por trás do espelho

reflexões involuntárias

Eli Boscatto

Formada em Ciências Políticas e Sociais, curiosa, inquieta, adora se emocionar. Pretensa poeta.

O Brasil e o "complexo de vira-lata"

Este é um momento muito instigante para reflexões, quando os ânimos estão inflamados entre os que são contra e os que são a favor a Copa do Mundo no Brasil.


622_4a5313ff-090d-3202-af04-8e17c90ce628.jpg

Entre os que são radicalmente contra a Copa, é interessante notar que perceberam um pouco tarde que o país iria sediar um evento caríssimo, tendo outras prioridades como saúde e educação, sem falar em nossa tradição em superfaturar obras, em não cumprir prazos, etc.. O resultado portanto, não era tão difícil de prever. Mas ninguém se manifestou contra lá atrás quando o Brasil foi sorteado pela Fifa, parece até que a maioria ficou feliz. Já entre os que são fervorosamente a favor, já se ouve até a repetição daquela expressão criada por Nelson Rodrigues, “complexo de vira-lata”, para se referir aos que são contra e ficam gritando que não vai ter copa e vão até se vestir de preto em sinal de protesto. A expressão também serviria para os pessimistas que não acreditam no Brasil e só veem defeitos, como se outros países não os tivessem.

Os outros países têm sim defeitos e nós temos um certo mau costume de copiar o que eles têm de ruim. Vivemos de fato em uma terra privilegiada, fértil, com uma natureza rica, com poucas catástrofes naturais, e um povo tido como hospitaleiro. Mas então me ocorreu uma dúvida: será que não somos assim tão “hospitaleiros” justamente por causa do tal “complexo de vira-lata”? Achamos os estrangeiros o máximo, já os próprios conterrâneos!

RTEmagicC_tremapertado.jpg.jpg Transporte público em horário do rush

Em épocas de disputa, sejam elas esportivas ou bélicas, são comuns os discursos patrióticos. Isto faz lembrar um antigo jargão de um regime de governo ainda recente: “Brasil, ame-o ou deixe-o”. Vou ser repetitiva, mas sabemos que o país foi colonizado para que daqui se retirassem suas riquezas, o objetivo a princípio não era criar raízes, e nada mudou tanto assim desde então. Quinze por cento só da floresta Amazônica já foi desmatada, as estradas federais são péssimas, o transporte público é um caos, os portos e ferrovias são deficientes, a burocracia é ainda um monstro lento e pesado que emperra e encarece tudo em plena era da informatização, a dívida pública bate recorde de 2 trilhões, os impostos são altos e os serviços públicos ruins. Não podemos negar que o Brasil teve avanços científicos e tecnológicos mas como quase tudo, é prejudicado por um emaranhado de interesses políticos, faltam investimentos em pesquisas, falta ensino técnico suficiente de qualidade.

84059.jpg Situação das estradas federais

Bom, da minha parte eu sempre “torço” pelo Brasil, mas acho natural oferecer e exigir pagamento de propina para apressar ou liberar um documento irregular ou escapar da lei, acho normal dificultar a vida de outro cidadão em meu benefício, devastar a natureza e explorar até mesmo meu compatriota para obter lucro, lesar o consumidor nas promoções, sonegar imposto e mesmo assim repassar o valor para meu produto. Temos uma lógica própria: se me roubam, por que também não vou roubar? Por que também não vou tirar vantagem do jeito que eu puder? Mas o problema não sou eu, são “eles” os “outros”, eu sou caloroso, hospitaleiro, quero o melhor para o Brasil.

exemplo-de-burocracia-em-Sao-Paulo-size-598.jpg Exemplo de burocracia

É comum se ouvir dizer que nossos ídolos do esporte - aqueles que são idolatrados, porque o esporte também tem seus heróis anônimos do cotidiano - são os únicos motivos de orgulho do nosso país. Únicos? Será que estamos carentes de motivos para se orgulhar? Será esse também um sintoma do complexo de vira-latismo? Parece que também temos uma psique bem original: ora sofremos do “complexo de vira-lata”, ora do “complexo de Alice”, uma referência a obra Alice no País das Maravilhas (sem a intenção de desmerecer este clássico da literatura).

codigoflorestal.jpg Foto de satélite de área desmatada


Eli Boscatto

Formada em Ciências Políticas e Sociais, curiosa, inquieta, adora se emocionar. Pretensa poeta..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Eli Boscatto