Larissa Paes

''eu sou um blefe''

A arte das crianças palestinas da Faixa de Gaza

As crianças palestinas se utilizam da arte como forma de resistência simbólica em face de uma realidade massacrante.


palestina2.jpg

Se expressando por imagens, por desenhos, estas crianças ecoam o conflito vivido naquela região não de modo sutil, mas de modo visceral, brutal. E este aspecto impacta por fazer perceber as angustias emergidas em imagens com cores tão fortemente vibrantes e que mostram situações desoladoras. O olhar das crianças com infâncias devastadas e refletidas nos desenhos evidenciam a opressão feita pelo exército de Israel e seus aliados.

exer is.jpg

A linguagem evocada por estes pequenos palestinos é a única que consegue carregar todo o sofrimento que transpassa gerações de modo tão singelo e pungente. Mas a percepção infantil, de modo geral, é permeada de silêncios, no sentido destes pequeninhos serem invisíveis, ou seja, suas dores serem subjugadas diante da dimensão de tais impasses. E isto ‘’valida’’ ainda mais a difusão de tais microcosmos; os silêncios dando lugar a esbravejos retumbantes. Os gritos que ensurdecem qualquer pessoa com o mínimo de sensibilidade acerca da situação mais complexa e insolúvel do oriente. Acolher estes desesperos e refletir sobre as perspectivas tão cruas das crianças, mesmo sabendo de tais verdades, é se abrir para uma consciência militante no tocante às discussões, debates pertinentes para responder o afeto (em sentido amplo) proporcionado pelo apelo de socorro das crianças palestinas, corrompidas pelos golpes duros que os meandros da arquitetura da violência geram.

israel.jpg

caos.jpg

É sabido do estrondo do confronto Israel-Palestina (judeus-árabes) que assola o contexto internacional desde tempos remotos. A sinuosidade do conflito se ergue atualmente pela ‘’encurralada’’ de Israel ao povo palestino de Gaza; deixando palestinos refugiados, em situações precárias, e com forte cerco acerca de qualquer bravura fora dos limites impostos (como consequência, por vezes, de prisões indevidas, com aspecto arbitrário; senão forem mortos). O poderio de Israel, pós-segunda guerra, se estabeleceu agressivamente. E com uma conjuntura econômica e territorial frutífera, os aliados de Israel se fincam pelos interesses político-econômicos, como os Estados Unidos. A ajuda bélica que Israel recebe para dominar o povo palestino que se enfraqueceram, dentre outros aspectos, pela luta interna de grupos radicais, é assustadora. E o que as crianças palestinas ressoaram no papel é a sintetização destas conjecturas subjugadoras.

occup.jpg

O fato que embalou estes desenhos e fez com que tivessem uma repercussão forte, foi o cancelamento da exposição destas imagens. Assim, faz-se necessário expor as prerrogativas para tal ato de censura: A Aliança do Oriente Médio para a Infância (MECA), em 2012, associou-se ao Museu de Arte para Crianças em Oakland (MOCHA), nos EUA, para uma exposição da perspectiva infantil da situação do povo palestino materializado em desenhos. Mas pela imposição de organizações Pró- Israel (em São Francisco), o responsável pela diretoria do museu decidiu recuar, pois mostrar os atos violentos exercidos também pelos EUA é impactante demais para parte dos norte-americanos suporta, já que tem como atenuante das atitudes os traços assombrosos das crianças palestinas.

eua.jpg

Dentre outras consequências evitáveis com a censura está a não emersão de desenhos feitos por crianças do Afeganistão e Iraque. A diretora do MECA, Barbara Lupin, não ficou calada ante tal grau de cerceamento, pronunciando-se de forma provocativa: "Mas quem ganha com isso? (...) nossa liberdade perde, as crianças de Gaza perdem. Os únicos ganhadores aqui são os que gastam milhões de dólares para censurar toda crítica a Israel e o silenciamento das vozes das crianças que vivem todos os dias sob o cerco militar e com a ocupação",

Os desenhos, desta forma, se articulam numa torturante expressividade, pois como a realidade é inaudita, o único meio de se tanger o que se vive é pela arte.

censura.jpg


Larissa Paes

''eu sou um blefe''.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/artes e ideias// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Larissa Paes