por uma linha que caiba

Rabiscos aleatórios daquilo que a rotina não sustenta

Priscila Pasko

Priscila Pasko é jornalista. Ainda não tem uma opinião formada sobre a sua pessoa, mas tem certeza de que se puder escrever será alguém feliz.

Autorretrato da gula: a comida no espaço privado

É o alimento que se transforma em válvula de escape, oportunizando à mulher momentos de um prazer que ela julga merecer, porém, não compartilhar


Lemon Meringue_ Lee Price.jpg Lemon Meringue

É protegida pelas paredes do banheiro ou do quarto que a modelo da pintura degusta, experimenta, devora a comida que lhe satisfaz. O alimento preenche o vazio, afaga a angústia e acalma a ansiedade. Ou apenas satisfaz um prazer negado à exposição.

Na obra da americana Lee Price, as pinturas realistas feitas com tinta a óleo usam como cenário espaços privados que ofertam a solidão necessária para que a gula compulsiva se manifeste de forma autêntica e sem julgamentos. Sigilo para a falta de controle.

Jelly Doughnuts_Lee Price.jpg Jelly Doughnuts

Ice CreamII_Lee Price.jpg Ice Cream II

Snack_Lee Price.jpg Snack

Price conta em uma entrevista que o uso das imagens feitas de cima pode ser traduzido como uma espécie de voyeurismo: a mulher olhando para si mesma, observando-se no ato do comportamento compulsivo, “sendo completamente consciente do que está fazendo, mas incapaz de parar.”

A cama, a banheira e o chão servem de mesa para o deleite frenético de tortas, cupcakes, sorvete, chás, cereais, biscoitos e fast food. Ali, eles são consumidos à exaustão. Como resultado de tal postura, na maioria das obras, não é possível enxergar o rosto das mulheres, traduzido como um reflexo da vergonha em suas ações.

Blueberry PancakesII_Lee Price.jpg Blueberry Pancakes II

Price pinta a relação de mulheres e comida há mais de 20 anos. Diz que deseja mostrar que a compulsão distrai o indivíduo de estar presente, que apaga a serenidade. O alívio instantâneo não permanece e os sentimentos desconfortáveis não são abandonados. Ainda sobre a temática abordada em sua obra, a artista explica que, muitas vezes, preocupadas com os anseios alheios, as mulheres escondem o seu apetite, que, posteriormente, rompe os limites da comida. Contudo, é o alimento que se transforma em válvula de escape, oportunizando à mulher momentos de um prazer que ela julga merecer, porém, não compartilhar.

Asleep_Lee Price.jpg Asleep


Priscila Pasko

Priscila Pasko é jornalista. Ainda não tem uma opinião formada sobre a sua pessoa, mas tem certeza de que se puder escrever será alguém feliz..
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/fotografia// @obvious, @obvioushp, eros //Priscila Pasko
Site Meter