prótese técnica

Sobre extensões do homem e outras histórias

Gabriel Silva Farias

Gabriel Farias, 21, é estudante de Ciências & Humanidades na Universidade Federal do ABC. Escreve sobre cultura, tecnologia e sociedade.

Tecnologia para entender o mundo

Artefatos tecnológicos deram ao homem a capacidade de compreender, medir e prever fenômenos da natureza. Da mesma forma, prestam sua contribuição em favor do envolvimento em questões políticas e sociais.


Brasilia_National_Congress.JPG

2014. Os radares meteorológicos são capazes de realizar previsões sobre fenômenos com uma precisão apreciável. Sistemas de posicionamento global há muito deixaram de ser artefato restrito aos círculos militares – embutidos em smartphones ou no painel de veículos automotores, aparelhos de GPS prestam sua contribuição ao homem em tarefas triviais como trafegar por uma vila desconhecida ou traçar uma rota a um endereço distante. Redes de telecomunicações, por seu turno, encurtaram distâncias no mapa, como que pela ironia de repetir Gilberto Gil: se nosso mundo é muito grande, é só porque Terra é pequena.

Ainda que voltados a diferentes finalidades, não demanda muito tempo ou esforço encontrar o traço comum a todos esses artefatos: são expressões da tecnologia que provocam uma profunda alteração na percepção e no relacionamento entre o homem e o ambiente que o cerca. Frutos da aliança entre a ciência e a técnica, transformam-se em verdadeiros pontos de inflexão no curso dos fatos, dividindo a história humana entre antes deles e depois dos mesmos. Torna-se extremamente difícil, então, conceber um cenário sem as facilidades que proporcionam – ou você conseguiria imaginar prontamente um mundo sem telefone e internet?

Se possibilita ao homem a compreensão de fenômenos e a superação de barreiras naturais, a tecnologia também permite um maior envolvimento com questões sociais e políticas. A internet é um ótimo exemplo: dando voz a occupiers e indignados a defender diferentes causas e bandeiras, a ferramenta se apresenta como ponto de encontro para as diferenças e ponto de confluência para as semelhanças, disponibilizando o espaço necessário para que o debate político seja livre e a estrutura informacional para que seja fértil. Dessa forma, contribui para a formulação e expressão de gostos e preferências, condições imprescindíveis para a existência de um ambiente democrático.

Formular preferências, todavia, não é uma tarefa trivial. Em uma sociedade fortemente caracterizada pela abundância do recurso informação – provenha ela de jornais, revistas, redes televisivas, blogs ou portais de notícia – confrontar dados e selecionar aquilo que realmente importa na hora de deliberar sobre algo pode se tornar um pesado expediente. Algumas iniciativas, contudo, partindo de órgãos de imprensa e da sociedade civil organizada prestam notável suporte à sistematização de conhecimento relevante em meio a uma enxurrada de informações que não resistem à primeira prova.

Excelências é uma das expressões dessa iniciativa. Vencedor do Prêmio Esso de Jornalismo em 2006, o instrumento criado pela Transparência Brasil reúne informações sobre todas as candidaturas a todos os cargos eletivos nas eleições brasileiras de 2014. De forma parecida, Preto no Branco, d’O Globo, coloca à prova o que é dito nas campanhas eleitorais, comparando discursos a dados oficiais e classificando-os quanto a sua veracidade.

Diferente dos dois primeiros, direcionados à competição eleitoral, Newsletter Incancelável volta-se ao período posterior à escolha do candidato. Seu objetivo é propiciar ao cidadão “uma participação política efetiva durante os mandatos”. Para tal, promete enviar ao usuário um boletim informativo incancelável pelo período de quatro anos, contendo informações sobre o candidato escolhido na página do projeto. Bem informado, o cidadão torna-se capaz de compreender com maior acurácia o ambiente político, apto a realizar demandas e emitir juízos de valor sobre questões políticas e sociais com maior profundidade.

Delegar completamente a busca por informação a duas ou três fontes pode não ser uma atitude das mais recomendáveis, mas é inegável a contribuição que a tecnologia pode prestar ao exercício da cidadania ao sistematizar e tornar acessíveis dados que usualmente estariam longe do alcance das mãos do cidadão. Utilizá-la de maneira parcimoniosa talvez seja a saída para que encontremos nossa própria natureza, tal qual um dia sugeriu um filósofo de Estagira...


Gabriel Silva Farias

Gabriel Farias, 21, é estudante de Ciências & Humanidades na Universidade Federal do ABC. Escreve sobre cultura, tecnologia e sociedade..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/tecnologia// @destaque, @obvious //Gabriel Silva Farias