poética prosa

por Manú Sena

Manú Sena

Cineasta em formação, é formada em Letras e professora de Literatura e artes.Gêmeos com ascendente em escorpião, vive num mundo particular feito de gatos, filmes,livros,músicas e um bom café

Doida varrida

Descera a rua correndo como uma doida varrida, disseram os vizinhos. É que ela, a moça, precisava chegar a tempo de se encontrar com a chuva, que tinha começado fininha e agora no final da tarde parecia varrer com fúria todos os cantos da rua,daquela rua onde a moça morava há tantos anos.


summer_rain_by_sugarock99-d2y7w1c.jpg

Desde criança ela gostava de brincar por entre as poças dágua que a chuva deixava depois das visitas e era sempre o mesmo ritual: da janela de casa esperava a chuva tomar corpo e quando via que a festa estava no seu auge, por entre raios e trovões lá ia ela, correndo e descendo a rua, a brincar nos redemoinhos de vento, a sorrir com a água lambendo o seu corpo e tomando conta de tudo ao redor,das plantas, dos bichos escondidos nas árvores, das águas paradas que se juntavam à chuva que descia sem se preocupar ou se aperceber da realidade aqui de baixo. Em todos os momentos a chuva esteve presente.

No aniversário de sete anos quando quebrou um dente, aos treze anos no dia em que descobriu-se mulher e aos 22 quando pela primeira vez se entregou ao primeiro homem que amou.Em todos estes momentos a água vinha aos borbotões, companheira,se confundindo com seus cílios, cabelos e boca, deslizando por seu colo e umbigo, excitando,fundindo, ferindo,umidificando e acarinhando tudo o que ela tinha de melhor e de pior, que a chuva era também redenção e limpeza de dias ruins,de momentos vazios e escuros.

tumblr_kr54w00jde1qa6df0o1_500_large.jpg

A chuva para ela era mesmo assim, momento de encontro consigo mesma, sagrado oráculo onde ela guardava suas perguntas mais secretas e inquietantes. Para onde ela iria? O que faria da vida agora que ele a havia deixado? Por que o amor era então esta coisa oca e sem sentido, sentimento louco que acariciava tanto quando enlouquecia? Ah! que a chuva lambesse e tirasse dela tudo o que havia de ruim e que quando voltasse a encontrasse melhor,mais calma e mais sábia.

Bebendo a chuva! Colhendo a água! Encharcando-se de amor por si mesma e pela vida!Seguiria, sempre assim a moça, e quando os vizinhos a vissem passar e a chamassem de doida varrida, de certo a mesma não se importaria, pois ela era doida sim,completa e integralmente doida, alucinadamente doida pela vida, incrivelmente e absurdamente feliz.


Manú Sena

Cineasta em formação, é formada em Letras e professora de Literatura e artes.Gêmeos com ascendente em escorpião, vive num mundo particular feito de gatos, filmes,livros,músicas e um bom café.
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Manú Sena