proparoxítonas

Todas são acentuadas

Jéssica Parizotto

jéssica parizotto é uma proparoxítona, interessa-se por haicais, músicas pouco conhecidas e jogo de palavras. Queria voar de balão, mas tem medo de altura.

(A)Versão Brasileira


O Brasil é o país da diversidade. A música que se faz no sul não é a mesma que se ouve no nordeste que é diferente do som do norte que... Enfim, a nossa mistura de etnias, credos e outros balangandãs gera boa música em todos os cantos dos nossos 8.515.767,049 km².

Instrumentos_choro.jpg Instrumentos do choro brasileiro

Além da quantidade imensa de boa música que temos aqui na nossa pátria-mãe-gentil, ainda importamos toneladas de canções do mundo afora. Mas, nada disso é suficiente para nós, mestres da criatividade. Não basta ter a canção original em inglês, italiano, russo, ou malaio, precisamos “aportuguesar” ou pior, “abrasileirar” sua letra e tornar a original simplesmente impossível de se ouvir sem cantarolar o refrão na língua de Camões.

Eis alguns exemplos de músicas que receberam versões brasileiras das quais não podemos nos livrar:

1. David Bowie - Starman

Quem consegue ouvir a essa música sem cantar: Sempre estar lá \E ver ele voltar \Não era mais o mesmo\ Mas estava em seu lugar?... refrão da versão brasileira "Astronauta de Mármore" da banda Nenhum de Nós.

2. No woman no cry - Bob Marley

Gilberto Gil fez sua própria versão de "Woman no Cry" e criou um dos versos mais chicletes da música brasileira: Tudo, tudo, tudo vai dar pé! Tudo, tudo, tudo vai dar pé \ Tudo, tudo, tudo vai dar pé! Tudo, tudo, tudo vai dar pé...

3. Knockin'on Heaven's Door - Bob Dylan

Sim, pobre Dylan, além de aguentar as versões de Guns N'Roses e Avril Lavigne, recebeu uma versão "abrasileirada" que diz: bate, bate, bate na porta do céu e o pior, na voz sombria de Zé Ramalho.

E essas não chegam nem perto de algumas pérolas da nossa cultura como "Imortal" de Sandy & Junior e "Festa no Apê" do Latino.Mas, respire aliviado leitor, nem todas as versões são ruins, algumas nos salvam do sentimento de vergonha alheia. Então, para terminar o post com o mínimo de orgulho nacional:

4. Patches - Clarence Carter

Essa é versão original de um clássico dos áureos tempos dos Titãs:

Enfim, viva a brasilidade!


Jéssica Parizotto

jéssica parizotto é uma proparoxítona, interessa-se por haicais, músicas pouco conhecidas e jogo de palavras. Queria voar de balão, mas tem medo de altura..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/// //Jéssica Parizotto