polimorfismo cultural

A cultura transposta num polimorfismo de subversão cognitiva... pare, leia e transcenda!

Leandro Godoy

Sou o criador, editor chefe e escritor do site Cinema e Fúria. Gosto dos mais malucos exploitations, aos cultuados filmes de arte até ao mainstream do cinemão pipoca. Meus outros interesses são: odontologia, literatura e música.

Ms. 45: uma brutal vingança

Este filme é uma ode às femme fatales, a vingança das mulheres que estão saturadas de serem tratadas como objeto em nossa sociedade machista e que sofrem abusos ou várias propostas indecentes de patrões, amigos e até familiares.


ms451981.jpg

Calma, não estou dizendo que o morticínio é algo que deve ser feito nestas situações de subjugação da mulher assim como é retratado no filme, mas aqui a ficção dá lugar a realidade, uma das mágicas do cinema é você ver personificado aquilo que o seu senso comum e moralidade não o deixa levar a prática, esta é uma das vantagens da arte na sociedade, ela faz com o que as pessoas comuns e psicologicamente normais não cometam algo de que irão se arrepender depois, ela serve às vezes como válvula de escape das frustrações causadas pela vida mundana.

O filme de 1981 dirigido pelo o controverso Abel Ferrara é polêmico pois ele foca nas angustias de uma linda modelo com afasia (ausência da fala) que é constantemente assediada, até que um dia ela é estrupada repetidas vezes, então num ataque de selvageria e fúria ela assassina seu algoz, e então, empunhado uma pistola 45, ela começa um genocídio sistemático de todo o sexo masculino. O filme mostra a metamorfose de uma mulher fraca e solitária numa verdadeira psicopata.

ms.jpg

O filme é uma metáfora do papel da mulher numa sociedade machista, onde a sua beleza é algo imprescindível para seu crescimento profissional e social e sua inteligencia é algo efêmero que pode ser descartada e negligenciada. Como quase todos os filmes exploitation feito nesta época a mulher quase sempre é uma mortífera assassina que se rebela contra as injustiças e a violência que brutalmente perverte a sua integridade física e moral, que na maioria das vezes é causado por homens degenerados.

A modelo femme fatale é interpretada por competência pela bela Zoë Lund (1962 - 1999), ela consegue nos convencer de que uma tímida e pacata mulher pode se transformar numa assassina com um desejo de vingança insano. O filme é tenso, com uma atmosfera carregada por uma trilha sonora angustiante e genial, por fim, este é um filme sensacional dirigido pelo o mestre Abel Ferrara, um filme bastante parecido com uma outra produção do diretor, que também foca em seres humanos que buscam na violência gratuita uma forma de vingança por uma vida de humilhações sofridas numa sociedade onde o diferente não é tolerável, O Assassino da Furadeira de 1979.

Trailer:

Esta resenha faz parte do TOP 101 GRINDHOUSE PROJECT que estou realizando no meu blog CINEMA E FÚRIA. Confiram!


Leandro Godoy

Sou o criador, editor chefe e escritor do site Cinema e Fúria. Gosto dos mais malucos exploitations, aos cultuados filmes de arte até ao mainstream do cinemão pipoca. Meus outros interesses são: odontologia, literatura e música..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @destaque, @obvious //Leandro Godoy