Carolina Vila Nova

Brasileira, 41 anos, formada em Tecnologia em Processamento de Dados, pós-graduada em Gestão Estratégica de Pessoas. Atua numa multinacional na área administrativa como profissão. Escritora, colunista e roteirista por paixão. Poliglota. Autora de doze livros publicados de forma independente pelo Amazon, além de quatro roteiros para filme registrados na Biblioteca Nacional. Colunista no próprio site www.carolinavilanova.com e vários outros na internet.
Youtuber no canal Carolina Vila Nova, que tem como objetivo divulgar e falar sobre as matérias do próprio site.


Carolina Vila Nova é autora dos seguintes livros:

"Minha vida na Alemanha" (Autobiografia),
"A dor de Joana" (Romance),
"Carolina nua" (Crônicas),
"Carolina nua outra vez" (Crônicas),
"Vamos vida, me surpreenda!" (Crônicas),
"As várias mortes de Amanda" (Romance),
"O dia em que os gatos andaram de avião" (Infantil),
"O milagre da vida" (Crônicas),
"O beijo que dei em meu pai" (Crônicas),
"Nosso Alzheimer" (Romance) e
"Quero um amor assim" (Crônicas).

Todos disponíveis no site www.amazon.com e www.amazon.com.br
Mais matérias e informações em: www.carolinavilanova.com

Casamento: a desconstrução!

Casamento seria algo muito mais fácil se fosse tratado com a seriedade e transparência que merece!
Romantismo não sobrevive sozinho.
É necessário planejamento e uma boa dose de realismo para o fim que todos desejam: o amor no dia-a-dia todos os dias!


casamento a desconstrucao carolina vila nova.jpg

Conversando com uma pessoa interessantíssima sobre o eminente fracasso de um casamento, ela solta: “casamento é uma desconstrução”. Eu ri. Ri por dentro e por fora. Não pelo possível fracasso da união de alguém, mas pela tão profunda e escondida verdade na frase mencionada.

Como eu gostaria que o assunto “casamento” fosse tratado com a seriedade e honestidade que merece. A vida de quem casa seria muito mais fácil, se houvesse clareza no que diz respeito a algo tão sério e difícil. Até hoje as pessoas se casam, como se estivessem indo para uma lua-de-mel. Com a mesma inocência e ilusão, que meninas e mulheres engravidam: como se fossem viver um comercial de televisão, onde as mães estão em forma, bem vestidas e cheias de energia. Duas grandes mentiras de nossa sociedade.

Que fique claro: não sou contra nem uma coisa, nem outra. Mas sou contra o romantismo e falsa imagem que se vende em torno de ambas as coisas.

Casar é mesmo uma desconstrução. Ninguém casa e vive uma lua-de-mel, muito pelo contrário. O início do casamento costuma ser a pior parte do mesmo. É quando tudo que era, passa a não ser mais. A saudade acaba, a paixão esfria, a magia desmorona e a ilusão de uma vida nova se torna a realidade de outra vida totalmente diferente. Se no namoro havia a necessidade da conquista, a saudade e o tesão desenfreado, no casamento, quase toda a energia se volta para os novos inevitáveis assuntos domésticos e financeiros: pagamento da casa, do carro, ou seja, do que for. O sonho financiado da vida a dois, se transforma no pesadelo da perda. Perda do que foi. Perda do que se sonhou que seria.

Casamento é uó. Não é pra qualquer pessoa. Há de se ter muita maturidade emocional para driblar as mudanças. E muito amor para aguentar aquela pessoa que se via como perfeita em outra cheia de imperfeições: que arrota, que dorme no sofá ao invés de sugerir um motel e que, do nada, parece ter se transformado no sapo da sua vida. Ou na sapa. A verdade não é que casamento é ruim. A verdade é que a maioria das pessoas acredita que é uma coisa, quando é outra bem diferente. Vivemos numa sociedade que mascara a verdadeira identidade do significado dessa união. O fato de o casamento ser uma desconstrução, não significa que ele não valha a pena. Porque após a desconstrução do que se acreditava ser, uma nova construção virá a existir, agora baseada em fatos reais e com maturidade para se vivenciar a vida a dois. Então de acordo com a realidade.

Assim como mães de primeira viagem aprendem que a maternidade não tem nada a ver com o paraíso e mesmo assim não desistem de seus filhos, há pessoas que conseguem encarar a nova realidade com destreza, novos sentimentos e hábitos inteligentes. Casamento não é mais fácil do que namoro. É difícil como o que. Para quem é iludido demais, deve durar bem menos do que o sonhado. Para quem admite sua real desconstrução, tem grande chance de ser bem sucedido. E quando digo bem sucedido, não me refiro aos milhares de casamentos de aparência e comodismo, mas àquelas raras relações felizes de verdade.

Tudo na vida é um ato de desconstruir e reconstruir. Diariamente nos tornamos novas pessoas. Dia-após-dia, reconstruindo novos valores com as lições aprendidas, novas forças com as quedas de velhas construções, mas sempre com novos conhecimentos para construções mais fortes e duradouras. A vida é um constante construir e reconstruir. Só é menos dolorido quando se tem consciência da realidade. Com a clareza do que se é, os tijolos ficam mais leves. E o entulho deixa de ser encarado dessa forma, para ser visto como material reciclável.

Há de se aceitar as desconstruções da vida, para os espaços tão necessários e desejados daquilo que é novo. Desconstrução e mudança. Há quem saia correndo para permanecer no mesmo lugar, sem dores. Mas felizmente também há os que encaram o inevitável sofrimento do mudar, indo para um lugar muito melhor. Só quem chega lá é quem sabe.


Carolina Vila Nova

Brasileira, 41 anos, formada em Tecnologia em Processamento de Dados, pós-graduada em Gestão Estratégica de Pessoas. Atua numa multinacional na área administrativa como profissão. Escritora, colunista e roteirista por paixão. Poliglota. Autora de doze livros publicados de forma independente pelo Amazon, além de quatro roteiros para filme registrados na Biblioteca Nacional. Colunista no próprio site www.carolinavilanova.com e vários outros na internet. Youtuber no canal Carolina Vila Nova, que tem como objetivo divulgar e falar sobre as matérias do próprio site. Carolina Vila Nova é autora dos seguintes livros: "Minha vida na Alemanha" (Autobiografia), "A dor de Joana" (Romance), "Carolina nua" (Crônicas), "Carolina nua outra vez" (Crônicas), "Vamos vida, me surpreenda!" (Crônicas), "As várias mortes de Amanda" (Romance), "O dia em que os gatos andaram de avião" (Infantil), "O milagre da vida" (Crônicas), "O beijo que dei em meu pai" (Crônicas), "Nosso Alzheimer" (Romance) e "Quero um amor assim" (Crônicas). Todos disponíveis no site www.amazon.com e www.amazon.com.br Mais matérias e informações em: www.carolinavilanova.com.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/sociedade// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Carolina Vila Nova
Site Meter