Débora Marx

Estudante de jornalismo. Espera um dia achar-se na vida e perder-se nas palavras...

Os clichês nordestinos no cinema nacional

Já percebeu que pro cinema só exitem, praticamente, 3 tipos de nordestinos? Aquele “sabido” que enrola os outros, que carece de honestidade. O "engraçadinho", matuto, que faz piada das desgraças o tempo todo e o "cangaceiro" que sempre quer matar alguém com a peixeira. O mais intrigante é que consumimos essa verdade “oficializada” da região e, não questionamos até quando os filmes vão vomitar seus clichês em nós reforçando essa visão deturpada em todo o país.


obvious.jpg

Cactos, solo rachado, mandacarus, homens e mulheres pobres, falta d’agua , seca... Esses são só alguns dos inúmeros estereótipos que rondam o nordeste brasileiro no cinema atual. Parece-me, que os diretores, produtores e roteiristas não veem graça em abordar um nordeste que cresce, se transforma e se inova.

Acontece, que a indústria de cinema atual- me refiro às grandes produtoras- preferem ficar presas ao nordeste miserável e seco cantado por Luiz Gonzaga, à visão de Potinari em suas telas e , até mesmo, às colocações e retratações de Graciliano Ramos. O passado acaba desabando no nosso presente e determinando o nosso futuro. Infelizmente.

Por esta razão, as subjetividades, as possibilidades e as multiplicidades de todo um povo são anuladas em prol de um visão equivocada sobre uma falsa semelhança entre todos os indivíduos.

Dessa forma, as obras cinematográficas levam para o Brasil um olhar ainda pertencente ao passado e reforçam o clichê de um povo miserável, sem instrução, violento e ,essencialmente, pobre . Assim, presenciamos há décadas uma repetição incansável dos mesmos padrões e estereótipos acerca de uma região. Como se independente de haver litoral, brejo e agreste o nordeste continuasse sendo seca em sua totalidade.

Grande percentual dessa visão vem do Movimento Modernista e do Regionalismo que influenciou os cinemanovistas e vendeu essa ideia para o país na década de 20. Vê-se que hoje, vender pobreza, sofrimento, e dor ainda rendem alguns tostões. Afinal, qual seria a graça de mostrar um nordeste que cresce? De mostrar estudantes premiados na área da tecnologia e da computação? De falar de pessoas instruídas, letradas e que fazem a diferença em suas áreas de atuação? Não, não, não... Nordeste bom é nordeste onde o povo passa fome! Onde as mulheres ficam a bordar suas toalhinhas em casa e os homens ainda andam de jumento - senhores roteiristas, as indústrias automobilísticas chegaram aqui faz tempo! Desenrolem pelo menos um celtinha para os protagonistas-.

Já percebeu que pro cinema só exitem, praticamente, 3 tipos de nordestinos? Aquele “sabido” que enrola os outros, que carece de honestidade. O "engraçadinho", matuto, que faz piada das desgraças o tempo todo e o "cangaceiro" que sempre quer matar alguém com a peixeira. O mais intrigante é que consumimos essa verdade “oficializada” da região e, não questionamos até quando os filmes vão vomitar seus clichês em nós reforçando essa visão deturpada em todo o país.

Como diz Durval Muniz, grande estudioso da área, esse discurso sobre nós “é uma voz arrogante que se dá o direito de dizer o que é o outro em poucas palavras, o estereótipo nasce de uma caracterização grosseira e indiscriminada do grupo estranho”.

No fim, sabemos a importância de cada artista, que em sua área, falou do nordeste e expôs uma realidade da época, que retratou o então homem sofredor sertanejo... Sabemos que de fato essa situação existiu, talvez ainda exista (dada as reais proporções). O que queremos não é desvalidar as obras passadas, mas questionar até quando só haverá isso para se mostrar de uma região tão rica culturalmente. Até quando?


Débora Marx

Estudante de jornalismo. Espera um dia achar-se na vida e perder-se nas palavras....
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Débora Marx