questionando histórias

Pois quem nos move são as nossas perguntas

Leandro Dupré Cardoso

Se você leu até o final eu lhe agradeço. É um bom sinal cujo real caminho desconheço. Mas espero que, afinal, ele te leve a um novo começo.

A multiplicação de bits

O milagre se repete às vistas de todos: a internet se expande a níveis exponenciais cada vez mais surpreendentes. O mundo não para de se digitalizar em uma aceleração que não perde o fôlego. Um ser humano normal consegue acompanhar esse ritmo? Ou estamos fadados a sermos eternos desatualizados?


web-3706562_1920.jpg

Nossas vidas jamais foram tão intensas. E a velocidade só aumenta.

De acordo com o relatório Data never sleeps (Dados nunca dormem, em inglês), ao final de 2018, o globo adquiriu o índice de 2,5 quintilhões de bytes gerados a cada dia! E o que é mais impressionante: entre 2017 e 2018 foram criados 90% dos dados de toda a história da humanidade. Número que já deve estar extremamente desatualizado neste exato instante.

Tem noção disso? No século III a.C. a biblioteca de Alexandria foi construída com o intuito de abrigar todo o conhecimento do mundo. Ainda assim, mesmo no seu auge ela certamente possuiu uma quantidade irrisória de dados perante tudo o que foi criado somente entre esses dois anos.

Sem entrar no mérito da qualidade desses dados, fato é que se estávamos longe de dominar os 10% que representam toda a nossa herança histórica, imagine esses 90%: em 2013, uma publicação oficial do Youtube declarou que, a cada minuto, são postadas cerca de 100 horas de vídeos na ferramenta. Por minuto! Isso num estudo de sete anos atrás...

highway-2025863_1920.jpg

Ou seja: por mais que você queira e seja o maníaco que não larga o Youtube por nada, você nunca vai chegar nem perto de conhecer todo o conteúdo ali porque a quantidade postada a cada dia é extremamente superior às 24 horas que temos disponíveis. E estou falando apenas de um software. Se somarmos também a quantidade de dados de páginas web, Instagram, Twitter, Facebook... É de enlouquecer.

Pode dar vontade de sair disparado acessando tudo quanto é lugar para não ficar tão por fora assim, porque a nossa desatualização contínua já é um fato. E a sensação de atraso só piora quando percebemos que um terço do nosso dia é (ou pelo menos deve ser) simplesmente dedicado para dormir...

Não adianta querer carregar o mundo nas costas. Somos um só, somos humanos. Admita os seus limites e relaxe: precisamos de momentos de aprendizado assim como precisamos de tempo para lazer, ficar com a família ou para não fazer coisa alguma. O bem-estar pessoal e as relações com a sociedade são primordiais para o ser humano. Apenas com o lado emocional bem desenvolvido primeiro é que criamos a base necessária para instruir o nosso lado racional. Não podemos permitir que a automatização de tudo também nos transforme em insensíveis máquinas sedentas por novas versões que tornam descartáveis todas as anteriores.

A tecnologia é ótima, uma verdadeira revolução para a democratização do conhecimento da sociedade. Mas é preciso saber lidar com todo esse poder que detemos a um arrastar de tela. Mais do que nunca, a priorização de atividades demonstra o seu valor. Já que não chegaremos nem perto de desvendar todo o mar da internet, é essencial que aquilo que nos dispomos a pesquisar seja de fato algo relevante e do nosso real interesse. O nosso tempo nunca foi tão valioso.

Contudo, qual será de fato o melhor caminho a seguir se qualquer um pode ter acesso facilitado a milhares de cursos online, receitas para pratos mirabolantes, joguinhos viciantes, filmes em alta definição ou não, músicas de todos os tempos, notícias de todas as épocas e pontos de vista... Perdido? Sente e pense.

time-2034990_1920.jpg

Procure organizar o seu tempo pessoal de modo a permitir que cada assunto realmente importante na sua vida receba atenção exclusiva em algum momento. Faça o possível para cortar excessos, evite ao máximo desperdícios de tempo. Pense em você, naquilo que te faz bem de verdade.

Considere os seus horários de sono, a quantidade de exercício físico que perceba ser ideal, os momentos de diversão, as viagens, o tempo com família e amigos. Esses fatores vêm primeiro e não podem faltar, pois o seu bem-estar é a base para todo o resto. A partir daí você pode passar a encaixar o tempo dedicado para o desenvolvimento lógico e racional e então ponderar: qual é o meu objetivo na vida? Que tipo de trabalho me satisfaz mais? Quais conhecimentos necessito para sustentar uma melhora no meu padrão de vida?

Não é algo simples. Muita reflexão e muitos testes podem ser necessários até que se encontre o trajeto ideal. Não se iluda: você também não terá tempo para todas as reflexões e todos os testes que imaginar. Simplesmente mantenha o foco para buscar a todo instante o caminho de alguma forma.

Mantendo a cabeça no lugar e nunca deixando à parte o que há de mais importante para preservar o seu lado emocional, em algum momento os erros do percurso o levarão a um acerto mais consolidado.

Mais uma vez: foco e priorização de atividades mais do que nunca. Escolhas serão feitas e algumas coisas terão de ser abandonadas. Largue sem sofrer aquilo que não irá contribuir tanto e abrace com fervor o que sentir que precisa estar mais junto. Seja sincero com você.

Pois você nunca saberá tudo, mas tem todo o potencial para saber tudo aquilo que realmente precisa saber.

Fontes:

https://www.digitalinformationworld.com/2018/06/infographics-data-never-sleeps-6.html

https://exame.abril.com.br/tecnologia/por-minuto-100-horas-de-video-sao-postadas-no-youtube/


Leandro Dupré Cardoso

Se você leu até o final eu lhe agradeço. É um bom sinal cujo real caminho desconheço. Mas espero que, afinal, ele te leve a um novo começo. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/tecnologia// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Leandro Dupré Cardoso