progressão

"Welcome back my friends to the show that never ends"

Paola Domingues

"Seja ela, a liberdade, com todas as suas formas descritas, a mais válida talvez seja a música, que ultrapassa o tempo e o espaço, as dimensões e o raciocínio, penetra e expande para onde quer que você decida estar".

As palavras de um rio sem fim

Aproximadamente três meses. Esse foi o tempo que demorei para absorver toda a alquimia deste disco que na minha opinião, encerra a ideologia Pink Floyd de maneira espetacular. Vem conferir!


Lançado em novembro de 2014, o álbum The Endless River encheu os corações de muitos fãs e decepcionou alguns. Isso porque estamos nos deparando com um trabalho excepcional, resgatado e trabalhado após vinte anos do último e memorável disco: The Division Bell (1994).

The-Endless-River.jpg

Fui imensamente gratificada com este presente em seu lançamento no último novembro, o qual, juntamente com este disco veio um encarte e uma dúzia de emoções que meu peito não permitiria descrever a vocês neste momento. Receber um disco do Pink Floyd, para mim é mais que uma prova de amor...

Com muito cuidado, ao longo desses meses, ouvi, reouvi e li alguns artigos que trata sobre o assunto. Silenciosamente, fui buscando informações que valessem a pena observar, pois na realidade só existe um motivo pelo qual sou tão fã do trabalho desses músicos: a emoção que é transmitida, que dá frio no estomago e arrepia.

WORDS UNSAID....PALAVRAS NÃO DITAS

Ouvi diversas opiniões frustradas sobre o fato desse disco ser basicamente instrumental. Um trabalho provindo do Division Bell era no mínimo aguardado com algumas faixas recheadas de timbres e voz de Gilmour, o que não ocorreu, com exceção da faixa "Louder than Words". O que muitos não sacaram é que essa é a proposta do álbum: as palavras DITAS ou NÃO DITAS, são exatamente o foco principal do disco.

Observem no inicio do disco, na faixa "Things Left Unsaid" onde temos uma espécie de diálogo que ecoa a princípio com a voz de Richard:

"We certainly have an unspoken understanding... But a lot of things unsaid as well" "Nós certamente temos um entendimento daquilo que não foi dito... Mas também há muitas coisas que não foram ditas"

Depois Gilmour opina: "Well we shout and argue and fight and work it on out" "Bem, nós gritamos e discutimos e lutamos para irmos adiante"

E finaliza-se com a conclusão de Mason: "The sum is greater than the parts" "A soma é melhor que as partes"

Três fortíssimas evidências sobre a real proposta do disco: O entendimento alcançado pela Banda até os dias atuais - e o entendimento ainda não alcançado, o trabalho justificável para manter o nome Pink Floyd e a conclusão que juntos eles são sempre melhores. Estas três afirmações apresentadas de forma sútil logo no inicio do álbum é na realidade o grande "boom" nas cabeças que esperaram por vinte anos alguma declaração.

O trabalho prossegue com um elo entre uma música e outra. Nas especulações sobre o novo disco, Gilmour afirma que não é um disco para ouvir faixas separadas. É entende-lo como um todo. Característica aliás que também dá continuidade à proposta dos artistas: trazer a essência do verdadeiro Pink Floyd à tona. Muitos fãs na realidade sentiam falta exatamente dessa proposta musical progressiva, bem como os discos de sucesso e que caracterizaram o trabalho da banda como "Atom Heart Mother", "Ummagumma", "Meddle", entre outros.

Outra proposta anunciada - mas acredito que para muitos não compreendida -, é a homenagem dos artistas à Richard Wright. Que homenagem seria mais válida que "deixar falar" seu instrumento que ecoa de forma esplendida em todo o disco? Inclusive se observar as primeiras faixas, o teclado de Rick comanda todo o trabalho. Mason ainda afirma o tributo a Wright, falecido em 2008, em uma de suas declarações: "Eu acredito que essa gravação é uma ótima maneira de o fazer ser reconhecido pelo tanto que ele fez, e como seu estilo de tocar foi o coração do Pink Floyd. Voltando a ouvir as gravações, ele realmente me fez ver o quanto ele era um músico especial".

Mais uma importante participação e herança do trabalho iniciado em Division Bell é a participação da voz de Stephen Hawking em uma das faixas do The Endless River. O texto, extraído de um comercial que Hawking produziu para British Telecom, exprime um amontoado de ideias sobre a evolução da comunicação através da tecnologia. Qual se não melhor personagem para dar testemunho dessa importância se não Stephen Hawking, renomado astrofísico que por suas condições de saúde, somente consegue transmitir seu conhecimento através da tecnologia que lhe permite a palavra? No entanto, diferentemente do Division Bell, Hawking tem a palavra.

Speech has allowed the communication of ideas O discurso tem permitido a comunicação das ideias Enabling human beings to work together Possibilitando o trabalho coletivo da humanidade To build the impossible Para construir o impossivel Mankind's greatest achievements Gerando grandes conquistas à humanidade Have come about by talking Que só poderiam vim pela fala And its greatest failures by not talking E grandes falhas por não conversarmos Our greatest hopes could become reality in the future Nossas grandes esperanças podem estar na realidade do futuro With the technology at our disposal Com a tecnologia que temos à disposição The possibilities are unbounded All we need to do is make sure we keep talking As possibilidades são ilimitadas Tudo o que precisamos fazer é nos certificar que continuaremos a nos falarmos

Outras "pistas" que pude perceber nesse disco sobre a evidência das palavras e a busca pela essência da época de Ouro da banda são os próprios títulos: "Things Left Unsaid", "The lost Art of Conversation", "Calling" e "Talkin' Hawkin'" são títulos que nos remetem a importância da fala, comunicação, do diÁlogo, finalizada com a comprensão da música "Lounder than Words". O título "Autumn'68" me chamou a atenção por sugerir uma transição, uma passagem, uma mudança de estação ao famoso título da música "Summer'68" do disco Atom Heart Mother, composta por Gilmour.

E perceptível o cuidadoso trabalho do Pink Floyd em buscar sua essência que como um quadro, uma obra de arte, nos convida a encontrar em cada detalhe, as características que fizeram essa banda ser única.

Para finalizar, falarei da música que imprime o desfecho da banda: Louder Than Words, Mais alto que as palavras. Fazendo a ligação com as palavras iniciais de cada integrante no inicio do disco, esta música descreve toda a vontade, todo o sentimento de um musico por sua profissão, ao meu entendimento. Mais alto que as palavras, a importância da soma de cada integrante de uma banda, mais alto que as palavras é a alma de cada um que pulsa em cada execução. Eles estão por décadas juntos, brigando e reclamando, e sim, poderiam estar em suas casas confortáveis, mas preferem a estrada, porque aceitam o desafio de transmitir esse sentimento.

A Banda Pink Floyd transmitiu em seu último trabalho, The Endless River, que mais alto que qualquer palavra, o mais importante é a essa essência que vai reverberar por muitas outras décadas, por muitas outras gerações.

Amém!

the_endless_river_by_ezek19-d826qyf.jpg

FONTE VEJA WISHPLASH WIKIPEDIA


Paola Domingues

"Seja ela, a liberdade, com todas as suas formas descritas, a mais válida talvez seja a música, que ultrapassa o tempo e o espaço, as dimensões e o raciocínio, penetra e expande para onde quer que você decida estar"..
Saiba como escrever na obvious.
version 28/s/musica// @obvious, @obvioushp //Paola Domingues