por trás do espelho

reflexões involuntárias

Eli Boscatto

Formada em Ciências Políticas e Sociais, curiosa, inquieta, adora se emocionar. Pretensa poeta.

Quando Akira Kurosawa encontra Van Gogh



samurai6.jpg No filme Sonhos de Akira Kurosawa, a dimensão da obra de Van Gogh é uma das histórias. O cineasta encontra Van Gogh em sua obra através do personagem vivido por Martin Scorsese. O filme se baseia mais em imagens que no diálogo e foi exibido entre os filmes fora de competição no Festival de Cannes de 1990. No filme um estudante de artes entra nos quadros do pintor e tenta seguir seus passos e acaba por tomar algumas lições, e termina por perdê-lo no meio dos trigais do quadro Campo de Trigo com Corvos.

Este é um filme arrebatador, mas para assistir com calma prestando atenção nas sutilezas das imagens. Suas poucas frases dizem muito. A obra Campo de Trigo é considerada derradeira, logo depois ele morreria segundo consta cometendo suicídio.

Van Gogh foi considerado louco pois todo mundo se lembra dele porque teria cortado sua própria orelha. Mas pouco importa se era louco ou como ele morreu, afinal sua loucura tinha implícita uma lucidez criativa que o sobrepunha. As cores e os traçados das suas pinturas fazem o olhar delirar, especialmente quando ele pintava a natureza, os campos e o céu.

Na obra Campo de Trigo com Corvos parece mesmo que ele flertava com a morte. Entre o amarelo dos trigais e o azul do céu; três caminhos, um sem saída e dois que levavam ao desconhecido, e a revoada de corvos, os mensageiros. A vida representada nas cores fortes e alegres dos trigais e do céu, o desconhecido e a morte nas cores mais escuras, e a fusão de Van Gogh nessa paisagem.

Porém a lição da obra de Van Gogh não é de forma alguma a desistência da vida, pelo contrário, se a morte é certa, devemos contemplar e celebrar a vida justamente porque ela é finita, e nesse contexto maior, o que importava uma "orelha"?

A morte é assustadora, um assunto tabu principalmente no ocidente, queremos esquecer que começamos a morrer assim que nascemos. A finitude nos angustia e passamos a vida tentando nos eternizar de alguma forma, através dos princípios da ciência, das religiões ou da arte. Não é sem razão quando alguém disse que “a arte existe porque a vida não basta”. O eterno antagonismo entre Eros, o deus grego do amor que representa a vida e Tanatos, o deus da morte, duas forças contraditórias buscando se conciliar.

Van Gogh mostra ao estudante de artes onde ele poderia encontrar inspiração.

A pintura deve ser uma poesia muda e a poesia uma pintura que fale. (Plutarco)

Eli Boscatto

Formada em Ciências Políticas e Sociais, curiosa, inquieta, adora se emocionar. Pretensa poeta..
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
v1/s
 
Site Meter