poética prosa

por Manú Sena

Manú Sena

Cineasta em formação, é formada em Letras e professora de Literatura e artes.Gêmeos com ascendente em escorpião, vive num mundo particular feito de gatos, filmes,livros,músicas e um bom café

Ruby Sparks e a nossa busca diária pela perfeição

"O que procurava em todas essas mulheres? O que é que o atraía? O amor físico não é sempre a eterna repetição do mesmo?De forma nenhuma. Há sempre uma pequena percentagem de inimaginável. Quando via uma mulher vestida, embora, evidentemente, pudesse fazer mais ou menos uma ideia de como seria depois de despida, restava sempre um pequeno intervalo de inimaginável entre a inexatidão da ideia e a precisão da realidade."


Ruby-sparks-cover-locandina.jpg

Já pensou como seria a sua vida se você pudesse com o toque dos seus dedos em um teclado criar a história de amor mais perfeita que um dia você houvesse imaginado? E se essa história de amor fosse repleta de momentos com o par amoroso idealizado e ansiado por você durante toda a sua vida? Isso é que acontece com Calvin (Paul Dano), um escritor que depois do primeiro livro, percebe que não tem mais nenhuma ideia criativa o suficiente para sobrepujar a primeira. O que fazer, então, quando os dedos passeiam pelas teclas e o papel atrelado à elas continua vazio? O que fazer quando o mundo ao redor parece desmoronar e o vazio do papel parece saltar à mente e ao coração?

Ruby-2.jpg

Pressionado por seu irmão para arrumar uma nova namorada, depois do relacionamento anterior que terminou de maneira dolorida, Calvin se vê cada vez mais sozinho. Não é seu, aquele mundo de festas e diversão, assim como até o seu próprio cachorro ele não parece entender e conhecer. A solidão é algo maior, é uma companhia com a qual ele está acostumado a conviver. E é neste turbilhão de emoções que depois de uma sessão com seu psicólogo ele volta pra casa impelido a escrever e tem um sonho, onde encontra aquela que seria a namorada perfeita: Ruby Sparks (Zoe Kazan). Quem não gostaria de ver um sonho personificado na pessoa que desejamos ardentemente conhecer?

ruby_thumblr_th.jpg

O problema (Ou não) é que ao acordar no dia seguinte ao ter começado a escrever sobre Ruby, Calvin encontra uma mulher em sua casa que era exatamente como ele imaginou. Ruby estava viva e era de carne e osso, ainda que tivesse ganhado forma inicial na sua imaginação. E a partir desse ponto todas as situações mais malucas e engraçadas começam a acontecer na vida desse escritor que como um Deus, criou à imagem e semelhança de seus sonhos, uma mulher perfeita, seja porque o complementava de uma maneira que nenhuma outra complementou, ou seja justamente porque vinha de uma dimensão outra, um tempo-espaço em suspenso, que todos nós temos por mais que neguemos. Acredito que todo ser humano em algum momento da vida imaginou alguém que não existia e acreditou nessa imagem, fazendo com que o amor fosse uma equação matemática com resultado tácito e exato.

tumblr_me9xmfoh651qbwxizo1_500.png

"Meu deus","minha casa", "meu amor". Passamos a vida inteira a cantar o que é nosso, como se pudéssemos ter as nossas coisas para sempre.Muitas vezes na vida, ficamos entre o possuir e o ter, e não raro escolhemos a primeira opção; e acabamos repassando esse desejo de posse às pessoas com as quais convivemos, as quais um dia amamos ou viremos a amar. Essa parece ser a mensagem central deste filme de Jonathan Dayton e Valerie Faris: Sabermos que não podemos controlar o amor, e que ele, como sentimento fluido não se deixa tocar sem que paguemos um preço alto: estarmos dispostos a ver o seu fim. O amor não é perfeito, a vida não é perfeita, então porque as pessoas teriam que ser perfeitas? Não seria justo e não seria humano, pois somente aos deuses foi dada a maldição da perfeição. E digo isto porque ser perfeito é não sentir, é não sonhar e acima de tudo é não viver, porque tudo já foi conquistado.

Separar-se de quem um dia amamos é acima de tudo aceitar que nem sempre teremos o que queremos e que nem sempre as coisas acontecerão como desejamos. Mas é também aprender que sim,"Ninguém é de ninguém" e não poderemos nunca forçar alguém a nos amar como merecemos ou queremos.O amor meus caros,não aceita laços ou prisões.Antes,é ele,que nos amarra e aprisiona.Em suas cadeias e nós, é ele quem dita as regras, e nossa vida segue assim,entre um encontrar e um separar-se até que chegue o dia de não mais nos apartarmos,partes partidas que somos,de outras pessoas, de nossos pais, de nossas memórias...Um dia o amor verdadeiro chega, e mesmo sem ser perfeito nos comove e nos toma.

E fica. Como uma tatuagem.

Citação do topo do texto: Milan Kundera in “A insustentável leveza do ser”


Manú Sena

Cineasta em formação, é formada em Letras e professora de Literatura e artes.Gêmeos com ascendente em escorpião, vive num mundo particular feito de gatos, filmes,livros,músicas e um bom café.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/cinema// @destaque, @hplounge, @hp, @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Manú Sena