à morte de maneira tão crua e ao mesmo tempo tão poética, parece nos mostrar uma saída, pois enquanto houver a arte tudo se tornará mais leve, até mesmo a morte, essa senhora que mal conhecemos e da qual evitamos saber. A morte do corpo, a morte da alma ou até mesmo a morte dos sonhos ainda em vida. Tudo isso é mote para que o traço do artista nos promova essa revisitação ao fundo de nós mesmos, aos nossos dias de solitude e de vazio. Por que é no vazio que muitas vezes residem as respostas para os questionamentos que tanto nos fazemos ao longo da vida.

301739_10150765017963623_1278925393_n.jpg

 Afinal, no fim, o que restará de nós mesmos e dos nossos sonhos?

403900_10150765020488623_1976195311_n.jpg

Imagens retiradas da página do artista no facebook:E de suas galerias: Galeria 1 e Galeria 2

Manú Sena

Cineasta em formação, é formada em Letras e professora de Literatura e artes.Gêmeos com ascendente em escorpião, vive num mundo particular feito de gatos, filmes,livros,músicas e um bom café.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Manú Sena