questionando histórias

Pois quem nos move são as nossas perguntas

Leandro Dupré Cardoso

Se você leu até o final eu lhe agradeço. É um bom sinal cujo real caminho desconheço. Mas espero que, afinal, ele te leve a um novo começo.

  • O Conto da Aia.jpg
    Lições sobre a soberba em “O Conto da Aia”
    Dos sete pecados capitais, a soberba é considerada a raiz de todos os outros. Enquadra-se aqui a prepotência, arrogância... Achar-se “superior” ao outro e por isso mais “merecedor” de benesses em detrimento dos demais que não são ...
  • boitata.jpg
    Quem tem medo do Boitatá?
    O boitatá é uma lenda indígena brasileira que chegou a ser descrita pelos primeiros jesuítas colonizadores e tornou-se parte integrante de culturas regionais. A gigante serpente de fogo que devora viajantes incautos estimulou várias crendices ...
  • glenn-han-sowOK2LiUz8-unsplash.jpg
    É o bicho!
    Os lares brasileiros possuem muito mais cachorros do que crianças. É o que dados levantados pelo IBGE em 2013 e divulgados em 2015 revelaram ao mostrar que, de cada 100 famílias brasileiras, 44 possuíam cães e apenas 36 eram habitadas por ...
  • alex-iby-aU1cBKa3mJU-unsplash.jpg
    Passar de fase

    Para o Estado, uma pessoa se torna adulta aos 18 anos. Mas e na prática? Não importa tanto a idade que possui, mas sim a maturidade que sustenta. Maturidade que é desenvolvida gradualmente e precisa ser mantida e renovada mesmo após aparentemente atingida. O que pode tornar a autoevolução cada vez mais indefinida na atual época líquida em que se torna possível transitar de um estágio para outro conforme a conveniência.

  • william-farlow-IevaZPwq0mw-unsplash.jpg
    Para ouvir o silêncio

    A ansiedade não é percebida como o mal do século por acaso: a cultura da informação vem gerando cada vez mais estímulos externos ao ser humano, cujas emoções se tornam diretamente afetadas por essas constantes influências. Mesmo com o livre-arbítrio humano de agir como bem preferir, esses estímulos externos contínuos podem nos afetar a tal de ponto de dominarem nossas ações? Somos movidos por nossos próprios valores ou pelos valores que percebemos mais frequentemente diante de nossos olhos?

  • hercules-4240835_1920.jpg
    As sombras no cantinho da bagunça

    Enquanto você não vê, as sombras se expandem.
    Varrer para debaixo do tapete não vai mais adiantar. Apenas oculta o crescimento da poeira que se multiplica, toma forma. Até que essa vida de obscuridade não irá lhe bastar.
    A criatura esquecida também deseja o seu lugar. E irá prestar contas com o seu criador caso não seja assimilada desde cedo.

  • fortune-telling-1989579_1920.jpg
    Mensagens Literais

    Querer é poder. Mentalizar o progresso é o primeiro passo para o avanço em si. Tudo começa no pensamento, nas palavras que você escolhe para te acompanhar ao longo do trajeto. As palavras que mais cultivamos são as que fazem vibrar a personalidade do nosso espírito. Pois a vivacidade do mundo externo nunca deixa de ser reflexo do pulsar interno da alma.

  • flower-887443_1920.jpg
    Fronteiras da Soberania

    Até que ponto a espécie dominante pode reinar sobre as leis naturais às quais deveria estar sujeita? O ser humano tornou-se perito em inverter os papéis da sobrevivência ao adaptar o meio às suas próprias necessidades. Uma habilidade invejável. Tanto quanto perigosa: nosso trono muitas vezes é tão confortável que nem percebemos a fragilidade do castelo que o protege...

  • staging-258631_1920.jpg
    O vírus da discórdia

    Além de higienizar o corpo, é essencial limpar a mente de preconceitos aflorados por conta do medo que possuímos frente a cenários adversos.

  • time-2034990_1920.jpg
    A multiplicação de bits

    O milagre se repete às vistas de todos: a internet se expande a níveis exponenciais cada vez mais surpreendentes. O mundo não para de se digitalizar em uma aceleração que não perde o fôlego. Um ser humano normal consegue acompanhar esse ritmo? Ou estamos fadados a sermos eternos desatualizados?

  • sunset-3740996_1920.jpg
    O olho do monstro

    A palavra "monstro" veio do latim "monstrum". Que por sua vez é derivada do verbo "monstrare", similar ao "mostrar" do português.
    Assim, um monstro nada mais seria do que "aquilo que é mostrado, sinal, advertência". Só isso. Não há nada na origem da palavra relativo a algo necessariamente maligno ou perigoso. Trata-se apenas de uma demonstração da mais pura verdade. E ela dói... É essa realidade dura e difícil de engolir que faz com que vejamos um monstro como um inimigo a ser destruído. Ou pelo menos a ser varrido para baixo do tapete bem depressa...

  • system-2660914_1920.jpg
    Atam-vos nós
    Vida líquida, Lago que vaza sem se conter. Aspirantes do futuro Que não veem o presente correr. Sem atinar, Sem se atentar, Sem tempo. Mas a essência não mente: Apesar de parecerem ausentes Lá estão os laços, Os nós que nos atam Na mesma ...
  • IMG_20190909_233102_311.JPG
    O Pinheiro e a Semente da Discórdia

    Sempre inerte. Preso. Impassível.
    Quando a natureza lhe dá raízes que o fincam à terra não há muito para onde correr.
    É um grande desafio para os vegetais assistirem calados às calamidades que os cercam.
    Mas é no tronco de um desses pinheiros aflitos que a história da Floresta Caduca permanecerá para sempre gravada.

  • wall-3072545_1920.jpg
    Playlist - Vidas em Medley

    Música e literatura podem ser combinadas num ritmo novo. Basta permitir que o ressoar das palavras suavemente lhe carregue para desfrutar de novos níveis de vibração...

  • sunrise-1014712_1920.jpg
    À deriva

    "Quem vem pra beira do mar, ai
    Nunca mais quer voltar.
    Andei por andar, andei
    E todo caminho deu no mar.
    Andei pelo mar, andei
    Nas águas de Dona Janaína.
    A onda do mar leva,
    A onda do mar traz.
    Quem vem pra beira da praia, meu bem,
    Não volta nunca mais."