polifonia sem fio

Percepção e Representação de Mundo

Aline Vaz

Doutoranda e Mestre em Comunicação e Linguagens, especialista em Cinema e graduada em Letras, pela Universidade Tuiuti do Paraná - pesquisadora no GP GRUDES - Desdobramentos Simbólicos do Espaço Urbano em Narrativas Audiovisuais gpgrudes.com

Sobre ficar em pedaços e a romantização do amor trágico

I'm Here (Spike Jonze; 2010) narra a história de Sheldon, um robô com uma vida solitariamente humana, que torna-se vulnerável e dependente, enquanto tenta salvar a namorada. Advertimos: Doe-se, mas mantenha-se inteiro.


imhere.jpg

Spike Jonze, diretor de Her (2013), filme em que o protagonista Theodore apaixona-se por um sistema operacional, em 2010 produziu o média-metragem de 30 minutos I’m Here, exibido no Sundance Film Festival. Sheldon leva um cotidiano tristemente humano, no lugar da cabeça carrega um gabinete de CPU e no fim do dia, ao chegar em casa, precisa ser carregado na tomada, assim como quando dormimos precisamos carregar nossas energias (e a bateria do celular).

Nitidamente tímido e sozinho o robô com uma vida humana apaixona-se. A robô imprudente machuca-se no primeiro encontro e é cuidada por Sheldon. O que poderia ser um incidente, torna-se um hábito. Tentando cuidar da namorada, Sheldon perde um pouco de si todos os dias.

im-here.png

Precisamos nos doar, mas devemos cuidar dos excessos do coração eufórico, perceber que está se perdendo e que se perder para encontrar-se nem sempre é uma boa alternativa. Sabemos que as histórias de amores tristes são as preferidas, mas não queira ser Romeu nem Julieta, isso é uma tragédia.

Apoiar o seu companheiro não é deixar de ser você. Morrer de amor e continuar vivo só é bonito em poesia. Quando Sheldon quer ajudar a namorada torna-se depende, quanto mais ele faz parte dela, mais vulneráveis eles tornam-se. Sim, o amor tem dessas coisas, mas é preciso cuidar dos exageros e enxergar as pedras no caminho. O robô apaixonado não mede esforços para manter a namorada bem, mas assim, cria uma relação de dependência e gratidão e isso também não é uma linda história de amor. Ajude o seu parceiro a encarar as dificuldades, não troque o problema de lugar.


Aline Vaz

Doutoranda e Mestre em Comunicação e Linguagens, especialista em Cinema e graduada em Letras, pela Universidade Tuiuti do Paraná - pesquisadora no GP GRUDES - Desdobramentos Simbólicos do Espaço Urbano em Narrativas Audiovisuais gpgrudes.com.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Aline Vaz